Comentei lá no Facebook (não seguiu nóis ainda? Segue!) sobre o causo da mocinha que propôs parceria com o blog em troca de nada.

Vou seguir o raciocínio aqui:

Muitos se chocam, mas o modelo é velho. Não é de hoje que tem muito blog fazendo publieditorial (posts patrocinados por empresas) sem ganhar nada ou quase nada, ganhando uns brindes mequetrefes ou ganhando muito dinheiro e não avisando nada aos leitores.

Eis a minha opinião sobre o assunto: faz quem quer. O espaço é de cada uma, manejem como preferirem.

Eis a minha segunda opinião sobre o assunto: sinalizem seus publis. Não é vergonha nenhuma trabalhar. Divulgar marcas que são legais pra sua vida ou que te pagaram um valor legal pra falar sobre elas tá no seu total direito. Avisem pro seu público, trabalhem direitinho e todo mundo entende o publi (ou deveria entender, vocês pagam suas contas com o quê, senão dinheiro?).

O problema, para mim, não está em vender espaço/post. O problema está em enganar seu público (pô, justo as mães, cara. Eu amo as mães, cês não amam não? Não enganem as mães – já tem todo um sistema prontinho pra fazer isso). Problema maior ainda está na empresa que acha que somos um bando de abestadas e que podem deitar e rolar fazendo a gente virar vitrine gratuita de merda.

Dito isso, eu queria dizer que: eu vou anunciar neste blog.

TADÃÃÃN. Todas chocada depois do bonito discurso.

Mas calma, gente. O discurso tem sentido dentro do que eu acredito e a publicidade também, por motivos de:

—> Saí do trabalho em empresa formal, agora trabalho em home office. Vulgo: frila. Vulgo: pessoa que shora sangue de tanto que trabalha pra pagar as conta (tá, isso foi um exagero, mas é fato que tenho trabalhado bastante). Dito isso, o blog, que sempre foi um hobby (since 2002, vai vendo minha carreira bem-sucedida faturando vários nadas ao longo dos anos), vai abrir espaço pra entrar uns dinheirinhos. Pelo menos pra pagar a hospedagem/domínio deste bloguinho.

Mas. But. Pero:

Não é qualquer um que vai anunciar aqui não. Vou abrir meu espaço pra falar do trabalho de outras mães (já falei que eu amo as mãe? Pois eu amo). Mulheres que, como eu, estão encarando a vida, as opiniões contrárias, a crise, o Temer (desculpe quem curte, eu detesto esse homi), e estão tocando seus negócios com lindeza e profissionalismo. Essas terão espaço aqui (empresas grandes enormes cheias do dinheiro também têm espaço, claro! Basta pagar, ué).

E não é que vou bater palma pra qualquer mãe loca dançar não:

A coisa vai ser organizada, extremamente bem sinalizada e minimamente de acordo com os meus valores e gostos. Nem sempre eu vou ganhar dinheiro com isso, muitas vezes (como será a primeira que já está preparada) vai ser só uma permuta, uma parceria. Parceria como essa que a mocinha do post no facebook me propôs, só que com pessoas que estão ombro a ombro comigo, lutando, trabalhando e precisando de incentivo (como eu também estou, quer me amar, quer me divulgar?). Empresa grande abusando da minha boa vontade não, né gente?

“Ah, mas eu não quero ver publicidade no seu blog”

Tudo bem, miga, não veja. Estará devidamente sinalizada e categorizada, prontinha pra ser pulada caso você não queira. Mas olha, deixa eu te contar uma coisa: desde que eu vi do que a força das mães unidas é capaz, eu não duvidei mais de nada nessa vida. Dá uma chance pra uma coisa que é muito boa, você vai ver. Vai comprar? Compre de uma mãe.


***

No próximo post: mais sobre como eumerma virei uma empreendedora 😉

5 respostas em “Publis, empreendedorismo e outros

  1. Não curto publi mesmo….soa falso….parece que "tô aqui escrevendo que isso é divino PQ estou sendo paga", massssss esse selo do empreendedorismo materno eu vi circulando no Instagram e AMEI a iniciativa!!!! isso vou apoiar com certeza…

  2. Aceita mãe de anjo também? rs
    Sou mocinha estudada (e põe estudo nisso), que acreditou no sonho da pesquisa (na pátria educadora… sqn), segurou a onda de um aborto espontâneo durante o doutorado e agora tá sem bolsa, sem lenço e sem documento… se mantendo com um ateliê de costurinhas.
    Posso assumir o comando das fantasias home-made do Lucas! hehehehehehehe

    Acho maraaaaaaaaaa essa troca, desde que dentro dos nossos valores!
    Faço bastante com amigas artesãs!

  3. Aceita mãe de anjo também? rs
    Sou mocinha estudada (e põe estudo nisso), que acreditou no sonho da pesquisa (na pátria educadora… sqn), segurou a onda de um aborto espontâneo durante o doutorado e agora tá sem bolsa, sem lenço e sem documento… se mantendo com um ateliê de costurinhas.
    Posso assumir o comando das fantasias home-made do Lucas! hehehehehehehe

    Acho maraaaaaaaaaa essa troca, desde que dentro dos nossos valores!
    Faço bastante com amigas artesãs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *