Essa foi a maior surpresa do nascimento do meu segundo filho: ser uma menina. Eu acho que queria uma menina, mas sentia que era menino, sabe como? Sabe instinto materno de merda? Então, era o meu. Instinto que também acertou em cheio a via de parto (SQN): sonhei dourado com o parto domiciliar e acabei numa cesárea bem indicada de urgência, com bebê prematuro.

Sobre a cesárea ainda quero falar, mas não chegou o momento. Vai chegar. Falemos de Luiza, então: nasceu prematura, com 35 semanas e 6 dias de gravidez. Pesou 2,5kg cravados e mediu 46 cm. Nasceu toda redondinha, não de gorda, mas de postura: parecia uma bolinha toda enrolada, minha menina pélvica, minha pequena. O hospital em que a tivemos (não foi o mesmo em que nasceu Lucas) era muito estrito e não muito humanizado (nada humanizado) e, por protocolo, colocou ela na UTI Neonatal e tivemos que engolir 5 dias sofridos de internação. Digo sofridos não porque ela tenha tido algo preocupante, mas justamente pelo contrário: ela estava super bem. Respirou bem, mantinha temperatura bem e, quando nos deixaram, mamou direitinho. Pena que isso só aconteceu quase 24 horas depois do nascimento, mas tudo bem, acho que essa demora não teve grandes “sequelas”, senão a mais óbvia, que foi não poder tê-la nos meus braços logo que saiu de dentro de mim. Cinco dias arrancados da nossa história que estou tentando recuperar agora: desde que voltamos pra casa é só peito e colo, só isso. Dia e noite. Tô cansada, tô exausta, tô dolorida dos pontos, tô com uma tosse que faz doer ainda mais, mas não tô nem aí. Sei que esse negócio de recém-nascido pitico passa rápido demais, então quero curtir tudo que merecemos. Curto trocar fralda, curto o cocô de leite materno, curto peito cheio, curto a neura do peito vazio, curto dar banho meio sem jeito (desaprendi!), curto que o umbigo caiu, acho tudo lindo e delicioso. Não tenho a menor pressa de que o tempo passe, quero viver tudo isso que tenho direito, com a intensidade que cabe.

Falando em intensidade, intenso também está o Lucas. Sua reação à chegada da irmã foi das coisas mais fofas, ele amou, vibrou, beijou, abraçou, beliscou, bateu… pois é. Meio bipolar, hahahah. Ao mesmo tempo que ele ama, ele odeia. Eu tava com medo mesmo era da questão da amamentação, da primeira vez que ele me viu dando peito, disse que queria também, mas eu não consegui botar os dois no colo ao mesmo tempo, então abortei a missão. Depois ele não pediu mais e eu também não sugeri nada, não tenho a menor intenção de “remama-lo”. Então tá tranquilo. Fora isso, ele tem sido uma criança normal de 3 anos que ganha uma irmã, sabe. Tá feliz, tá eufórico, mas tá birrento e cheio de ciúmes.

A gente conversa muito e tenta não brigar e acho que estamos indo bem, apesar do cansaço e o caos que é ter duas crianças em casa. Mas é um caos feliz, então tô achando ótimo.

Depois que tivemos alta do hospital, levei a Luiza no nosso pediatra querido e ele confirmou o que eu já sentia (ok, eu tenho algum instinto materno): ela tá ótima. Engordando bonitinha (já superou o peso do nascimento! Agora tá com 2.520!), crescendo (já tem 47,5 cm!), mais acordadinha pro mundo, mamando cada vez melhor, enfim, tudo certo. Semana que vem temos outro controle só pra ver a questão do amarelinho na pele e o peso, mas só por via das dúvidas mesmo. Se tiver tudo bem – e vai estar –, a gente entra no esquema de controles mensais como todos os babies e pronto.

O tempo aqui está escasso, mas eu ainda quero voltar pra falar muitas coisas. Como foi viver os 5 dias de UTI e tudo que eu aprendi naquele ambiente – principalmente o respeito e admiração pelas mães que tem prematuros que realmente precisam estar ali; como foram os momentos antes da chegada da Luiza, o que nos levou a decidir pela cirurgia e a cesárea em si, que posso adiantar que não gostei nada e vivo um luto grande pelo parto que não foi. O empoderamento tem curvas que eu não esperava e a cirurgia necessária + UTI me mostraram (e me mostram ainda) o outro lado da história: onde esteve meu protagonismo? Até onde o meu protagonismo tinha relevância nessa história? Até onde eu estava preparada pra tudo isso? Até onde podemos controlar as coisas? Não podemos. E eu não estava preparada.

Falaremos mais sobre isso.

Mas, antes que me mandem “arrumar o que fazer” – como já me mandaram no facebook – por favor, arrumem vocês o que fazer. Não tá afim de ler que eu NÃO GOSTEI DE SER CESAREADA, não leia. Fecha o browser e vai ler qualquer outra coisa que você goste mais. Agora, dizer pra uma puérpera, machucada com uma cirurgia, com um bebê no colo e um filho pululando em volta que vá procurar outra coisa mais importante pra pensar é, no mínimo, cruel. Por favor, não me diga isso. Não me diga qual dor eu posso ou não sentir.

E entendam algo que pra mim está claríssimo: não ter gostado da cesárea não me faz, em nenhuma instância, não ter AMADO a chegada da minha menina. Foi um presente da vida, depois de ter perdido tantas mulheres fundamentais pra mim, ganhar uma filha é de um significado que as palavras ainda não alcançam.

Minha bolinha, minha menina.

34 respostas em “É uma Segundinha!

  1. Carol, muito amor pelo seu post. Você tem todo direito de não gostar de ter sido cesareada. Falo por MIM, me sinto um pouco ofendida quando leio que mãe que faz cesarea não é mãe ou coisas afins, porem isso não dá o direito de mandar você arrumar o que fazer. Como você disse cada um lê o que quer. E vou além, me sinto ofendida porque não corri atrás do parto natural que eu poderia ter tido (sim, todas podem mesmo que não consigam como foi o seu caso). Eu me sentiria devastada em ter planejado um parto natural e acabar dilacerada (a cesarea é isso). Eu não defendo a cesare e virei militante do parto natural.
    Mais importante que tudo isso, a LUIZA (muito amor pelo nome, porque será?) é linda!
    No fim das contas nada mais importa.
    Beijos

  2. Parabéns pelo nascimento da sua filha, que Deus abençoe imensamente a vida de vocês…. Eu sempre sonhei com um parto normal e me preparei da melhor maneira possivel até que as 34 semanas em ponto, rs, minha bolsa estourou…. mais de 30 horas depois uma cesária as pressas trouxe meu pequeno gigante com 34 semanas e 1 dia de gestação… 2200 kg, 44 cm, graças a deus respirando muito bem, não foi pra uti, veio direto pra quarto (ninguém acredita quando eu conto que a dpp dele era pra 14 de fevereiro, nasceu 29 de dezembro e não precisou de uti), mas tive que levar consultar primeiro toda semana… depois a cada 15 dias e só então a cada mês, cada médico e hospital com seu jeito né! filhos nos ensinam muito, principalmente que a gente consegue controlar muito pouco nessa vida! A parte boa é que a sua menina é linda e pelo jeito muito saudável! Felicidades.

  3. Carol.. vi seu post, e sei o quanto doeu, eu tb ainda sinto o "luto" do parto que não tive, 1 ano e 2 meses depois
    Mas sabe o que aprendi, que no fim o que importa realmente não é como eles virão ao Mundo, e sim o tanto que chegarão saudaveis!
    E Luiza linda chegou mega saudavel, com as bochechas mais apertáveis desse mundo, e altamente mordivel ( eu babei nesse queixo duplo e boquinha de corazón)
    Lua de leite procêis lindoona!
    Beeijos meus e da Manu

  4. Complementando: eu não fui mãe de menino mas tive um irmão filho pois já tinha 12 anos quando meu irmão caçula nasceu. Mesmo assim, ser mãe de menina é algo diferente… Não sei explicar o que é… Não sei se é uma cumplicidade feminina pois elas sentirão tudo o que nos sentimos ou se é porque nos vemos nelas com mais facilidade, mas é diferente. Depois me conta. Bjs

  5. Viva a Luiza!!! Emocionei com a “não descrição” do significado delA pra você. Quanto amor <3 Obrigada por continuar compartilhando todas essas emoções com seus leitores mesmo sendo atacada por pessoas que (essas sim) parecem não ter mais o que fazer. Imagino que tem horas deve dar vontade de jogar o computador pela janela e nunca mais se conectar.
    Saúde para a segundinha bolotinha e pra toda a família que adoro mesmo sem conhecer.

  6. Sabe Carol, sempre leio mas nunca comento seus posts. Te considero uma amiga sem que nem saiba que eu existo. Lendo seu post hj eu senti necessidade de comentar…

    Desculpa se não gostar do que vou falar…

    Nunca tive grandes planejamentos com relação ao parto do meu filho. Só tinha certeza que queria parto normal,sem anestesia nenhuma. Nem mesmo ter acompanhado de perto uma parto dramático como foi o da minha cunhada me fez pensar duas vezes nessa hipótese.

    Porém, como aconteceu com vc, isso não me foi permitido. Meu Pedro nasceu exatamente no dia que completou 36 semanas, eu tive uma trombose placentária que não foi detectada em nenhuma ultrassom, apenas sabíamos que ele não recebia corretamente o fluxo sanguíneo e por isso acompanhávamos de perto com ultras até 3x por semana. E quando não tinha mais capacidade para cuidar do meu filho dentro de mim, tivemos que realizar a cesária.
    Na época não foi nenhum sofrimento pra mim tomar essa decisão, e até hoje eu dou Graças à Deus pelas tecnologias existentes, pois se não fosse pela cesárea e pelos exames periódicos, hj eu não teria meu filhote comigo.

    Pra mim, foi muito mais fácil pensar assim… Pois nenhuma satisfação é maior do que ter meu parceirinho ao meu lado.

    Não desisti do parto normal, estou na tentativa do segundinho… Mas já sei de antemão que o a trombose pode se repetir e que talvez uma cesárea seja necessária novamente. E se Deus quiser que seja assim, será!

    Tenho certeza que a sua recuperação será rápida, pois com tanto amor ao seu redor não tem como ficar mal.

    Olha pra essas bochechas lindas no seu peito e agradeça muito à Deus por te permitir isso.

    Tenho sim uma dor enorme… Não consegui amamentar meu filho por mais de 5 meses, e esses 5 meses que eu insisti foi de puro sofrimento para nós dois. Então, se agarre à isso! Vc é capaz de amamentar e sentir seus filhos muito mais próximos de vc!

    Beijo Grande e parabéns pelos filhos lindos!!!

  7. Carol, voce tem o direito de se sentir como quiser, todas temos sonhos e o seu foi ter o parto domiciliar e não pode ser concluido ate o final.. e ter um sonho cortado ao meio doi! Portanto sinta tudo que tiver pra sentir e curta mt seus bolotinhas que sao lindos por sinal! E quanto aos DESOCUPADOS sim, desocupados que não respeitam sua dor, mande BLOCK em todos e pronto.. vc nao precisa de ngm falando o que vc pode ou nao sentir.
    Um beeeijão nesses lindos <3

  8. Luiza é linda linda linda linda linda mais q linda, tri linda!
    Essa boca, esses olhinhos, ñ parece ser pequena, ñ parece ser prematura (uma semaninha e nada mais), só parece ser linda e gostosa e viva viva viva a chegada dele ao mundo pq tem muita seguidora saltando de alegria e emoção por ela ter chegado tao bem apesar de ñ ter sido como vc sonhou foi da melhor forma q assegurou tanta formosura, e saúde pra ela.
    Lú, vc tem a vida todinha pra se aninhar na mamãe esses dias de protocolo foram só pra multiplicar por cinco o brilho de sua estréia.
    O mais importante de tudo é q vc chegou, e em grande, e está aqui recebendo todo o devido amor.
    Lucas tem uma rosa pra guardar e proteger pra sempre…
    Ele vai entender qual especial somos nós mulheres tbm com a companheirinha inseparável de trelas!
    E viva vc Carol, sua família e tudo q tiver pra viver de melhor!
    Permita-se.
    Força na peruca e leitinho na teta!
    Bjs bjs bjs e muito feliz por vcs!

  9. Primeiro de tudo, a Segundinha é linda, mini vc, desculpa Pedro! Rs
    Segundo, vc tem TODO direito de não ter gostado da sua cesarea, eu se tivesse q passar por uma, tenho certeza que me sentiria como vc: de luto pelo não parto! Então meu conselho é: espere. Digira sua dor, deixaa ela amenizar! Esquecer vc não vai nunca, mas vai saber lidar com esse desvio dos seus planos de parto!
    No mais, curta mesmo sua segundinha, o lucas e o Pedro! Tudo passae lembre-se que foi necessário, mesmo que você tenha odiado passar por isso!
    Ombros virtuais à disposicao se quiser desabafar! 😉
    Milhoes de beijos pra vc!
    Carol
    http://Www.meuparasita.com

  10. Luiza é linda, Carol!
    Eu tive gêmeos e fiz uma cesárea. Não gostei nem um pingo. A dor no pós operatório somado a um (ou dois..rs) bebes exigindo tanto de você não é uma coisa legal. Eu nem tive muita escolha, porque o meu menino era maior e mais pesado estava pélvico, enquanto a menina que foi menorzinha estava cefálica. Ela só passaria se ele "saísse da frente" ….hahahaha!

    Deus abençoe infinitamente esse pequenina!

  11. A Luiza é linda e tem cara de mocinha já e não uma RN prematura.
    Tive PN, mas cheios de intervenções. Como era meu segundo e ultimo parto, fiquei triste em não ter meu parto dos sonhos. Mas fico feliz em ter meus dois tesouros ao meu lado, lindos e saudáveis.
    Saúde e muito amor para você e teus 3 amores!

  12. Luiza é linda demais, jesus! Carinha de menina, carinha de Carol, haha Parabéns pela pequena 🙂
    E muita, muita força pra você superar o luto pelo não-parto. Espero que escrever te ajude, que seus filhotes e seu marido te ajudem. (e que não apareça mais babaca no facebook pra te atrapalhar).
    Um grande beijo!

  13. Carol, parabéns!!!!!!
    A pequena é linda e dá pra perceber a felicidade que você está por tê-la contigo neste momento. Que vocês sejam imensamente felizes e realizados com as crianças.

    Quanto aos comentários idiotas, abstrai. Ocupe-se com o que te faz bem, com o que te faz feliz.

    Quanto ao não parto, vá digerindo aos poucos. Entendo a sua dor mesmo nunca tendo engravidado (planos pra o fazer em 10 anos), mas conhecendo um pouco desse universo materno e, principalmente, de intervenções desnecessárias – que não foi o seu caso – nessa área eu entendo que pode ser duro mesmo para você. Como disse no facebook, você fez o que pode com toda a informação possível que tinha no momento. Deu o seu melhor. Às vezes as situações fogem do nosso controle. Mas é a vida.
    Quando você tiver tempo para escrever sobre, o faça. Se quiser, é claro.
    Saiba que sempre terás um ombro, ainda que virtual, para você chorar e palavras de encorajamento e sucesso sempre!!!

    Beijo grande!

  14. Amada Carol, minha xará, tenho acompanhado de longe tudo, desde seu positivo a chegada da sua pequena, entendo sua "frustração" e SIM, vc tem todo o direito de ter odiado ter tido uma cesárea.
    Vc é humana, erra, acerta, tem defeitos e acertos, e acima de tudo tem sentimentos, viva intensamente tudo que está dentro de vc, e na hr certa as coisas se ajeitam

    Parabéns pela chegada da sua Luiza, ela é linda!
    =*

  15. Olá Carol !!
    Sou fã incondicional do seu blog, amo seus textos e leio tds, apesar de nem sempre conseguir comentar pois meu celular e computador qse sempre não colaboram cmgo 🙁
    Parabéns pela pqna Luiza !! Que coisa mais linda, mais fofa, mais delícia !!
    Sobre sua frustração em relação ao parto, posso entender perfeitamente. Tudo aquilo que a gente deseja, idealiza e que, por alguma razão não acontece, acaba sim nos causando dor. Dor por tudo que era pra ser e não foi, e talvez não será. Dá aquela sensação de vazio né.
    Não foi meu caso, entrei em TP mas tive duas cesáreas por falta de dilatação (segundo o médico) e confesso que agradeci pois morro de medo da dor!! Mas apesar disso acho lindo o parto natural, e quem sabe numa próxima vez ou próxima vida eu tbm me empodero!! rsrsrs
    Enfim, muita felicidade pra vcs nessa nova fase e que Deus continue iluminando e abençoando a vida de vcs.
    Bjok =)

  16. Parabéns Luiza, sua linda! Parabén Carol, agora mãe de dois. Sofra com a cesárea, ao mesmo tempo que está feliz pela chegada dessa pequena princesa, você tem todo o direito e ninguém, NINGUÉM, tem o direito de se intrometer ou interferir na sua dor ou felicidade. Estou grávida e entendo perfeitamente o que você disse. Nos empoderamos, nos preparamos, planejamos o nosso parto, mas e se cairmos em uma cesárea necessária e com indicação real, estaremos preparadas? Será? Beijos mil e curta os dias de lamber a cria recém-nascida.

  17. Parabéns, Carol! Meu baby tb nasceu de 35 semanas e 5 dias, de cesárea e tb ficou 5 dias na UTI. A UTi mudou completamente as nossas vidas e te entendo perfeitamente! Eu fiquei 9 meses em repouso, sendo 4 completamente deitada, uma experiência que tb me mudou pra sempre, até falei sobre isso lá no blog.
    Hoje o Davi já está com um aninho, mas ler a sua história, me fez recordar a minha e parecer que tudo aconteceu ontem. Vc está certa em curtir tudo….vc merece!

    Bjao

  18. Carol! Que bom te ter de volta. Fiquei tão triste quando você parou de blogar, sou leitora assídua. Daí não vi que você voltou e ontem, por desencargo de consciência, vim até aqui e eis que vejo todos esses posts. Que alegria! E que alegria que sua filha nasceu, parabéns! Olha, concordo demais contigo que ninguém tem autoridade para apontar o dedo e dizer o que podemos sentir ou não. E lamento que você tenha passado por isso, além de ter passado por uma cesárea. As pessoas podem ser cruéis e mesquinhas, além de totalmente insensíveis. Força aí, que coragem acho que você tem de sobra. E continue escrevendo, please. Um abraço, Alessandra.

  19. Oi Carol.
    Escrevi antes aqui mas não entrou o comentário!
    Quero te dizer que adorei o blog! Achei engraçada a maneira de você falar kkk
    Teus filhos são lindos!
    Estou te seguindo e teu blog está na minha lista de blogs que leio!
    Bjks

    querosermami.blogspot.com.br

  20. Quanta falta de respeito, seu blog, seu face e você se manifesta com quiser… Outra, seu direito de não ter gostado da cesárea, sabe hoje tem uma briga sem fim por contas dos partos, mas as pessoas precisam entender cada um faz o que é melhor para si e mesmo assim tem o direito de gostar ou não da escolha….muito triste a hipocrisia humana!

  21. Quanta falta de respeito, seu blog, seu face e você se manifesta com quiser… Outra, seu direito de não ter gostado da cesárea, sabe hoje tem uma briga sem fim por contas dos partos, mas as pessoas precisam entender cada um faz o que é melhor para si e mesmo assim tem o direito de gostar ou não da escolha….muito triste a hipocrisia humana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *