Muitas queridas tem me mandado reportagens, vídeos e fotos sobre bebês sentados e partos pélvicos. Eu leio tudo e vejo tudo, mas saibam: já estudei um monte, um monte mesmo.

Parto pélvico é indicação relativa de cesariana, vejam aqui: Indicações reais e fictícias de cesariana – Dra. Melania Amorim

SITUAÇÕES ESPECIAIS EM QUE A CONDUTA DEVE SER INDIVIDUALIZADA, CONSIDERANDO-SE AS PECULIARIDADES DE CADA CASO E AS EXPECTATIVAS DA GESTANTE, APÓS INFORMAÇÃO
1) Apresentação pélvica (recomenda-se a versão cefálica externa com 37 semanas mas se não for bem sucedida, discutir riscos e benefícios com as gestantes: o parto pélvico só deve ser tentado com equipe experiente e se for essa a decisão da gestante);


Segundo os estudos todos que li e tudo que conversei com a minha equipe, atualmente, os dados existentes demonstram que os resultados para o bebê são um pouco melhores na cirurgia do que no parto normal. Há críticas aos tais estudos, parece que o grande problema estaria na experiência e segurança da equipe na hora do acompanhamento.

Aqui na Argentina há um outro problema: o parto pélvico é “proibido”. Não por lei, claro, mas nenhuma instituição ou conselho de medicina apoia a prática e já nem se ensina mais como atender a um parto de bebê sentado nas faculdades já há muitas gerações de médicos. Então aqui há um contexto de falta de apoio e falta de preparo geral que assusta. Além disso, nenhum médico que eu conheça aqui acompanha parto pélvico domiciliar, somente parteiras – e esta não é uma opção que eu esteja considerando.

Também não é uma opção sair correndo pro Brasil pra parir, acreditem que já foi considerado, mas é praticamente impossível.

Escolher parir um bebê pélvico é muito difícil, acreditem em mim. Quem já esteve nessa situação deve saber: até onde vai o desejo do parto e até onde vai o real benefício para este parto? Entrar em trabalho de parto, independente de por onde sairá, é condição sine qua non pra mim, mas bancar um parto sem minha equipe completamente do meu lado e sem apoio (que é basicamente onde estou agora), está me parecendo bastante difícil.

Vejam, eu me preparei por anos pro momento do parto e considerar uma cirurgia por uma condição relativa tá sendo FODA. Só eu sei quantas noites acordo do nada, pensando que esse bebê poderia virar. Só eu sei o quanto penso que provavelmente seja meu último filho e que há uma chance deu jamais viver o parto que tanto quis. Tanta gente com gravidez lisa por aí escolhendo a cirurgia e eu aqui com todo o desejo do mundo pelo parto e cheia de entrave na frente. É complicadíssimo e me dói.

Estou tentando fazer com que não me doa tanto e esgotando as possibilidades pro bebê ficar cefálico: já fiz versão externa, tomei homeopatia, vou fazer versão de novo, eu converso, eu canto, eu falo, eu peço, vou fazer acupuntura, já esfolei o joelho de tanto engatinhar… enfim, pra mim, a luta não está perdida e só estará no minuto que alguém passar uma faca na minha barriga.

A outra coisinha que eu queria dizer sobre o meu bebê-budinha: ele não está pélvico tradicional. Ele está inclinado na barriga, oblíquo, bumbum no meu ossinho pélvico esquerdo, cabeça debaixo da minha costela direita. Não sei como se classifica isso, se pélvico ou transverso. O que sei é que bebê transverso não nasce de parto, nem que eu queira muito e convença a Deus e o papa Francisco que eu posso e que vai dar tudo certo.

Então que minha situação é essa: nada definido. E nada ficará até que Segundinho nasça, então mais ansiedade e desespero realmente não me ajudarão em nada agora…

Meu plano então é relaxar. Parar de ler um pouco. Curtir esse negócio de arrumar roupinha, mala de maternidade, ficar imaginando como será o rostinho, ficar indagando se é menino ou menina, preparar o berço, essas coisas fofoléticas que não fiz a gravidez inteira e que acho que chegou a hora de fazer. Vou curtir a pança!

5 respostas em “Duas ou três coisinhas sobre parto pélvico

  1. Aconteceu tudo isso comigo também. E eu tinha feito fisioterapia do assoalho pélvico, etc. Mas o bebê não virou. Fiquei sete horas em trabalho de parto. Não virou. Liguei pro meu obstetra e só aí fizemos a cesariana de emergência. Infelizmente não podemos controlar a natureza. Odiei a cesariana , mas minha bebê está aqui linda e saudável. É a vida. Fica bem e espera o trabalho de parto. Faça o q for importante pra vc e pro seu bebê. Beijos

  2. oi carol! fiquei bem feliz qdo vc retomou o blog, ele faz parte da minha lista de leitura diária de blogs maternos(e ñ são muitos q acompanho ñ)…estou aqui desde a gravidez do lucas e acompanhar esta nova gestação está sendo ainda mais legal pq eu tb estou grávida pela segunda vez (no caso aqui é uma segundinha), estou um pouco atrás de vc, 31 semanas.
    e me identifiquei mais ainda pq bebê aqui tb está pélvico!
    minha primeira filha tem 4 anos e nasceu de parto normal hospitalar, nunca cogitei outra possibilidade (a ñ ser em caso de necessidade mesmo!), sempre disse q estando td certo pra ser parto normal, vai ser normal e, além de saber ser o melhor pra mim e pra ela, era uma experiência q, emocionalmente, pra mim era importante passar…e foi! foi lindo, perfeito, ótimo em todos os sentidos…
    portanto, numa segunda gravidez ñ me passaria pela cabeça outra possibilidade…
    eis q as 31 semanas, segundinha está sentada…ñ só sentada como "atravancada" na minha barriga (acho q como o seu)…cabeça cravada na costela direita, corpinho atravessado (sinto umas mexidas bem lá em baixo no lado esquerdo, extremo oposto), na US ela estava com as pernas na frente da cabeça (??? vai trabalhar no cirque du soleil, certeza), nem conseguimos ver quase nada direito…
    engraçada q uns dias antes da ultra eu falei pro meu marido q achava q ela estava sentada pq eu sentia as mexidas dela muito diferentes…marina (a primeirinha) estava cefálica, dorso a esquerda, retinha, perfeita desde 20 e tantas semanas e por mais q a gente ñ deva fazer comparativos, a gente faz!
    eu fiquei chateada com isso, sei q ainda dá pra ela virar, mas tb sei q com o passar das semanas vai se tornando mais difícil e eu decidi me resignar sabe…admiro demais quem se empodera, faz mil e um exercícios e "mandingas" (rs), mas eu decidi encarar a possibilidade da cesária pq eu me conheço, e sei q a frustração caso ñ desse certo e eu ñ estivesse psicologicamente preparada me faria muito mal (vide algumas experiências qdo fui mãe pela primeira vez)…preciso enfiar na minha cabeça q eu ñ tenho controle de tudo e q alguma coisa pode fugir do q eu espero e quero…decidi encarar a cesária como uma possibilidade real e tb respeitar a vontade dela…se ta bom assim sentada e toda emaranhada, q fique minha filha…
    ainda tenho medo de pensar na cirurgia, naquela coisa fria, mecânica, corte, dor e td mais…mas PRECISO saber e aceitar q esta possibilidade existe…

    pelo q pesquisei tb vi q aqui no brasil quase ñ se faz mais partos pélvicos pelo mesmo motivo, inexperiência dos médicos, ninguém mais faz, os q que faziam ou morreram ou se aposentaram, ou seja, uma prática q ñ mais se dissemina…e tb muitos médicos optaram por ñ realizar mais por medo de ações judiciais já q aconteceram muitos casos de complicações em partos em q os envolvidos culpavam a via e modo de nascimento (que nem sempre era mesmo o real motivo)…enfim, por esses e tantos outros motivos, "bancar" um parto pélvico Ñ está nos MEUS planos…

    boa sorte e q esses bebês teimosos virem!!!!

  3. Infelizmente não dá pra controlar tudo! Aproveita o finzinho da gravidez, reclama das dores e encomodos da ultima semana, come bastante besteira e espera..é só o que tem a fazer né?! To suuper feliz de vc ter voltado, seu blog foi o primeiro que lí, desde o anúncio da gravidez do Lucas logo após seu primeiro aborto, eu estava passando por um aborto tb na época e vc me ajudou muuito!

    Um beijo!

  4. Oi Carol, já acompanhei seu blogs em outros momentos. Mas hj cheguei aqui procurando sobre bebê pélvico. Sou brasileiras, mas moro na Califórnia. Estou fazendo acompanhamento com Midwife (parteira), já tenho doula. Demorei pra engravidar. E nesse tempo li tanto e sonhei com meu parto. Estou de 35 semanas, rezando e fazendo de tudo pra minha bebê virar. E por eqto nd. Minha bebê está nesse posição esquisita rs.. meio inclinada…
    E já salvei esse páragrafo: Vejam, eu me preparei por anos pro momento do parto e considerar uma cirurgia por uma condição relativa tá sendo FODA. Só eu sei quantas noites acordo do nada, pensando que esse bebê poderia virar. Só eu sei o quanto penso que provavelmente seja meu último filho e que há uma chance deu jamais viver o parto que tanto quis. Tanta gente com gravidez lisa por aí escolhendo a cirurgia e eu aqui com todo o desejo do mundo pelo parto e cheia de entrave na frente. É complicadíssimo e me dói.

    Nada me descreveu melhor nessas ultimas 3 semanas, e a agonia até sexta que vem qdo farei Ultra-som e ver se ela enfim virou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *