Quando o mundo começa a notar que você tem uma barriga (que não é gordura localizada), começa junto a perguntação. Eu normalmente não me incomodo com nada, acho que é mais uma forma que encontram de demonstram carinho, puxar assunto, essas coisas.

Ultimamente, o que mais me perguntam é se sei o sexo do bebê. E olha, é uma coisa meio obcecada do povo: tem gente (meu pai) que pergunta toda vez que fala comigo. Toda santa vez.

Pai (e resto) pode perguntar quando quiser, viu? De boa. Mas a resposta será a mesma: eu não sei.

E acho que não quero saber.

Não tenho exatamente uma opinião formada sobre saber ou não saber. Quando grávida do Lucas, pra mim era inquestionável que eu saberia assim que pudesse, tanto que fiz ultrassom sem indicação médica e levei a família toda pra descobrir comigo. Éramos 10 na sala escura, imaginem isso! Foi divertido, foi importante, foi marcante. Saímos do exame todos extasiados, falando de nomes, comprando roupinha, curtindo o momento. Realmente valeu a experiência, não me arrependo de nada.

Mas agora… agora os tempos são outros. Não sinto essa urgência. Tenho uma vontadinha de ter uma menina, sei lá, pra ter a experiência, pra comprar vestido e arrumar o cabelo, pra falar de menstruação, meninos, coisas de menina. Às vezes acho que sinto alta de ter mulheres na minha vida, pois desde que perdi mãe e irmã, me sinto cercada por uma ilha de homens. Mas aí olho em volta e, fora pai, marido e filho, o que tem? Mulé. Assistentes mulheres, chefe mulher, amigas mulheres… sexo feminino realmente não falta. Então a vontade de ter uma filha é, na verdade, uma bobeirinha. Fora que dia desses sonhei que tinha outro menino e a emoção que senti com esse sonho foi tão tão grande que fiquei segura de que ter outro rapazinho será também uma imensa alegria.

Eu queria mesmo era ter outra criança em casa, sabe? Dar um irmão pro Lucas. Encher a mesa de jantar com gente, família. Meu sonho dourado está se realizando e estou enchendo a minha vida de novas pessoas.

Então, pensando nisso tudo, de que me interessa o sexo do bebê? Enxoval já tem. Nome já temos alguns pensados. De repente me deu vontade de deixar esse bebezico quieto na barriga. De respeitar seu momento ali, de criar conexão com o que ele é pra mim e não com seu gênero, entendem?

***

Isso tudo que tô falando é muito bonitinho e eu realmente não tenho a menor vontade de fazer ultrassom específico pra saber sexo. Mas, entendo quem faça – até porque se eu não entendesse o que eu mesma já fiz, realmente seria um contrassenso do caramba. Então não defini nada. Se eu chegar no próximo ultra e der pra ver e me der vontade, ok, veremos. E tudo bem, sabe? Não estou aqui pregando nada, estou pensando em “voz alta”, digamos assim.

***

Pra vocês verem como eu tô SEGURA dessa decisão, por acaso quando tava com 10 ou 11 semanas, fiz um ultrassom de emergência (achei que tinha perdido sangue, mas não tinha, blábláblá coisas bobas de primeiro trimestre, relevem). Daí eu não tinha nada, o bebê também não, todo mundo ótimo. A médica, que não devia ter muito o que fazer naquele dia, ficou olhando pro bebê sem grandes objetivos diagnósticos e comentando besteiras:

– Olha lá as perninhas, viu? Ih, agora tá mexendo as mãos! Opa, virou de lado!

Até que ela direcionou o aparelho pruma posição diferente e eu (essa merma que acabou de discursar que não quer se conectar com gênero e sim com a pessoa-humana do filho):

– Ô dotôra, pera! EU VI UM PIRU!

Ao que ela riu e disse que aquilo se chamava TUBÉRCULO (oi, teu filho tem/teve tubérculo, sabia? Se fosse em outras épocas, eu já tava com o celular conectado no Google “tubérculo é doença?” buscar. Mas eu esperei e escutei a explicação pro tubérculo) . E que o tal tubérculo poderia se desenvolver tanto pra um clitóris quanto pra pênis e que, naquele momento, era tudo a mermacoisa.

Humpf.

***

Em minha defesa (ou não), quero dizer que na ultra seguinte, eu me comportei, não procurei piru/clitóris /tubérculo e não falei absolutamente nada com o médico sobre besteira nenhuma. Afinal a mãe séria e confiante faz apenas ultras necessários e não fica doidja com tais pormenores (hahahahaha).

***

Então, voltando ao começo e terminando o post metamorfose-ambulante-style: eu não sei qual é o sexo do bebê.

(e vocês? Me contem os causos!)

19 respostas em “Sobre o sexo do Segundinho

  1. Eu, particularmente, ia querer saber. Pq pra mim é mais fácil se conectar quando se sabe o que é, quando escolhe nome. Chamar de bebê e neném pra mim fica meio impessoal sabe? Mas é claro que isso é comigo. Tb deve ser emocionante saber só na hora do parto, mas como no meu parto eu fiquei mucho loca, acho que surtaria ainda mais…
    É uma escolha muito pessoal, e envolve a opinião do marido e o bom senso do médico que vai fazer a ultra, de perguntar primeiro se a mãe quer saber ou não.
    Antes de descobrir o sexo do Rafael eu já tinha visto o piu piu lá, mas fiquei quieta. No entanto só veio confirmar, pois eu tinha certeza que era um menino, pq algo me dizia que seria, desde que engravidei. Eu tinha tanta certeza que nem nome de menina escolhi. Eu tenho um palpite rsrs. MÃS, se vc mudar de ideia, estou à postos com minha curiosidade, pra saber e vibrar.

    Beijo

    Beijo

  2. Carol, eu tb sonhei com um menino qdo estava com 12 semanas, na US da TN, a médica me disse que achava que tinha um piu piu lá, mas que a idade gestacional não deixaria afirmar com 100% de certeza. Mas eu tinha esta certeza, nunca me esqueci do sonho e durante o sonho eu dizia: preciso acordar para me lembrar que meu filho é menino. A emoção do sonho eu carrego até hoje.
    Com disse o poeta: "é bem vinda se é Maria, é bem vindo se é João…" Se eu tivesse sonho de família grande e fosse ter mais filhos, eu não aceitaria que me falassem o sexo, ia querer surpresa na hora do parto.
    Tudo de bom procês.

  3. Sempre arrumam uma coisa pra perguntar, né? Agora me perguntam a cada minuto o nome da pequena. Também entendo como uma forma de carinho, mas a mesma coisa sempre cansa, haha.

    E ó, SUPER entendo esse seu sentimento, vivi bem isso aí que vc descreveu. A vontade de me conectar primeiro com o baby, depois com seu gênero. Na gestação passada a coisa tava toda zen e eu nem ligando. Nessa, apesar de ter alguma curiosidade, sosseguei e deixei rolar até quando deu, tava tranquila. Parecia que não era hora de saber. Depois deu a louca na pessoa, senti que já tava na hora, simplesmente marquei o us e fui (tentei resistir no começo, mas depois abracei a causa mesmo, kkkkkk). Sem grandes neuras.
    Ou seja, metade de mim é zen, a outra metade é doidja mesmo, hahahaha.

    Te entendo e super te apoio! Tamo junta!

    Beijo beijo!

  4. Oi Carol! Na minha segunda gravidez rolou a maior pressão ever para saber o sexo. Meu sogro, por exemplo, me presenteou com um negócio q dizia adivinhar o sexo com o xixi da grávida (falhou completamente, aliás). Eu já tinha uma menina e era uma torcida quase ridícula por um moleque, Pq né?!, um de cada e tal. Eu olhava minha menina mais velha e ela, aos dois anos, me pedia uma irmã. Esse fato mais a torcida por um macho me fez meio q torcer por uma menina, entende?! Coisa de louco. Veio mais uma menina! Descobri com o us na semana 17. Aí agora meu destino é escutar vai tentar um menininho?!? Kkk enfim, acho q nem cogitei não saber e aguentar a espera e as perguntas todas sobre o q era por 40 semanas! Bjs

  5. Carol, quando descobri a gravidez eu já estava com 16 semanas, e a confirmação veio exatamente na US, e de repente a medica perguntou, quer saber o sexo? E logo descobri que seria um menino.
    Então não tive essa expectativa, mas acho que é normal a primeira gravidez ser assim!
    Olha se tivesse um outro filho claro que ia ser legal ter uma menina, pra viver o outro lado, mas adoro ser mãe de menino. E temos que amar o filho sendo ele menino, menina, gay. Filho é filho né!

  6. Eu cheguei na ultra com tanto nervosismo pra saber se tava tudo bem que nem me liguei em gênero…levei meu pai e a mulher dele e eis que lá, eu olhando aquela pessoa linda maravilhosa, meu pai solta "e aí doutra é menino ou menina?" hehhahah eu tinha esquecido completamente de perguntar…dai ele resolveu fechar as pernas, tive que girar na maca pra conseguir descobrir que é um menino, púdico ainda por cima hahahahha.

  7. Ah, eu não sou dessas não. Queria saber o sexo e tinha preferência sim! Por questões práticas e financeiras. rsrsrs Queria muito outro menino para aproveitar as roupas do Davi (q guardei quase tudo) e para que eles pudessem dividir o quarto ad eternum (sabe-se lá se e quando teríamos condições de mudar para cada um ter seu quarto; então, já penso láaaa na frente na adolescência).

    Além disso, gostei tanto, mas tanto de ser mãe de menino que topava repetir a dose numa boa. Tide torcia para uma menina (tanto q nessa fase de tubérculo, o médico achou q pela posição do negócio, poderia ser menina, mas não garantiu nada 100% e disse pra não comprar nada feminino – mas o Tide se agarrou na esperança). Se o pequeno fosse menina, é óbvio q eu iria curtir tb (minha preferência na gravidez do Davi era por uma menina, mas veio um piru rsrs), mas é certo que iria à falência. Iria emperequetar a menina toda (já gasto um $$ com os modelitos do Davi e olha q nem nem tanta opção assim pra macho).

    Ah, e pode dar um pitaquinho, tenho 50% de chances de acertar! rsrsrs MeninAAAAAA!!!!

    bjão!!!

  8. Carol Bela, vc é uma lindeza. Transparente e muito gente boa, merece ter logo um monte de filhos para encher a casa de alegria, amor e bagunça (de verdade, não é irônico, filhos são a melhor coisa do mundo).

    Te entendo super e entendi a sua bipolaridade quanto a querer saber o sexo… tem horas que vc tem certeza que não tá nem aí e tem hr que fica pensando se é menino ou menina, só para variar um pouco.
    Entendo.
    Mas sou totalmente diferente, vc sabe…. totalmente.
    E invejo quem consiga não saber o sexo, invejo mesmo, do verbo invejo pacarai. É um autocontrole muito grande, que eu não tenho.

    Deus guarde vcs.
    Beijos enormes!!!

  9. Carol, imaginei que você não iria querer saber. Óbvio, não te conheço, vc não me conhece, não sou ninguém para falar sobre você. Mas leio você há um tempo, devo ter lido seu blog inteiro, e notei que agora você está bem na paz.

    Deve acontecer isso com quase todas as mulheres. Eu tenho uma bebê de 5 meses, quero ter outro bebê e penso que na próxima gravidez, só vou querer saber o sexo ao nascer. A emoção deve ser outra. Quero viver essas duas emoções. A de saber pelo ultra, que já vivi, e a de saber pelo nascimento.

    Sorte e saúde!

    Bjos

  10. Eu não aguenteeeeei . . . fiquei sabendo da gravidez e já fui logo fazer o sexagem fetal porque estava em cólicas pra saber o sexo do segundinho!
    Nas ultras não conseguia ver nada, fui ver só lá pela 26° semana, se não tivesse feito o de sangue axo que teria surtado de ansiedade! rs . . .
    Imagino que saber o sexo ao nascer deve ser uma emoção sem tamanho . . . deve dar um choque, deve abalar as estruturas . . . mesmo quando estava em cólicas pensei nisso. Mas marido parecia estar mais ansioso que eu e me contagiou! rs

    Mulher emocionalmente estruturada vc!
    Parabéns!

    bjs!

  11. Eita que hoje é o dia! Vcs combinaram, tu, a Nana e a Dani, de falar sobre o sexo do bebê? Tipo uma blogagem coletiva? Nana espera uma menina, Dani idem, e daí vim aqui saber novidades e ver se por aqui tem menina chegando também!

    E olha, te vejo mãe de home, vai ser difícil acostumar com a versão Carol mãe de um casal, se esse for o caso…

    Eu sempre soube que esperava um menino, e foi muito bom finalmente matar a curiosidade com 13 semanas. Mas numa próxima gestação gostaria de deixar para descobrir na hora. Será que eu consigo?

    Beijos
    De
    http://bemquesequis.com

  12. Ah Carol, a segunda gravidez… Tão diferente da primeira, né? Acompanho seu blog desde o primeiríssimo, sabe? Vivemos as mesmas experiências… As tentativas, o aborto, a gravidez tão desejada, tudo mesmo Carol. Por isso me identifico tanto com você e adoro seu blog, me sinto sua amiga (íntima, sabe??! Me perdoe por isso, não tem como não gostar de você e da sua família depois de tanto tempo de acompanhando…). A diferença dos nossos primeiros filhos é de 4 meses. A Giovanna nasceu dia 30.08.2011. Apesar de você ter ingressado na maternidade um pouco antes de mim, ingressei no mundo das "mães de segunda viagem" antes de você, pois engravidei do Murilo quando Gi tinha apenas (isso mermo!!) apenas 11 meses. Mas, enfim, o que quero dizer é que essa questão do sexo do bebê é um pouco mística na primeira gestação. A gente mal engravida e já quer saber se o bebê tão esperado é um menino ou uma menina. Com o segundo filho, é diferente. Só soube do sexo do Murilo com 20 semanas de gestação, no ultrassom morfológico do 2º trimestre, sem neuras, sem pressões. Amei ser um menino, pois já tinha a Giovanna e fecharia a fábrica com chave de ouro: um casal. Mas tenho que confessar que esperei por outra menina. E confesso um pouco mais: de verdade, não me fazia diferença o sexo do bebê. Apenas desejava que meu filho viesse ao mundo saudável e feliz, ponto final. Aquela curiosidade mórbida da primeira gestação não me alcançou em momento nenhum na segunda gravidez. Esta, foi muito mais calma, mais equilibrada. Hoje eu acredito que gravidez tranquila, gera bebê tranquilo. Ao contrário do furacão Giovanna, o Murilo sempre foi um garotinho "de boa". Portanto, amiga (posso te chamar assim?!?!), tenho a certeza de que menino ou menina, seu Segundinho será um bebê tranquilo e que você vai se admirar com isso, no sentido de que a gente sofre muito com o primeiro filho e vive a maternidade mesmo, serena, apenas com o segundo filho. PS: E depois ficamos nos perguntando o por quê de termos sofrido tanto antes… Hehehehe… Tipo: "Meu Deus, por que com a Giovanna eu surtava em momentos como este? Era tudo tão simples!!!"… Enfim Carol, pode parecer demagogia, mas o importante mesmo é que o Segundinho chegue saudável e cresça feliz. Beijos.

  13. Oi Carol,

    primeiro gostaria de dizer que estou muito feliz pela sua segunda gravidez, pois acompanho há tempos o seu blog e hoje estou grávida de 22 semanas! ainda não sei o sexo, mas como o seu pai, minha mãe me pergunta todos as vezes que me liga, rs!!

    Como é meu primeiro bebê, a curiosidade eu aguento mais nem tanto, vou saber só daqui a uma semana na Morfológica. Mas as pessoas não entendem porque eu já não tentei fazer uma ultra extra para tentar descobrir, rs!!!

    Muita saúde para vc e sua família, te acompanho sempre! Bjs

    Débora

  14. Eu acho que muitas vezes as pessoas te perguntam o sexo só pra puxar assunto. Quando eu estava grávida, atendia um cliente e ele perguntava do sexo do meu bebê. Eu respondia. Na semana seguinte, o mesmo cliente perguntava de novo. E again. Dá vontade de responder: "olha,ainda não se faz cirurgia de mudança de sexo no útero,ela continua sendo menina". E isso não aconteceu com 1 cliente só não,foram vários. Do nome foi a mesma coisa. Eu tinha que responder dez vezes para a mesma pessoa. Acho que ninguém prestava atenção na resposta,só perguntavam por perguntar.

  15. To junto com a Dani Rabelo.. invejo pacarai quem tem esse auto controle.. Ainda não estou grávida do segundo.. mas eu ACHO q vou querer saber na ultra do primeiro trimestre, da mesma forma que foi com o Felipe… Por outro lado, tbm imagino que a emoção de saber o sexo na hora do nascimento deve ser espetacular… Faça o q der vontade, se quiser saber, saiba.. se não, não saiba. A única coisa q acho estranha é qdo o baby ja esta grandao na barriga e vc vê o piruzão ou não nitidamente, deve ser esquisito fechar o olho na hora do ultrassom só pra não ver..

  16. Eu passei pela mesma incerteza nas minhas gestações… Na primeira não queria saber de jeito nenhum, até que comecei a comprar algumas coisinhas e vi que o sexo do bebê está totalmente comercializado. Não existem mais roupinhas amarelinhas neutras que qualquer gênero possa usar. Se o macacão é amarelinho ou tem uma ursinha toda feminina ou um carrinho. Fraldas de pano com desenho para menino (carrinho), menina (joaninha). Oi??? Fraldas de pano para limpar a boca, não dava pra ser de cachorrinho, ursinho ou qq coisa assim?? Então resolvi que queria saber. Já da segunda quis saber para a aproveitar as coisinhas da primeira. E foi assim que tive duas meninas… rsrsrsrs
    Minha diz que a maior emoção da vida dela foi "parir" e saber na hora que eu era uma menina..rsrsrsr
    Faça o que seu coração mandar…
    Beijos e Deus te proteja!!!

  17. Carol, se for menina ótimo porque você vai saber como é ser mãe de menina, se for menino ótimo porque vai ser companheiro do Lucas….na verdade, importante mesmo é que venha com saúde!!!!! Eu, pensava assim…. É hoje, para te falar bem a verdade, quando vejo a sintonia das minhas duas, sei que o importante mesmo é ter irmão, irmã….enfim, família!!!! Agora, quando descobrir, vem aqui contar pra gente!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *