Êta que tô desaparecida.
É que a vida vai tomando outros rumos, coisas vão acontecendo e quando você viu, passou um mês!

Por aqui tudo bem, grazadeus. Lucas crescendo lindo e delicioso, cheio de palavrinhas, opiniões, gracinhas, vontades. Que fase linda e imperdível essa dos dois anos. Dizem por aí que é “terrible”, mas eu achei muito mais terrible ter um bebezico em casa que chorava sem parar e não sabia me dizer o que era. Lucas agora sabe, ele fala. Ainda chora, até mais do que eu gostaria, mas pelo simples fato dele já conseguir dizer o motivo do choro, noooossa, sou outra mãe.

Talvez tenha sido erro meu que não soube observar meu bebê e entender o seu choro, mas tudo bem. Esse, aliás, é dos motivos pelos quais estou sumida. Tenho revisitado esses dois primeiros anos que fui mãe e encontro muitos erros, muitas culpas. Muitos “teria-feito-diferente-se-fosse-agora”. Me dá muita vontade de vir expurgar isso no blog, mas já escutei tanta asneira aqui, que realmente desanimei total (prontofalei). Minhas culpas agora ficam na minha terapia, nos ouvidos do meu marido (tadiiinho), ficam no meu constante aprendizado, na minha vontade e coragem de olhar as sombras de frente. É um processo profundo e complexo tal como é, se ainda por cima ficar me expondo no blog pra tomar porrada de quem nunca me viu na vida… não dá. Entendem?

Fora isso, tem uma questão menos filosófica: tenho trabalhado muito e, com tanta pressão e estresse, fiquei bem doente. Doente mesmo: de cama, com febre, proibida de sair de casa, tomando coquetel de medicações. Agora já tá tudo bem, finalmente!

Resumindo, o post foi pra dizer que tô com pena do blog acabar, então voltei aqui só pra dar um “oi” e dizer que tô sempre ali no facebook, me adicionem se quiserem saber as últimas 😉

Em breve, quem sabe?, eu volto.

18 respostas em “Indo e vindo (ou vindo e indo)

  1. Eu espero, de todo o coração que não acabe. Você não sabe, mas seu blog foi o primeiro que eu li. Você despertou em mim o desejo de um parto normal, o quanto é bonito isso, o quanto as mulheres são alienadas por seus médicos e pela sociedade. E muito mais do que maternidade, você me deu lições lindas sobre superação e sobra acreditar (e confiar) no amor. Eu te admiro muito como pessoa, e olha que eu nem te conheço;

    Você é uma pessoa incrível, e uma mãe sensacional. Todo mundo erra, o tempo todo. Mas olha o Lucas, como ele é hoje, o homem que ele está se tornando. Um guri feliz, bom, que tem uma alegria estampada nos olhinhos. Se você errou, foi pensando no melhor dele, e isso não precisa ser considerado um erra, certo?

    Volte quando achar que é tempo. Saiba que eu continuarei entrando aqui todos os dias, esperando alguma atualização. E por favor, continue contando sobre o Lucas no facebook, ler sobre a história do elevador me vez gargalhar muito! haha

    Um beijo, e sinta um abraça apertado ai.

  2. Ah, Carol, volta sim. 🙂 Deixa esses chatos pra lá. Ouvir de outra mãe o que a gente tb passa dá um alívio danado na alma. Eu mesma tô tentando retomar o meu (mas tb tá difícil rsrsrs). Além disso, tirando os posts desabafos, os posts sobre o dia-a-dia, sobre as gracinhas, sobre as coisas boas, acabam sendo um registro da vida naquele momento, pra um dia quando a memória começar a falhar. Sempre me imagino relendo o meu próprio blog quando for mais velhinha e isso acaba me motivando um pouco a voltar a escrever.

    Enfim, quando o trabalho deixar e a inspiração para escrever voltar, vem aqui contar os causos de Lucas pra gente. By the way, que cabelão que ele tá, né? Tomara que ele não estranhe o salão quando tiver que cortar, pq aqui em casa é sempre uma luta. Mas tá uma fofura sem tamanho aqueles cachos loiros.

    bjão

  3. Isso tudo se chama amadurecimento, né?

    Eu também revisito as etapas da minha maternidade, e sim, faria muita coisa diferente, como insistir na amamentação da Alice, que desmamou aos 5 meses após a mamadeira. Sei que não me entreguei como deveria ou gostaria; sei que poderia ter dado mais colo, ter compreendido melhor suas necessidades, ter me deixado de lado para ser totalmente dela (vejo que me agarrei muito à necessidade de ter de volta minha vida antes de ser mãe, quando tinha uma serzinho aprendendo a viver aqui fora: erro).

    Mas a gente amadurece (graças a Deus), entende algumas coisas, tenta revisar outras, e seguimos. O importante é ter em mente que se fizemos ou não algo naquela época é porque naquele momento não tínhamos a bagagem que temos hoje. E será assim para sempre.

    Entendo perfeitamente o fato de você não querer compartilhar suas coisas por aqui. Por isso, fechei meu blog, porque não via mais sentido ficar escrevendo superficialidades, sendo que minhas questões internas estavam – e continuam – explodindo. A maternidade me tirou da zona de conforto.

    E quer saber: acho ótimo você se resguardar! Tudo isso diz respeito a sua família, que é a coisa mais sagrada que existe nesta vida (e quanto mais gente sabe dos seus "probremas", mas palpite se ouve). Cuide de você, cuide da cria, cuide do marido, cuide da vida.

    E tente não se culpar tanto pelos choros incompreendidos do Lucas. Vocês estavam se conhecendo, e como qualquer nova relação sempre há um ruído no meio (estou escrevendo isso para mim tb, rs).

    Agora posso apostar: hoje você o entende só pelo olhar!

    Bjs em vcs!

  4. Oi Carol, eu te acompanho antes até de engravidar e fico com pena também do blog acabar, mas entendo o teu lado. Pena mesmo porque muitas vezes eu vim entre um cochilo e outro do Davi RN pra procurar alguma luz e não é que e encontrei? E muitas vezes consolo também sabia? O meu filho é APLV e foi por causa do seu blog que eu comecei a desconfiar,seus relatos sobre o Lucas RN batiam tanto com a nossa realidade, o choro horrível e eu com ele nos braços sem saber o que fazer. Li e reli seus posts e me ajudaram muito! Diagnosticamos com dois meses de vida, agora ele tem 8 e ainda reage ao leite, mas aguardamos a cura.
    Acho que também vou preferir saber o motivo explícito do choro.
    As pessoas gostam muito de julgar, mas o peso da nossa cruz sabemos nós e mais ninguém.
    Agradeço de coração o blog porque me ajudou muito. Errar é da natureza humana, hoje eu já penso o quanto errei, imagina daqui a 1, 2 anos? O bom é que jamais é tarde para evoluir!
    Um beijão para você e o Lucas.

  5. Oi Carol, td bem? Acompanho seu blog desde que engravidei e ele tem sido um espécie de "manual" kkkkkk sempre recorro aqui e vejo como era quando o Lucas tinha o mesmo tempo do meu filho….
    Adoro seus textos, suas verdades, vc não aquele tipo e mãeDeus como tem muito blog por aí que escreve de uma maneira ofensiva sobre tudo, julgando, apontando, se sentindo superior.
    Não some não, e não liga para asneiras não.
    Bjs

  6. Ô Carol, some não! Sinto muita falta de ler teus posts quase diariamente! E, olha, como vai ser da gente que quer ler relatos de mães NORMAIS, sem as superficialidades que vemos na blogosfera materna? Teu blog é ótimo justamente por isso, por falar a verdade e por tu ser tão gente-como-a-gente! hehe! Vem desabafar por aqui de nooooovo, Carooool! Beijo enorme!

  7. Ai q raiva, acabei de escrever tava tão legal e consegui sumir com tudo, mas vamos lá…
    Ah, Carol, não some não… O seu blog é um dos meus preferidos. O primeiro que comecei a ler e me apresentou ao mundo materno-bloguístico. Aprendo muito com você. Já li todas suas histórias desde as mais antigas, as primeiras. É uma tristeza todo dia que entro no blog e não tem nenhum post no dia. Não sou de comentar, uma vez te mandei um e-mail (falando sobre o problema de ouvido do Lucas e sobre mim) não sei se recebeu. Sei que pessoas criticando são um pé no saco, aposto que tem problemas como os seus e ficam metendo o bedelho por puro recalque. Saiba que é superior à todas as criticas, nenhum de nós tem uma vida perfeita, essas pessoas são infelizes com suas vidas e tentam trazer essa infelicidade para os outros. Simplesmente ignore, sei q é difícil quando tocam bem na sua ferida, mas o melhor a fazer é ignorar. Sou sua fã, beijos com todo carinho e mais uma vez: NÃO SOME NÃO!!! Manoela.
    Se não ficou igual ao outro texto é porque não deveria ser…

  8. Oi Carol. Eu não podia deixar de comentar… Eu só queria te dizer que, tal como outras meninas que comentaram aqui, eu sigo o teu blog há muito tempo, antes de você engravidar do Lucas. Eu já conhecia outros blogs de outras mães mas quando descobri o teu fiquei completamente viciada! Eu até pensava que estava doida, mas depois dos comentários anteriores fiquei mais aliviada por saber que não sou a única! rsrsrsrs Isso para dizer que o teu blog é mesmo muito especial e tem sido muito especial na minha vida. Eu aprendi muito aqui. E quando o meu filho nasceu eu também vinha aqui aprender, tirar ideias de como fazer para cuidar do meu bebê. Antes do teu blog eu nunca tinha sequer ouvido falar em amamentação prolongada, acredita? E agora o meu filho mama há mais de 16 meses, muito pelo incentivo e apoio que recebi através do teu blog! Por isso, obrigada! Você realmente é uma mulher e mãe incrível! Você tem consciência de que mudou a vida de muita gente? Isso é muito mais grandioso que qualquer comentário maldoso. Não deixa de escrever, dou muitas gargalhadas por aqui 😉 Beijo

  9. Carol, não faça isso! Seu blog é tão bom!!! Sabe? Quero fazer um mea culpa aqui… Acredito que eu possa ter sido uma dessas pessoas que falou asneiras… No início, quando (meu) Luquinha nasceu, eu achava que só pq as coisas funcionavam de um jeito aqui em casa, funcionariam na casa de todo mundo. Sim, demorou um tempo até eu ter a humildade de entender que as coisas acontecem de maneiras diferentes, cada um tem uma forma de lidar, cada um tem uma maneira de fazer dar certo. E até eu entender isso, devo ter feito muitos comentários do tipo "po, nao faz isso, faz aquilo" me sentindo a enciclopedia da maternidade. Nao me lembro se realmente fiz isso com vc, mas acredito que possa ter feito e só de pensar na possibilidade, gostaria de me desculpar em publico. A gente aprende tanto com a maternidade… O tempo é precioso. Em quase dois anos, tenho a impressao que vivi 20. Nao termine o blog!! 😉 Beijos, Julia.

  10. Carol achei seu blog por acaso! Eu tive um aborto e agora estou tentando engravidar de novo….
    Li seu blog inteirinho em 3 dias!!!! Nossa me sinto super sua amiga! Ainda vou ler seu blog anterior!!!!
    Então por favor não termine com a genteee!!!!! rs
    Beijos!

  11. Olá!
    Passeando pela net cheguei até aqui.
    Olha só, li seu blog e amei, mas fiquei triste em saber que deseja parar.
    "Você tem consciência de que mudou a vida de muita gente? Isso é muito mais grandioso que qualquer comentário maldoso".
    Pense nessa frase que acabei de ler nestes comentários.
    Siga teu coração, ele te dirá o melhor caminho a seguir.
    Quanto aos comentários maldosos, faça como eu.Ignore!
    Você tem muitas fãs, eu sou uma delas.
    Tenha um dia especial.
    Com carinho

    http://femmedigital.blogspot.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *