No domingo, acordei pensando no Lucas. Que era dia das Mães e que ele estava fazendo dois anos. Ele também acordou e, como sempre, se aconchegou no meu colo pra mamar, como sempre foi durante toda a vidinha dele. Dois anos.

Fiquei feliz e emocionada de termos chegado tão longe, juro que não esperava. Queria alcançar esse marco sim, mas foram tantas dificuldades ao longo do tempo que cheguei a pensar que era só um sonho distante. Mas o que era distante foi ficando perto, tão perto que pronto, chegou, aconteceu.

E junto com esse marco, vem acontecendo também o processo reverso: o desmame. Vem lento, vem aos poucos e ainda não terminou. Está sendo natural, sem forçar nada. Primeiro senti que Lucas vinha perdendo o interesse de ficar parado mamando. Quando quer, logo se distrai e vai fazer alguma outra coisa. Segundo que já quase não pedia, muitas vezes só mamava porque eu oferecia. Isso aconteceu lá em NY, mas eu fiz questão de continuar oferecendo porque ele estava comendo mal e eu quis dar uma garantida com o leite. Mas, já no avião voltando, refleti muito e achei que já era hora de parar de oferecer.

Desde então, eu já quase não ofereço e espero que ele venha pedir. Parei de ordenhar pra manter produção, parei de tomar água enlouquecidamente, decidi relaxar de verdade. Decidi que, o que tiver que ser, será. Com isso, aconteceu que minha produção caiu muito. O peito murchou, já não sinto mais o reflexo de descida do leite. Mas, ao mesmo tempo, Lucas também não reclama, pra ele tá tudo bem, então ok, seguimos. Atualmente ele tem mamado de manhã (mas logo em seguida vai tomar café), de tarde quando volta da creche e uma vez de madrugada. Já não precisa mais de peito pra dormir (raras vezes ele pede antes de deitar) e poucas vezes pede peito pra acalmar alguma dor ou inquietação. Toma também 200 ml de leite ordenhado na creche, mas estou pensando seriamente em cortar esse leite da tarde, já que tenho demorado cerca de dois dias pra juntar os tais 200 ml e meu estoque está acabando.

Sinto que as coisas estão acontecendo tão naturalmente como eu sempre quis, mas confesso que estou um pouco impressionada com a velocidade. Achei que ia demorar mais. Estou firme na idéia de que não preciso mais forçar a barra pra ter mais leite ou pra que Lucas mame mais. Não é mais necessário. Eu sei disso.

Mas puxa.

Mesmo que eu amamente um outro filho (e eu vou amamentar), sinto que minha história de peito com Lucas está acabando. Sinto que são suas últimas mamadas, que em breve já não terei mais esse contato com meu filho. Foi algo tão intimo, tão nosso, era como se fosse o nosso segredo. Só eu e ele sabíamos. Que estávamos ali um pro outro. Que nos conectávamos de um jeito que não tem explicação, que não fizeram palavras pra descrever. Que eu poderia resolver qualquer sono, machucado, tristeza, fome, vazio só me doando através do meu leite. Só pra ele, só por ele.

Dá uma tristezinha tudo isso, mas, ao mesmo tempo, uma alegria de olhar pra trás e ver a história bonita que escrevemos. E também ao olhar pra frente, vejo que tem todo um mundão de gostos, sabores e texturas pra ele provar. Tem todo um caminho pra ele percorrer. Talvez sem o pepêto, mas sempre com a mamãe por perto pro que precisar.

Que eu estarei sempre por aqui, se antes foi em forma de leite, agora será em muitas outras formas. Mas sempre na forma de amor.

Marisa Monte não poderia ter dito melhor:

Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
Agora e sempre mais
Eu só quero que você ouça
A canção que eu fiz pra dizer
Que eu te adoro cada vez mais
E que eu te quero sempre em paz

Tô com sintomas de saudade
Tô pensando em você
E como eu te quero tanto bem
Aonde for não quero dor
Eu tomo conta de você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem

Eu só quero que você caiba
No meu colo
Porque eu te adoro cada vez mais
Eu só quero que você siga
Para onde quiser
Que eu não vou ficar muito atrás

Tô com sintomas de saudade
Tô pensando em você
E como eu te quero tanto bem
Aonde for não quero dor
Eu tomo conta de você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem

Eu só quero que você saiba
Que estou pensando em você
Mas te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem
E que eu te quero livre também
Como o tempo vai e o vento vem

no dia que nasceu
aos 4 meses
aos 11 meses
no aniversário de um ano
aos 20 meses
aos 22 meses
aos 23 meses, em NY

no dia que completou dois anos

Para sempre no meu peito, no meu coração.

37 respostas em “O desmame

  1. #chorei.. não consegui ir tão longe como você, meu pequeno perdeu o interesse com 9 meses e eu tbm tinha q parar de amamentar para fazer um exame, enfim. Amo essa música, é perfeita para o nosso amor pelos filhotes. bjs

  2. ai carol, se me cayó un lagrimón! no meio da aula vi que você postou e vim ler. tentando esconder a emoção aqui! sempre achei interessante o seu ponto de vista sobre dar de mamar, mas agora eu realmente entendi o que isso significa de verdade pra uma mãe, pra você. lindo isso, lindo.

  3. Lindo texto!!Emocionei!!! A amamentação da minha primeira filha também foi super difícil, mas eu coloquei na cabeça que iria amamentar e tanto fiz, que deu super certo!! As minhas duas filhas mamaram até quando quiseram e sem complementação! Lendo seu texto, eu tive a certeza que fiz a coisa certa…Amo seu blog!

  4. História linda de vocês dois!
    Eu já disse e volto a repetir: você é um exemplo de persistência e amor pela amamentação. Eu nem de longe tive a obstinação que você teve para manter a produção e alcançar a amamentação prolongada. Amamentar é um ato de doação muito grande. É dedicação. É amor.
    Não fique triste pelo que já se passou, porque a história foi muito bem construída. Fique feliz! Comemore! Lucas está crescendo, teve muito peito e agora terá muitas outras coisas ao seu lado, brincadeiras, comidinhas, aprendizados. Tudo são etapas na vida, e a amamentação, pelo que vc contou, está se fechando com chave de ouro.
    Celebre!
    Bjs!

  5. Carol, eu já me peguei questionando o porquê de deixar comentário no seu blog, pq, né? Será 1 entre 100 e o que eu disser pode ser que não seja tão relevante quanto o que outra mãe falar para vc.
    Mas todo esse questionamento some quando penso no quanto vc é honesta, transparente, como erra e aprende e fala sobre tudo isso aqui, então, eu me sinto na obrigação de comentar quando tenho vontade de te falar: vc é massa! Vc é show!
    A tua amamentação me ensinou muito – e olha que quando Luqui nasceu eu já não amamentava a minha pequena, que tinha 4 meses e meio…

    Vc me deu vááááários tapas na cara e me mostrou que eu estava certa tbm; a tua experiência, tão bonita e real, cheia de dificuldades e aprendizados, me fez querer mais, me fez procurar mais informações, me fez salvar um pouco do que eu tinha de orgulho próprio de ter tentado, mesmo que não tivesse conseguido.

    Que Deus continue iluminando seus passos e vc continue sendo essa mãe fantástica que é.
    Luqui tem sorte. Pedro tbm. E vc tb!

    Um grande beijo!

  6. Ai ai… chorei aqui. Ando tão à flor da pele que até amamentação me faz chorar. E o meu tá com 1a9m e tá firme aqui, vc faz parte dessa história aqui em casa. Obrigada a vc e ao Lucas por dividirem os segredos conosco.
    bjos

  7. Ah, Carol…não sou mãe, mas imagino que essa seja uma sensação muito ruim. Mas veja pelo lado bom, foram dois anos incríveis e de aprendizados. Você é uma mãe incrível, que nunca mediu esforços para fazer o melhor pro Lucas e é isso o que importa. Uma amiga minha tem um bebê de 13 meses e o pediatra mandou PARAR DE DAR PEITO com um ano. Tanto ela quanto a irmã, que tem uma menina de 18 meses, ignoraram o que o médico pediu e estão indo até onde conseguirem.
    Você conseguiu por dois anos e isso é raro e maravilhoso.

  8. Olá, Carol! Emocionei com sua história da amamentação, parabéns! Deve ser difícil desmamar, uma despedida desses momentinhos mãe e filho. Eu penso nisso, minha filha completa 10 meses e mama umas 5x ao dia. Sinto o leite diminuindo e recorro ao chá de erva doce aos montes (ajuda!). bjos

  9. Carol, eu ainda tenho um medão enorme desse dia, sabe? E meu pequeno ta so com 9 meses. Mas não faz mais questão de mamar qd eu vou almoçar em casa (trabalho fora). Ai, dá um medão disso! Hoje eu ofereci. Tomara que nós cheguemos até os dois anos (ou mais), mas admito que to com medo.

    1. Eu quero muito chegar nos 2 anos (ou mais), sabe? Nem sei bem porque. Às vezes sinto que é egoísmo meu, EU quero, EU gosto. E se ele não quiser mais? Não sentir mais necessidade? Eu fico oferecendo o peito e ele mama, mas será q não to forçando ele? Tem dias que fico desanimada, pq vou almoçar e ele nem lembra do peito. Tem dias que ele mal me vê e já quer logo arrancar minha blusa pra mamar. Não sei. Ando pensando muito nisso. pra completar meu marido me convenceu a comprar LA pra madrugada, ou seja, Bernardo mama pra dormir, acorda de madrugada e toma mamadeira, depois só acorda de manhã e volta a mamar. É uma mamadeira, tem funcionado porque ele acordava de hora em hora e agora é só uma vez, mas sei lá… Não to legal com isso!
      Enfim, desabafei. Desculpa o comentário longo, mas tava precisando disso pra melhorar.
      bjs, Carol!
      http://www.umnovotempo.net.br

  10. mt emocionante!
    eu amamento minha pequena (1a3m) mas não exclusivo, por causa da bendita aplv, baixo peso, entre tantas coisas
    mas continuo amamentando a noite toda, ela mama demais, adoro isso
    ontem falei baixinho enquanto ela mamava, filha não deixe de mamar nunca, depois ri… daí refiz a frase, filha não desmame enquanto a mamãe não estiver preparada para isso rs

    mt lindo o amor de vcs

    beijos

  11. Nossa tudo tão lindo o que vc disse…
    Amamentar é o que eu mais sinto falta de quando o Felipe era menor. Talvez seja pq eu queria tanto mas tanto e mesmo assim acabei deixando me convencerem que era melhor desmamar qdo Felipe tinha só 4 meses. Me culpo tanto por isso.
    Mas, ainda bem que com vc tudo foi diferente.
    Sinto muita pena de mães que podem e simplesmente não querem viver esse momento. Já ouvi pessoas tão preocupadas com o peito cair que simplesmente preferem não amamentar. Só consigo sentir pena, muita pena.

  12. A história de amamentação de vocês é linda, e serve de inspiração pra mim (e acredito que muitas por aqui).
    Parabéns pela determminação e principalmente disposição para fazer tudo o que fez pelo Lucas!
    Beijos

  13. Ah, Carol!! Eu nem te conheço, mas fico tão feliz que você tenha conseguido chegar nos 2 anos de aleitamento!!! Eu leio o blog há tempos (de vez em nunca deixo um comentário – devem ser uns 5 ao todo), e acompanhei essas dificuldades que você foi postando, das quedas na produção, por exemplo, e fico tão feliz que você não tenha desistido! Muito ao contrário, seguiu firme no objetivo e merecidamente o alcançou!! Eu faço parte de um projeto de incentivo à amamentação e estou fazendo meu TCC sobre o assunto, e eu vejo tantas mães desmamando precocemente sem motivo algum, ou nem amamentando, por não julgarem importante, e ver o seu exemplo é que me dá força pra insistir nesse incentivo, porque acho que você não teria se esforçado tanto se não soubesse o bem que está fazendo…
    E eu espero que o desmame seja tranquilo pra você, que você sinta, e não apenas racionalize, que é o caminho natural, e que você ainda vai fazer muito mais pelo Lucas, só que agora também de outras formas.
    Um beijo de alguém que te admira mais do que consegue expor em palavras!!

  14. Olá Carol que lindo chorei.
    Eu tenho trigêmeos e não amamentei, a Isabela tenteou uma vez ficou tão ofegante que quase voltou para a UTI então o médico me proibiu de tentar com ela, a Angelina e o Heitor uma 2 vezes cada mas tinha que complementar sempre.
    Sinceramente na época eu não liguei, nem queria amamentar tinha pouco leite e muitas preocupações, mas agora 3 anos mais madura eu sei bem o que perdi, não existe nada mais bonito do que amamentar um bebe ainda mais se prematuro, o contato de mãe e filho é impagável choro só de lembrar do trio naquelas incubadoras, tinha dias em que eu nem podia toca-los.
    Enfim sou sua fã, acho lindo tudo oque você fez para amamentar seu filho, isso sim é ser a melhor mãe que se pode ser.
    Bejus e tudo de bom

    1. NAo se culpe, nao diga que vc era imatura quando eles nasceram. Com certeza, na epoca, existiam outras questoes muito mais de vida ou morte do que amamentar ou dar formula. vc foi a melhor mae que podia ser!!!

  15. Ola Carol,

    me emocionei. Sua história com o Pequeno é linda, e essa fase esta sendo concluída de uma forma linda. E nunca tinha prestado atenção na letra da música que você colocou… E nossa, como ela resume o sentimento de uma mãe, não????

    Minha Pequena já tem 4 anos, meu desmame foi meio forçado, mas posso afirmar que cada dia a gente tem algo a mais e melhor com eles….

    Beijocas

  16. Aí Carol, que sonho! Eu aqui nos meus recém 3 meses de amamentação, com 2 mastigues em 2 meses, com engurgitamentos, com bombinha de ordenha! Cada dia que consigo amamentar é uma abençoada e linda vitória! Meu sonho: chegar o mais longe possível, mas hoje, se chegar no dia de amamnhã com leite já é para mim uma bênção. Poderias nos ajudar contando sua rotina para conseguir amamentar até os dois anos, porque para mim parece difícil chegar com leite até lá. Hoje comecei a tomar Equilid, porque sentinque minha produção caiu nos últimos 2 dias. Adoraria saber como vc conseguiubchegar tão lindamente longe! Beja

    1. Oi Kamila! Deus te ouça. Por mais que leia, fale com o pedi e minha gineco, minha cabeça fica cheia de dúvidas! Espero, no mínimo, amamentar até os seis meses. Meu bb é gordinho, tem 6 kg, e não toma outra coisa senão o meu leite. Fico com tanto orgulho e felicidade por isso. Bis e obrigada

  17. Olá Carol,
    lindo seu texto, minha filha tem 7 meses e mesmo não tendo muito leite ainda amento. Mas também sinto que está chegando ao fim, nos ultimos meses ela não tem ganhado muito peso. As vezes até chego a pensar que seria melhor parar, ela está estremamente grudada em mim, não quer nem o colo do papai, brinca com todo mundo, mas sempre grudada em mim. Mas ao mesmo tempo me dar uma dor no coração, na verdade esse momento é mais difícil e sofrido pra nós, eles entendem muito mais do que a gente!

    Bjos e muita coragem para você…

  18. Tô aqui chorando, carol… que coisa louca que eu senti.

    nem sei o que te dizer…

    obrigada por ter sido uma inspiração.

    parabéns por ter chegado até aqui.

    e que as descobertas de novos vínculos te deem completude. aliás, aos dois.

    beijo muito grande!

  19. Parabéns pelos 2 anos de mamá!!!! Lucas ainda está mamando bastante, sendo 3 vezes por dia. Mas deve ir reduzindo aos poucos, como você mesma falou.

    Eu já não sei o q fazer. Quero cortar, mas o Davi não larga. Já atingi a meta de 2 anos, tá bom. Ele mama pra dormir (e só dorme assim, tô f… eu sei) e diversas vezes à noite (pode ser 2 vezes ou 19886357326853643 vezes, a depender do seu estado de espírito). Queria muito algo assim, natural, progressivo, mas tô querendo é cortar logo. Não tô me sentindo como vc, tristeza por esta fase estar acabando. Queria é que acabasse logo, tudo por uma noite de sono initerrupta! 😛

    bju

  20. Carol, acompanho seu blog já faz tempo. Sempre vinha saber de vocês: quando tava grávida e quando o Lucas nasceu. É engraçado que a gente vai gostando de verdade sabe? Como se conhecesse.

    Eu fico impressionada com a "luta" que você travou pra que pudesse amamentar muito. Quanta disposição! Quanta renúncia!

    Aqui foram 7 meses. Eu teria dado mais se ordenhasse, bebesse muita água, rs. Mas eu não dei conta.

    O Lucas é um bebê, um menino de sorte. Quanto leitinho materno ele teve! Quanto contato!

    Deixa saudade sim. Às vezes quando meu filho adoece e não quer nada me vem o pensamento: se ele ainda mamasse…é um momento de conforto, de acolhimento, eu acho.

    Foram 2 anos de muita disposição, muito amor por aí.

    Beijo!

  21. Eu tô aqui chorando, que nem boba. a tua história de amamentação me inspirou e me inspira muito. algumas vezes cheguei a pensar em desistir, tu acompanhou o início, lembra? dormia no peito, perdeu peso, tomou complemento, baixa produção, chorava no peito, mamava poucos minutinhos… enfim, quase 14 meses se passaram e ele segue firme e forte na mamação. largou complemento e chupeta aos 5 meses e gamou no peito. gamamos. foi só aí que ficou bom, que ficou natural, que ficou prazeroso.
    e eu vendo ele crescer, aprender, conhecer o mundo fico com o coração transbordando de tanto amor e orgulho que chega a doer. e quando penso no desmame fico cheia de dúvidas e vontade de chorar. de orgulho, de saudades, de ver o tempo passar e meu bebê ganhar o mundo… não sei explicar. as vezes acho que tá chegando a hora, as vezes acho que ainda vai durar mais um bom tempo. mas sempre me emociono, sempre!
    obrigada querida por dividir e acolher.
    a história de vocês é linda e vai ser cada vez mais, porque na verdade a cada dia o vínculo se transforma e se fortalece.
    beijo grandão

  22. Carol, querida, acho que o desmame não está tão próximo assim. Vocês dois ainda terão alguns meses de trocas até que ele se desinteresse de vez.

    Eu e Isabela estamos na fase do desmame também. Agora que ela completou 2 anos eu cortei a mamada que antecedia o cochilo da tarde. Ela está dormindo na creche agora e aos fins de semana cabe ao pai colocá-la para dormir após o almoço. Em algumas semanas eu corto a mamada da manhã para em seguida tentar tirar as da noite/madrugada.

    Mas eu achei lindo o Lucas só acordar uma única vez a noite para mamar. Invejei muito. hehehehehe Isabela acorda normalmente 2 vezes ou mais.

    Lucas e você são uma dupla perfeita, completamente conectados, independente da amamentação. Parabéns pelo filhote lindo e saudável.

    Beijão

  23. Nunca mais leio teu blog no trabalho…hahaha chefa tu quer que as pessoas trabalhem chorando? To segurando aqui… quando leio teus textos fico pensando que quero ser uma mãe com os mesmos princípios seus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *