Eu sempre pensei assim. Até que fui acometida pela paixão arrebatadora, louca e insana que é ter o próprio filho. Até que experimentei esse amorzão, essa vontade de ter perto, de abraçar, beijar, apertar, amassar, beliscar, morder, cortar em pedacinhos e comer refogado com batatas.

Daí que, apesar dos filhos serem para o mundo, eu não me importava tanto que o meu quisesse ficar debaixo da minha asa sempre. Tudo bem se ele não queria ir com ninguém. Tudo bem se só se acalmasse comigo.

Só que agora voltei a meu estado normal racional de serumana centrada e razoável e volto a pensar que filho é para o mundo. Né? Tem que educar as quiança pra viver em sociedade, conviver bem com outras pessoas e tal.

Tudo isso porque tem acontecido uma coisa boba, mas que me dá uma incomodada. A zeladora do meu prédio adora o Lucas. Fala com ele todos os dias “hola Lucaaaas, hola hermoso”, entre outras fofices. Maaaas. O Lucas não suporta ela, gente. Passa pela mulher falando “não, não, não” e vira o rosto, teve uma época que ficava tão nervoso na presença da dita-cuja que até me batia (acho que rolava uma energia negativa que ele não sabia canalizar, foi mucho loco).

Na frente dela, eu falo “filho, a Suzana (nome dela) tá te dando oi, vamos dar bom dia?” e ele segue “não, não, não”. Aí eu chego no carro e começo o discurso (mãe é tudo muito chata, vai vendo): “filho, a Suzana fala com você todos os dias, ela só está te dando oi, vamos responder, por favor? Mesmo que você não goste dela, vamos, por favor, dizer hola Suzana?”. E ele responde “Hola Suzana”, mas pra mim, no carro. Na frente da mulher que é bom, necas.

A verdade é que eu fico com vergonha dessa “falta de educação” dele. É nítido que ela fica desapontada e me olha com cara de reprovação como quem diz: “olha lá a mãe que não educa o menino”. E eu gostaria que meu filho começasse a aprender que devemos cumprimentar as pessoas, ser cordial etc. Mas, ao mesmo tempo, Lucas tá numa fase que não tem o menor filtro social, ele tá cagando se vai agradar ou não. E quando gosta de alguém, ele vai lá e demonstra, então ta claro que ele não gosta dela. Devo mesmo obrigar o menino a ser simpático quando ele não tá afim? Ou devo respeitar os claros sinais de que ele não quer socializar com essa senhora e pronto?

Difícil, difícil.

Até porque, como eu dizia antes, tem vezes que Lucas não quer saber de ninguém no mundo, só de mim. E, embora eu fique envaidecida com isso, não curto que ele ignore o resto das pessoas. Eu fico sufocada e ele fica frustrado quando não recebe a atenção total que quer. Então vambora aprender a viver em sociedade?

E como se ensina isso, gente?

Num dos
raros momentos em que ele decidiu ir pro colo de alguém por livre e espontânea vontade:
quis viver aí com a Hello Kitty e com a Minnie, ficou vidrado, fascinado,
apaixonado. E eu tive que pagar pras mocinhas pra tirar a foto, claro.

E eu achando que meu maior problema na vida era dormir mal. Ha-ha. Vai lá educar um ser humano e volta aqui pra me dizer que é facinho facinho.

(mas, pra alegria geral, ele tem entrado na creche no maior bom humor, me dá tchau, cumprimenta todo mundo, tá rindo, tá falante, tá delício)

18 respostas em “Os filhos são para o mundo

  1. hahha aDorei a foto do Lucas com essa HEllo Kitty transgênica!
    hehe
    Ah, Carol, sbae o que eu acho? Deixa ele ser antissocial agora…ele vai passar a vida toda tendo que fingir gostar de algumas pessoas…que mal faz ele não gostar agora mesmo? rsrsrs
    E olha, não sei se vc acredita nessas coisas, mas acho que criança sente mesmo as energias alheias… Eu lembro (momento trauma) que meu pai tinha um amigo que adorava me pentelhar e eu ODIAVA ele. saía de perto até…. Eu tinha 5 anos e nunca esqueci, ele se chamava TIto. Depois, descobrimos que ele espancava a esposa e os filhos… #medo #criançamãe Dinah eu fui! rs
    bjoks
    Carol
    http://www.meuparasita.com

  2. Nussa dificil Carol, mas como disse a Carol, sua xará, depois que ele ficar maior, já vai ter que fingir que gosta de um monte de gente e ser legal com todo mundo, e se ele se dá bem com o pessoal da idade dele já tá muito melhor que muitas crianças da mesma idade.Bjuss

  3. carol, eu acho q ele é ainda bem pequeno pra entender essa coisa de ter q ser simpático e tal…é claro q como mãe vc vai falando, como vc faz…mas ñ espere muito entendimento nessa fase, ela ainda vai fazer 2 aninhos…
    eu caí na real sobre o PESO da educação de um "serumano" qdo minha filha fez 3 anos…olha, ñ é fácil ñ…(e quem disse q seria né rs)

    bjs

    ahhhh, adorei as fotos em NY, como assim lucas tao lindo com aquela loirice toda! 🙂

  4. Sou da opinião "que se foda o mundo", o teu filho está aprendendo a gostar dos outros, a ser educado, a dizer oi/tchau/bom dia… não esquenta a cabeça, pelamordedeus, ele é muito pequeno. Eu explico para a Laura TODOS OS MALDITOS DIAS do ano, que tem que cumprimentar, desejar bom dia, bom trabalho, e eu mesma falo com todo mundo, até pela questão do exemplo, não é??? Mas ela vai aprender com o tempo e se ela não gosta de alguém…. caguei.

    Desculpe as palavras lindas do texto, mas é que eu fico muito brava qdo alguém da minha família vem comentar que a Laura "deveria ser mais educada" ou "deveria falar com os vizinhos quando eles falam com ela", pq, né??? Todo mundo fala com criança, ela mesma é parada o tempo inteiro por adultos que querem dar beijo, abraço, falar oi, brincar com ela… será que nós, adultos, teríamos paciência com todo mundo??? Não.

    Beijos!!!

  5. Deixa ele ser crianca e gostar de que ele quiser. Mas tarde voce se preocupa com isso. Afinal as criancas sao lindas pela pureza e inocencia, ne?!

    Boa sorte e beijinhos

  6. Carol, eu acho que isso é personalidade a Giulia é de lua tem dia que fala com todo mundo e manda beijos e tem dia que não. ela é assim com tudo.. entao acho que tem o tempo deles.
    Mas essa foto ele te demais….

  7. Ele é novinho Carol. Alice que mandava beijo pra avó paterna, agora mal olha na cara dela… E eu fico com cara de pirulito, né?!
    Melhor assim agora, porque daqui a alguns anos eles mal olhararão para a nossa cara e terão vergonha da gente… Buaaa!
    Bjs!

  8. Então, eu sempre leio e nunca comento, mas hoje, senti uma semelhança incrível entre seu baby e eu!
    Bem, meus avós tem um vizinho que NUNCA, mas nunca mesmo me fez nada, ele é simpático com todo mundo, estava sempre na casa dos vizinhos, enfim, um cara considerado bacana.
    Pois bem… A pessoa aqui, SEMPRE teve medo dele! Pois é, medo mesmo! Segundo minha mãe, eu chorava horrores quando o via, e desde que me entendo por gente, me escondia debaixo da cama quando ele entrava em casa e só saía depois que ele ia embora… Então, acho que é assim, quando somos crianças a gente deve perceber algo, ou é só o "santo" que não bateu! rssrrs Não é ser mau educado não!!!
    Bem, e eu até hoje tenho "medo" do cidadão… Quando o vejo, balanço a cabeça como num oi, viro a cara e vou para longe… Pois é, a vida é assim, então, relaxa! rsrsrsrs

  9. Nós:

    Pessoa x -Oi Lorenzo!!
    Lorenzo -….. -(continua andando, não dá nem uma olhadinha)
    Eu – Filho, fala oi para ______, Oiii.
    Lorenzo – ……
    Eu – É, hoje está (tímido/sério/ocupado). Tchau 😉

    Fim.
    Sempre assim.
    Lorenzo fez dois anos ontem, as vezes dá bom dia com todos aqueles dentões e aquela bocona bem aberta e as vezes passa reto. Mamãe aqui não liga muito não, acredito que se ele me vê dando oi e bom dia para todos, com o bom exemplo ele vai acabar seguindo. No final das contas, eles são pequeninhos né? Acho que com 3, 4 – 5 anos eu seria um pouco mais "dura".

    Beijo
    Marina

  10. Carol… Achei teu blog por acaso e li ele todinho… rolei de rir… me emocionei… e tudo mais que eu tenho direito!
    Parabéns pelo blog… ele é bárbaro!!!!
    Parabéns pelo Lucas… o menino mais lindo!!!!
    Bj

  11. Nao se preocupe com isso Carol…deixa ele ! Isso e fase, depois passa (ou nao, vai saber, ne ?), tenho uma conhecida que a filhinha dela so se socializa bem com outras criancas e de um tempo pra ca nao quer saber de ir e nem ser simpatica com ninguem adulto ! Meu filho mesmo para algumas pessoas fica todo feliz, sorri e ate se joga no colo, pode ser conhecido ou estranho. Mas para outras pessoas nao deixa nem que toquem nele, as vezes as pessoas falam com ele e ele so faz aquela cara de paisagem e pronto !

    Angela Machado

  12. Hahahaha… Ai Carol, agora sei como minha mãe se sente. Eu aqui com meus 35 anos e de quem não gosto, continuo num não, não, não. Ela até tentou qdo eu era pequena, mas qto mais tentava, pior ficava.
    Deixa ele curtir essa idade e ainda o poder de ignorar gente que ele não foi com a cara e qdo tiver mais idade, entender melhor, aprende dar um oi e tchau bem rápidinho, o suficiente para ser "educado" sem se sentir agredido. Porque de boa, ter que ser simpático com quem não se gosta é uma agressão para nós mesmos, né? Uiiii…

    Bjs!!

  13. Olha, eu penso um pouco diferente da maioria das pessoas.
    Não acho que você simplesmente deve lidar com a situação como um: "que se dane o mundo".
    As coisas não são bem por aí! É uma fase, você deve respeitar o seu filho, mas deve insistir e ensiná-lo a ser educado com as pessoas.

    Muita mãe comete o pior erro possível que é ignorar certas coisas, deixar pra lá, e quando prestar a atenção no fato já é tarde de mais.
    Ainda que num futuro próximo ele venha a cumprimentar as pessoas por mera cordialidade isso é educação!
    Ou não é mais? Que se dane tudo?!?!
    Bjos.

  14. Carol, tenho um filho de um ano e oito meses. Nessa fase sei que eh dificil eles cumprirem certas obrigacoes sociais, mas acho que isso nao significa que tenhamos que parar de ensinar e dar o exemplo. Demora, é cansativo, mas quero que meu filho seja querido pelos outros. Quem nao se encanta por uma crianca educada? Eu vou ama-lo de qq jeito, o mundo nao.
    Claro que vc nao vai cobrar do Lucas com severidade pq ele eh pequeno, mas nao deve desistir de faze-lo cumprimentar quem o cumprimenta. Nao acho bacana essa postura de alguns comentarios "que se dane". A gente educa desde que o filho nasce e certamente nao queremos adolescentes e jovens q sejam da filosofia do "que se dane".
    Eh um erro mt comum e compreensivel queremos os filhos só pra nós, mas acho que essa postura nao eh justa nem com eles que sao seres individuais e que merecem ter relacoes bacana com pessoas diferentes. Meu filho eh sempre estimulado a ir com os outros, desde que nasceu.eh natural. Nunca caí na tentacao de deixar ele numa bolha só nossa. Mas imagino que vc em outro país, com outra vivencia tenha tido mais dificuldade com isso, o que eh natural. Mas o que se percebe eh que vc eh uma mãe mt consciente e observadora, o que é maravilhoso. Saúde pra vcs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *