É assim que estou com relação à creche do Lucas.

Tá, vou ser sincera e admitir que o buraco é mais embaixo: há meses eu tô é de bode de ter que mandá-lo pra qualquer que seja a creche, por tantas horas diárias. Já sonhei varias vezes em largar o emprego pra ficar com ele full time, mas financeiramente isso é inviável e, do fundo do meu corazón, acho que eu ficaria louca de estar em casa o tempo todo, cuidando de filho. Ideal seria trabalhar meio período ou um esquema home office, em que eu poderia tê-lo por perto o tempo todo, podendo acompanhar sua vida de maneira mais próxima.

Mesmo assim, acho que proximidade não nos falta. Nas horas que estou com ele, me entrego de corpo e alma, eu sei disso. Mas que é um saco deixa-lo na escolinha o dia todo, ah é.

Mas não era exatamente isso que eu queria dizer. O que acontece é que a creche que ele está, especificamente, tá deixando a desejar. Pra quando ele era bebezico, era ótima: muita contenção, carinho e respeito, estímulos na medida certa, eu tava feliz dentro do possível. Só que agora ele já é um menino com outras necessidades e tô achando tudo muito marromeno.

Não sei como funciona no Brasil, mas aqui na Argentina, as creches são dividas em salas por idade. Na dele, é assim: sala de bebês, sala de um ano, sala de um ano e meio, sala de dois anos e sala de dois e meio. Cada faixa etária com sua salinha e só. Há um espaço aberto com brinquedos, tipo um pátio, mas todo de concreto – no alto verão, não dá pra ficar lá, pois esquenta muito e o sol acaba com as crianças. Também tem um pátio de jogos coberto, um refeitório e só. Não tem sala de leitura ou outro espaço de atividades, não tem nada além das salinhas. Acho que falta ar livre, sombra de árvore, grama, areia, natureza, essas coisas.

Além disso, em todas as salinhas tem televisão. Em alguma reunião de pais, eu questionei o uso da TV e elas me disseram que era apoio, apenas pra ouvir DVDs de música ou como complemento na aula de inglês. Eu não curti muito: primeiro que acho que nem precisa aula de inglês nessa idade (mas todas as creches por aqui oferecem, então eu já sabia quando matriculei ele) e segundo porque acho que não é necessário complementar nenhum aprendizado com TV. Tá certo que não sou pedagoga, nem professora, mas meu coração de mãe não curtiu.

Se fosse só isso, tudo bem. Mas, ao longo do tempo, fui percebendo que elas usam muito mais a TV do que me disseram. E pior: usam como acalma-criança, sabe? Já flagrei usando na hora do almoço, na hora do lanche, na hora da saída, na hora da entrada… fico puta. Quedê pedagogia? Quedê professoras preparadas pra lidar com várias crianças, mesmo nas horas críticas?

Também tem a questão do sono. Lucas atualmente precisa dormir uma soneca só por dia, que varia de duas a três horinhas. Normalmente, dorme depois do almoço. Daí recentemente, eu tive que alterar o horário de ir busca-lo, em vez de 17h, agora vou às 18h. E não é que tão botando o garoto pra dormir nessa horinha, além da soneca pós-almoço? E sabe o que acontece? Eu chego lá e ele tá dormindo, daí temos que despertá-lo. Ele acorda ultra mal humorado, sem saco pra nada e, pior: depois não quer mais dormir na hora dele. Daí tem ido dormir lá pras 23h, meia-noite! Magina, gente! Meu filhoco que ia pra cama às 20h, 21h no máximo, agora tá adentrando a madrugada boladona! JEMT!

Daí eu fui falar com a professora, pedir pra ela não deixar ele tirar essa segunda soneca. Sabe o que a lymda me falou? Que se não põe, ele fica chorando. Que todas as outras crianças dormem essa hora, então fica tudo escuro e, sem ter o que fazer, entåo ele acabava ficando frustrado choroso. Daí, pra evitar o chilique dele, elas resolveram fazer o menino dormir também. AH PORRA. E sabe o que mais a lymdíssima me falou? Pra, quando eu for pegar, levar ele no parquinho ali perto pra ver se ele cansa um pouco antes de chegar em casa. Então veja você: a otária aqui tá pagando creche pro menino dormir bem dormidinho várias vezes por dia e ver muita TV confinadinho na sala dele!

Ok que nessa idade talvez nem exista muito projeto pedagógico possível, mas gente, eles tão fazendo a mesma coisa que qualquer babá de quinta faria. Começo a pensar que, se eu pagar pra uma pessoa vir em casa cuidar dele o mesmo que pago pra creche, talvez pelo menos ele fique menos doente. Porque HAJA DOENCINHA, viu. Mas esse nem é um motivo de descontentamento, eu sei que creche traz doencinha, já estou preparada.

Parece óbvio que preciso muda-lo de escolinha o quanto antes, né? Mas, não é tão simples. Ele frequenta lá desde bebezico, todo mundo nos conhece, o pessoal todo adora ele e eu sei que, apesar dos pesares, ele tá bem cuidado. Dá um puta medo mudar, fazê-lo sofrer toda uma adaptação e cair na mesma (problemas diferentes, quem sabe, mas ainda sim, problemas).

Acho que o tiro de misericórdia veio esses dias: observando-o, notei que ele também já não está feliz. Tem chorado muito quando chega e não parece mais empolgado com o lugar. Talvez seja apenas eu projetando meu descontentamento nele, não tenho certeza, mas acho que chegamos ao limite.

Daí que hoje me muni de coragem, peguei um monte de referências e, a partir da semana que vem, começo a pesquisar novos lugares. Tô cheia de medo, parece que eu é que vou frequentar a escola nova, mas sinto que precisamos pelo menos conhecer outras opções, mesmo que seja pra concluir que nessa tá bom (embora, do fundo do meu coração, eu ache que não tá nada bom).

Fico pensando que é uma judiação fazê-lo conhecer outro lugar, outra rotina, outro tudo, mas acho que é pro nosso bem. Vamos ver.

40 respostas em “De bode

  1. Nossa parece que estava lendo o meu blog, estou na mesma com a Manu, mudamos para o sul e aqui é muitoooo diferente de SP, faz 6 meses que estamos aqui e ja passamos por 3 berçario, neste atual, meu coração de mãe tb diz q nao esta bom, entao segunda vamos conhecer outro, estou com medo de começar tudo de novo e ser a mesma coisa, gente como é dificil cuidar de uma vidinha.

  2. Carol, eu também troquei a Isabella de escola. Ela ia fazer 3 anos e eu estava grávida da minha segunda filha quando tomamos a decisão de trocar. Os motivos eram mais ou menos parecidos com os seus: notei que a escolinha era muito boa para um bebezico mas bem "mais ou menos" para uma criancinha. DVD, crianças muito fechadas em salinha, muita hora de soneca… Todo mundo falando que ela "ia sentir muito, era muita mudança, ganhar irmã e mudar de escola". Mas depois que a gente pega bode, não dá para postergar. Eu tive mais medo e mais dificuldade com a mudança do que ela. Ela adora a escola nova, fica super bem. Bia também está na mesma escola atual da irmã e adora. Vale a pena tentar outra escola. A meu ver, os pequenos se adaptam bem às mudanças (melhor que a gente). bjo

  3. Meu filho foi para a creche com um ano e creche publica aqui do brasil aff aflição duas professoras para 30 alunos .. bebes que usavam fraldas ainda imagina nossa fiquei um tempo precisava mas logo consegui colocar ele na creche da faculdade onde estudava que é modelo tem tanto tipo de acompanhamento quanto de cursos que existem na faculdade, ai sim perfeição, não não existe lugar perfeito sempre teve um problema aqui outro ali, cantinho do castigo aff essas coisas que haja reunião para reclamar e querer mudar mas ele tinha lá introdução ao ingles, musicalização, aulas de educação fisica, acompanhamento com psicologo, fonoaudiologo, dentista(ele esta com uma carie), nutricionista, terapeuta ocupacional, alem das estagiarias de pedagogia que sempre estao junto com eles. Tinha aulas de natação, judo, balet(as meninas e os meninos, tem campo de grama campo de arvores com muitos brinquedos .. passava o dia todo lá e ele com 5 anos já escrevia o nome e o nome da mae e do pai(olha que washington nao é facil) .. então só sei que quando ele mudou de creche com quase dois anos ele nem olhou p traz não lembrava da outra escola nem um segundo naõ tinha saudade nada de nada … eles gostam de mudança carol vai fundo mas pesquisa bastante pq tudo o que eles aprendem ate os 4 anos fica para a vida toda então conforme o comportamento das professoras eles vao ver a vida … tarefa dificil criar filhos e trabalhar…

    mas olha com tudo isso eu só me arrependo de uma coisa… ter colocado ele na creche … eu poderia ter cuidado dele ate agora sem mais problemas.. mas isso varia de mãe p mãe de caso p caso … no proximo se Deus me abençoar vou ficar com ele mais tempo quem sabe até os 4 anos =)

    faz o que o seu coração manda pq coração de mãe nao se engana =)

  4. Coração de mãe sente….e não está bom só de ler teu relato. Acho que faz bem ir visitar outras mesmo, assim quem sabe vcs não se apaixonam por outra? E problemas em qualquer um tu vais encontrar.
    Boa sorte!
    Beijos

  5. Eu tenho um bebê de 5 meses. Ia deixá-lo no berçário, tava com a matrícula paga, mas meu coração me mandou deixá-lo em casa, com uma pessoa super de confiança (ela já cuidou de mim). Concordo com você, bebês (e crianças pequenas como o Lucas) não precisam de projeto pedagógico e aula de inglês, precisam de carinho e, quando maiorzinhas, espaço para brincadeiras, ar livre, natureza. Acho que ele vai adorar a mudança. Boa sorte na procura, eu sei o quanto é difícil!

  6. Mas quando tirar ele de lá diga TODAS suas impressões. Pq eles merecem ouvir. E se tiver oportunidade diga ainda antes e sugira que façam uma atividade com ele enquanto os outros dormem, OFEREçA VC MESMA os livros pra que elas tenham ao menos a idéia de ler. Sorte e siga a voz de seu coração!

  7. Aih Carol que barra hein… Eu estou maternando em tempo integral e em partes meu medo da creche/escola se deve ao fato de ter trabalhado muitos anos em ambas. Nunca vi nada de absurdo, e realmente suas considerações deixam claro que a coisa está feia por aí. Só trabalhei em duas escolas que tinham tv e em ambas eram por pouquíssimo tempo que assistiam.
    Espaço pra brincar é fundamental até para o desenvolvimento motor, para brincadeiras coletivas que proporcionam aprendizagens como dividir, participar, correr, cair e levantar.
    Não precisa de sala de leitura, mas tem que haver espaço para tal.
    Agora o que me matou foi saber que colocam as crianças para dormir às 17h… Cara já levei tanta bronca porque as crianças dormiam sozinhas nesse horário, que atrapalhava a rotina de sono, etc…Parece que colocam para dormir pra livrarem-se das crianças. Sinceramente Carol isso não parece uma creche, mas um ajuntamento de crianças. Sim, porque se vc somar o tempo de TV, sonecas e refeições não sobra tempo para atividades, para brincar.

    Agora uma dica: quando for conhecer uma escola nova, não agende horário… Pode parecer falta de educação, mas quando vc agenda as bonitas são avisadas: Deixa tudo organizado, olha o jeito que fala com as crianças, deixa as crianças arrumadas, não deixe elas fazerem bagunça porque tal hora tem visitas… Ou seja: quando vc chega do nada é mais fácil de ver a escola como realmente é… (Inventa uma desculpa tipo tava passando e resolvi conhecer!).

    Espero do fundo do coração que dê tudo certo.

  8. Carol, muda de creche. Assim simples. Se o teu coração não tá sossegado, ele também não vai ficar feliz lá.

    O Uri ficou numa creche dos 6 aos 13 meses. Eu super descontente, mas nessa onda de "ele já tá acostumado, vai sofrer, vou ter q adaptar". Até q aconteceram coisas q eu não consegui superar (tipo trocar a tia sem avisar os pais, vc chega lá e tem uma nova, cara de koo, q nem se apresenta nem sorri pro bebê e vc tem q deixá-lo lá pq tem reunião às 8 da manhã e o coração fica apertado o dia todo. É, tipo assim). Descobri outra na rua de baixo de casa, fui ver, mudei na mesma semana. O Uri nem olhou pra tras, não chorou, claro, os primeiros dias ele ficou meio ressabiado, chorava pra dormir, mas em 1 semana tava adaptado e gosta muito de lá.

    Eu tenho minhas ressalvas, às vezes penso em tirar (pq sou chata e exigente), mas ele gosta muito, mesmo de lá.

    E sim, tem projeto pedagógico pra idade deles sim. Dá pra elas fazerem umas brincadeiras mais direcionadas, contar histórias, brincar com cores, com formas, expressão corporal, dá sim. Inglês eu acho besteiríssimo, pq eles nem falam Espanhol direito ainda, e tbem não é o caso de serem bilingues (Ingles;espanhol), uma aula ou mais por semana não vai ensinar muito não. Aqui ele tem "aula" de bichos (trazem coelhinhos, ratinhos, tartarugas, periquitos, deixam eles estrangularem os coitados, explicam um pouco e tchau), música, esporte e yoga (o q deve ser td a mesma coisa, colocam musica e fazem a criançada pular, e o q, convenhamos, deveria ser feito sempre).

    TV tbem tem aqui e eu quero morrer. Mas já questionei e vi q to sozinha nessa, os pais acham bom (pra q eu não descobri). Alem de nada educativo, to pagando e MUITO pra ele ficar sentado vendo TV?

    Mas vai com td. Troca mesmo, vc vai ver a diferença na hora.

    Bj

  9. Carol, vou tentar te ajudar, tá? Suas aflições são as minhas, não por empatia, mas porque já passei uma vez com a Ísis por isso e passarei novamente com o Pedro.

    Minha mãe é pedagoga e ela sempre diz que a gente sabe quando a criança está feliz na escola, ela demonstra, ela vai feliz, ela quer ir. O Lucas já dá todos os sinais de que esgotou. Uma escola nova daria novo ânimo a ele, seria novidade, ainda mais uma escola mais próxima das necessidades atuais dele. Se a opção é mesmo a escola, no seu lugar eu mudaria sem medos.

    Como pitaco básico de mãe eu tentaria ter alguém em casa que cuidasse dele um período do dia, nem que seja para ele dormir tranquilo na sua casa, na sua cama, enfim, ter uma rotina menos estressante, porque o dia todo na escola cansa mesmo. E vc ainda teria alguém de confiança para dar uma mão nos momentos doencinhas. Mas se não der, não deu.

    Eu tirei a Ísis da escola quando me mudei, ela tinha 1a3m, eu contratei uma babá com boas referências e não me arrependi. Como aqui é cidade pequena, não coloquei câmeras, pois todos se conhecem e ela era muito bem quista. A Ísis ficou com ela até os 3 anos e ela só saiu por problemas de saúde dela, que a impediam de trabalhar todos os dias como eu preciso, senão ela continuaria lá em casa. A Ísis a adora e isso é sinal de que foi bem cuidada por ela. Agora nas férias da escola optei por não deixá-la na Colonia de férias e chamar a babá algumas tardes. Ela adora as visitas da babá!

    O Pedro vai no mesmo esquema. Vamos nos mudar para outra cidade em fevereiro, maior, mas vou contratar uma babá para o dia inteiro e vou colocar câmeras, já que, apesar das referências, é uma cidade maior, fico receosa. Ainda assim prefiro uma babá monitorada, que uma escolinha e todas as doencinhas e perrengues que elas trazem. Pedro ficará em casa até os 3 anos, porque como vc mesma disse, BB precisa é de cuidado, boa alimentação, soneca e algum estímulo, que qualquer um que goste de criança pode fazer.

    A Ísis vai para a escola meio período, mas ela já está em outra fase, vai fazer 4 anos. Ela amou a experiência da escola, mais do que eu mesma, então vou matriculá-la em outra na nova cidade. Veja que ela está de férias e reclama que quer ir para a escola! Sinal de que a escola faz bem a ela, ao contrário de quando ela ainda era BB.

    Fique tranquila com a troca de escola! Vai ser melhor mesmo, seu coração de mãe não se engana!

    Beijos!
    Nine

  10. Carol eu ainda não sou mãe então não saco muito dessas coisas, mas meio q nasci pra isso rsrs, e tenho uma irmã com mega diferença de idade então ajudei super na criação dela.. então vamos lá..
    acho q bebezinho tudo bem na creche pois hj em dia tem cada pessoa maluca pra cuida de criança, mas agora ele é grandinho que tal tentar alguém pra cuida dele na sua casa? pois bem ou mal ele conhece o seu lugar, ja ta adaptado, não vai estranha, so vai conhece uma pessoa nova, se ele não gosta dela ele vai reclama vc vai saber e é so demiti, além disso vc pode combina com ela horários pra leva ele no parquinho, pra da uma volta fazer amiguinhos essas coisas, além q vai ser ela somente pra cuida do seu filho então evita as doencinhas a falta de atenção essas coisas… eu e minha irmã sempre fomos criadas por pessoas, então tenho um super pé atras com creches acho q nunca dão atenção suficiente. Então essa é a dica de uma completamente inexperiente mas que quer o melhor pra ti e seu filho! Beijos

  11. CArol, mudanças fazem parte da vida.
    Claro que Rafael ainda não vai a escola. Mas ó: eu fui uma criança nômade a vida toda. Meu pai era transferido a cada 3 ou 4 anos. Mudávamos de cidade, de escola, de turma. Tenho amigos de várias cidades e estados diferentes. No começo é chato, a gente sente falta dos amigos antigos, da escola antiga. Mas depois se acostuma, conhece mais gente legal, mais gente tb. E aquela se torna a nossa nova escola, acaba criando laços por lá.
    E te digo que é uma preparação pra vida. Pq um dia ele vai crescer e aprender que é assim. Muita coisa passa, pra abrir espaço pra outras novas.

    Beijo

  12. Carol,

    suas aflições são semelhantes às de muitas maes, como eu.
    Concordo muito com você e acho não se arrependerá de ir em busca de um local melhor para o Lucas. Considero a babá uma boa opção, mas é difícil encontrar "a pessoa", ne?

    Só discordo de você em relação ao projeto pedagógico, ele deve existir sim, para qualquer idade. Aliás esta é uma pergunta que você deve fazer nas escolinhas/creches que for visitar: Qual o projeto pedagógico da escola?

    O projeto pedagógico define as atividades que são desenvolvidas com os pequenos. TV faz parte do pp? atividades ao ar livre? aula de inglês? Dormir no final do dia? Oi? e por aí vai. Acho que deve escrever o que quer e perguntar tudo antes de se decidir.

    Também não estou 100% satisfeita com a escolinha do meu filho que tem 1A e 4m, mas no momento não poderei mudá-lo de escola porque esta é a melhor das opçoes próximas da minha casa. Lá tem uma biblioteca onde fica a televisão da escola, mas que eu saiba ele nunca assistiu.

    Fiquei apaixonada com uma escolinha que visitei, infelizmente não tinha vaga e é longe da minha casa, mas a educadora que me recebeu começou dizendo "o nosso projeto pedagógico é assim…" e descreveu os objetivos da escola e as atividades que eles fariam durante o dia. Uma coisa que ela frisou foi que um dos objetivos da escola é ajudar os pais e tornar a rotina da família melhor. Achei fantástico, fiquei emocionada.

    Tomara que ache um lugar super legal para vocês!!!!!

    mil beijos!

    Ana

  13. Mudanças sempre são boas quando necessarias mesmo na idade do Lucas, faz com que conhecemos coisas novas, diferentes e assim podemos ter a certeza do que realmente queremos, fora que Lucas vai aprender melhor e mais cedo a lidar com as mudanças que sempre se fazem em nossas vidas inconstantes e quando ele crescer não tera medo de mudanças do novo, eu mudei de escola quando criança 11 vezes ate a idade adulta e o que ganhei com isso : muitos amigos, experiencias e sei um pouco melhor o que me agarada e o que não…coragem e sempre veja esse tipo de mudança com bons olhos que vai da tudo certo, no final você vai se perguntar por que não a fez mais cedo.Sorte na escolha e força na peruca.

    Natalia Vianna

  14. Olá Carol,

    Sou nova nesse "mundo" dos blogs, mas estou curtindo bastante em saber que existem VÁRIAS mães com os mesmos medos e dúvidas que eu!
    Esse ano preciso colocar minha pequena na creche, mas vou esperar ela completar 01 aninho, e ficar com o quadro de vacinas completo.
    Lendo esse post seu me deu até medo só de pensar nesses anjinhos trancados numa sala com TV (tbm não gosto de Tv como acalma criança e por sorte a Yara, até então, nunca deu muita bola para a Tv). E isso fez com vc abrisse meus olhos para tentar buscar uma creche legal para minha filha.

    Espero que vc encontre uma e eu também.

    Abraços!

    filhadereiegata@blogspot.com.br

  15. Carolzitcha querida, como prometido, aqui estou! Seguintchy: passei exatamente pelo mesmo problema televisivo na primeira escola da Nina. Comecei a desconfiar que as professoras deixavam as crianças por tempo demais na TV. Comecei a fazer visitas surpresas na escola pra me certificar disso e constatei o fato: TV ligada a manhã inteira. Conversei com a professora, diretora, coordenaçao. Disseram que iriam se policiar. Deixei ali por mais 6 meses e nada de melhora. Caí neste seu dilema: trocar ou não a criança de escola.
    Olha, não foi fácil tomar essa decisão não. Pior: tava grávida de 8 meses da Alice, veja o estado emocional/racional da pessoa.
    Nina já tinha formado um vinculo tao bonitinho com os colegas de sala…e eu morria de dó (dela e de mim) de começar tudo de novo em uma nova escola.
    Doidinha da silva, me peguei a conversar com pessoas sobre o assunto. Até que um dia bati na porta da Taís Vinha, a Ombusmãe mais mais do planeta.
    Sabe o que ela me falou: Dani, a responsabilidade pela escolha da escola da Nina é tua e do Marcao. Não joga isso no colo da menina, ela não tem discernimento para decidir nada!
    Tapa na cara né!
    Decidi na hora.
    Mudei ela de escola.
    E Alice nasceu no primeiro dia de aula da Nina na escola nova. Olha que bonito!
    Hum…acho que na terceira semana já tava super "enturmada" com os colegas novos, sala nova, professora nova!
    Enfim, pintei um monstro muito maior do que era!
    Quer um conselho: muda! muda! quantas vezes quiser! se for para o bem do Luquitas, manda ver!
    Bj

  16. Carol querida, acho que todas nós passamos por essa fase – perceber que os pequenos precisam de mais – … particularmente nunca tinha ouvido falar em televisão na escola …
    Bom, ha exatamente 2 anos atrás me vi nessa mesma situação aqui em Londres … creche que é mais para gasto de energia do que um direcionamento de aprendizagem, foi então que conheci a metodologia montessoriana.
    Dá uma olhada nesse site da organização na argentina, vê se tem algo que te interessa e dá uma visitada … olhe com seus próprios olhos eu estou gostando muito dos progressos do JP.
    http://www.fundacionmontessori.org/
    beijocas
    Li
    londrescomfilhos.blogspot.com

  17. Puxa, deve ser difícil essa decisões ,as sou pedagoga e só pelo que vc esta falando axo que vc tem total razão em ir procurar outra escola para sei filhote!
    beijos
    máyra!

  18. Ai Carol,como Pedagoga acho que essa 2ª hora de sono poderia sim ser substituida por outra atividade.Seria legal vc conversar com as outras mães pra ver se ocorre a mesma coisa na casa delas,e propor que seja feita,por exemplo,uma contação de histórias(não leitura,CONTAÇÃO!),brincadeiras dirigidas e estimulantes,enfim.Junte mais gente e tente argumentar!

  19. Uma das características fundamentais na escolha da creche para a Bia foi isso: verde/natureza e ausência de tv.
    A Bia vai na creche publica, ela é enorme, MESMO. Tem 5 parques dentro da creche, de madeira, de pneu, parque normal, tudo! Muitas árvores. Tem tv em todas as salas e tem uma sala de tv. Porém, a sala de tv é usada duas ou três vezes na semana por 30 minutos, não achei demais, porque em casa ela não assiste. A Tv da sala só é usada de " apoio" tipo, choveu e miou o horário do parquinho, sabe? Então achei aceitável. As salas enormes e bem arejadas. Adorei esse ano que passou. Mas agora ela vai para " o outro lado" é o mesmo prédio, mas fica do outro lado, rs. É a parte das crianças maiorzinhas, não tem mais soneca, só tem " aulinha" e vamos ver como será né?

    Eu pensei em muda-la de creche, colocar em uma dessas " modernas" com pedagogias alternativas, mas quer saber? Na idade dela, comigo em cima sempre fazendo coisas diferentes, tanto faz tanto fez. Eu iria gastar mais, seria do outro lado da cidade e nem sei se ela ia gostar tanto! :p

    Enfim, torço para você encontrar a creche dentro do seu ideal! 😉

    Beijos

    http://www.parabeatriz.com

  20. Oi Carol! Vc está certíssima em procurar outras opções. Criança pra mim precisa de estímulo sempre. Quando escolhi a escolinha do Léo pensei nisso. E graças a Deus consegui um lugar com muito verde, muita terra, areia. Eles plantam, alimentam bichinhos (tem pato, ganso, galinha). Por lá quase nada de tecnologia, juro que não vejo a mínima necessidade disso na primeira infância.
    Boa sorte!

    1. Carol, me dá uma licencinha?

      Pamella, onde vc mora? Estou querendo muito trocar pra um lugar mais "natureba", com contato maior com bichos, mas tá difícil…. ou é caro ou é longe.

      Voltando a você Carol, pesquise e vá atrás de outro lugar sem medo. Judiar é deixar o melhor momento de aprendizado do seu filho passar sem você agir como acha correto. Vai ficar tudo bem, na torcida para que você encontre outra opção melhor!

  21. carol, está bem claro pelo seu descontentamento q é hr de mudar sim (e com razão). ñ tenha medo, com certeza será melhor pra vcs…

    minha filha só foi pra escola com 2 anos e meio, mas qdo fomos escolher a escola uma das coisas q eu reparei era essa questão do ar livre, contato com natureza…e tv na sala pra mim era algo inadmissivel!

    boa sorte na procura! q vc encontre uma escolinha nova bem boa e bem legal pro lucas!!!!

    bjs

  22. Oi, Carol!
    Sou pedagoga, especialista em educação para a infância, de 0 a 6 anos, trabalhei anos em um centro de ed. infantil muito bom e alguns dos comentários me deram comixoes.

    Olha, nao adianta você querer conversar com as prof, diretoras porque vc nao vai conseguir mudar a metodologia do lugar e elas vao marcar o seu filho. Maldade falar isso, ne. Mas eh verdade. Se esse tipo de coisa (tv e sono demais) acontece na escola eh com o consentimento da diretora. E se eh assim significa que elas nao tem a visão de que o momento em que estão com a crianca eh importante para o desenvolvimento cognitivo e motor DEle. Significa que a crianca nao eh o foco. Sendo assim, para mim eh perigoso deixar a crianca exposta a pessoas que nao tem como prioridade o bem-estar do seu filho. Nao da de controlar como e o que elas falam com ele e isso me assusta.

    Segundo que nao eh que seja possível ter projeto pedagógico nessa idade… Eh obrigatório que exista.
    A primeira infância (0 a 3 anos) eh a fase principal na construção da identidade da crianca e no desenvolvimento de habilidades. Vou dar um exemplo. Se a crianca tem 1 ano e ja esta habituada a se lambuzar em tinta, argila, água, gelatina e outros materiais, com 4, ou 5 anos ela nao vai ter nojo de mexer na terra, de pegar minhocas, de pesquisar e descobrir o mundo a sua volta. As experiências nessa fase devem ser as mais variadas e estimulantes possíveis, para possibilitar que seu filho faca uma grande quantidade de sinopses no cérebro e o prepare para um aprendizado mais rápido e eficiente.

    Nao se sinta culpada por ele freqüentar uma instituição, tenha orgulho. As profissionais que lá estão, pelo menos deveriam, estar preparadas a oferecer a ele o que você nao pode oferecer em casa. O desenvolvimento social com criancas e adultos que nao sao sua familia e experiências ricas de aprendizado. Eh melhor do que deixar com uma baba que nao tem formação pedagógica e nao pode oferecer o que a instituição pode.

    Eh difícil mesmo escolher o melhor lugar. Minhas sugestões eh que vc questione quando visitar sobre o projeto pedagógico da escola, o que pretendem. Se eles mostrarem uma montanha de papeis riscados, esquece, papel nao ensina nada a crianca pequena. Eles devem falar de experiências, de água, de terra, de arvores, de historias, de música, de projetos de pesquisa, de brincadeiras em grupo, de espaços individuais, de cuidar e educar simultaneamente, de respeito a crianca, de afeto…. Suspeite dessas que oferecem bale, judo, inglesa alemão… Isso eh balela pra encher os olhos dos pais. As experiências que eles precisam as próprias professoras podem oferecer. Inglês pode esperar ate os 6 anos.

    Se tiver qualquer duvida ou quiser conversar pode me escrever no fernandamattiola@gmail.com
    Escrevo o vivernasuecia@blogspot.com

    Beijos e boa sorte.

    1. Muito bom Fernanda! Concordo com tudo. Me formei em Educacao Infantil aqui nos Estados Unidos e e exatamente isso mesmo. Tambem estou com duvidas em relacao as atividades da minha filha. Ela tem 14 meses. As cuidadoras do bercario eram maravilhosas,mas agora que ela mudou de sala acho que esta deixando a desejar em termos de curriculo. Vou conversar com a diretora essa semana!Um abraco!

  23. Carol, eu passei por uma situação super chata pq coloquei minha filha num dos berçários mais bacanas de SP e 2 semanas depois q ela estava lá, houve um acidente fatal com um menino de uma turma maior. Imagina o desespero? Chorei, me descabelei, mas no fim acabei seguindo minha intuição e a deixando lá. Foi uma fatalidade horrível, mas gostei da forma que a escola conduziu as coisas até agora e minha filha está muito bem lá, super adaptada, sorridente quando entra e sai, feliz mesmo. E o coração de mãe é o que conta né?
    Claro que estou de olho, quero ver o que a escola vai mudar em termos de segurança, mas por enquanto estou feliz assim.
    Não curto o esquema de babá, acho que acabam não estimulando as crianças o suficiente,faz falta interação com outras crianças, com outras pessoas… Então é fora de cogitação pra mim. Não é fácil mesmo encontrar o lugar ideal.
    Concordo com você que tv é um absurdo e acho que tem que fazer o que te fizer sentir melhor e o que você achar que é melhor pro seu filho.
    Tati

  24. Oi Carol,
    Sua preocupação é a mesma de muitas mães. Eu mudei de cidade ano passado e a mudança de escola foi a parte mais difícil. Minha filha estudava numa escola que eu amava e aqui não tínhamos muitas opções. Decidi colocá-la numa escola Waldorf. Lá ela tem contato com água, terra, sol e tem aulas de música, culinária, horta, dança. Não estou 100% satisfeita mas é o melhor que tem por aqui. Nem me passou pela cabeça colocá-la nas outras escolas da região (com tv, dvd´s, apostilas, pouco espaço aberto, etc.).
    Beijos

  25. Oi Carol! Eu nunca comento aqui embora sempre leio TODOS os posts, mas este em particular me chamou atenção. Lá pelas tantas você diz que pode não haver projeto pedagógico para crianças de 1 ano e meio. Me lembrei da minha sobrinha, que com essa idade já estava no Day Care (nada mais que creche dentro da casa da cuidadora), e o que meu irmão sempre falava era o quanto ela era estimulada tanto pelos amiguinhos (mais velhos e também mais novos) e pela cuidadora, que botava ela para pintar, brincar de ler, mesmo quando nem sabia falar direito. A minha sobrinha vive nos EUA, então meu irmão e a esposa tiveram os mesmos questionamentos que o seu (é phoda criar um filho num país com hábitos tão diferentes dos quais crescemos aprendendo!). No fim das contas essa é a fase que a criança tem que ser estimulada e muito! Agora, com 2 anos e meio, ela brinca de ler, não duvido nada que com 3 já esteja lendo, e desenha bem, sabe contar até 20 em português e inglês! Confia na sua intuição, criança tem que ser estimulada! 🙂

  26. Olá, Carol.
    Vou falar como mãe e professora.
    deixar um filho na creche é mesmo muito dífícil, eu sofri muito com o meu beb~e, meso trabalhando na mesma unidade que ele ficava.
    Mas, quando a necessidade fala mais alto, somos obrigadas a relevarmuita coisa. No entanto pude perceber que a estrutura das creches aí e bem diferente das daqui.
    Não podemos ter Tv nas salas, elas são apoio sim, ou seja usadas ocasionalmente, 1 vez por semana ou a cadaa 15 dias. Outra coisa na creche que eu trabalhei, mesmo com as crianças de berçário era possível e obrigatório desenvolver atividades pedagógicas com as crianças, mesmo as do berçário. No meu ver soneca é uma só por dia.
    Boa sorte.
    Bjoks

  27. Carol eu amo a escola das crianças, meu caçula tem a mesma idade que o seu e é bem diferente. Tem sala de musicalização, sala de psicomotrocidade, sala de culinaria com a mesa e pia baixinhas adaptada para eles (uma fofura), sala de leitura, alem de que um dia é o dia do brinquedo preferido, no calor inventam banhos de mangueira, ou seja existem mtas formas sim de uma criança pequena ser estimulada e acho que a creche do seu filho esta mesmo pecando nisso. Mudanças geram mesmo essa insegurança, mas se tem uma coisa que aprendi com a maternidade: é que coração e intuição de mãe raramente falha! Bjos e boa sorte!

  28. Carol, eu te entendo! Passei por algo assim agora. Sempre amei e confiei na escola da Olívia! Não tem televisão nas salas e realmente é tudo feito da melhor maneira possível. MAS, nao tinha natureza, contato com grama, bichos e etc. Não tinha espaço!! Nada de espaço! Somente um campinho de futebol coberto que servia de brinquedoteca e o parquinho descoberto que era montado em cima de um deck. Mas o principal: era muito, muito, muito pequena. Tudo minúsculo. E de repente me veio a cabeça que minha filha ficando doente e entrando no antibiotico de 15 em 15 dias, podia ter a ver com o fato da escola ser pequena demais sabe? Tudo muito fechado, as bactérias enclausuradas e por aí vai.
    Munida de coragem e de muitas lágrimas, fui visitar outras escolas. Dessa vez, não fui só atrás da melhor pedagogia. Dessa vez fui atrás de espaço, de grama, de areia, de parquinho, de árvores sabe? Espaço pra correr, brincar e não ficar enclausurada numa casa adaptada pra escola.
    Encontrei viu?
    Gostei MUITO da escola que escolhi, que a meu ver, tem tudo a seu favor! E sem televisão na sala de aula.
    As aulas ainda nõa começaram, mas já estou preparada para as doencinhas ( que acabaram comigo e com Olívia em 2012) e para a nova adaptaçao, que não deve ser fácil. Mas estou preparada para 1 gripe por mes sabe? Não antibiotico de 15 em 15 dias! Juro, estava demais!
    E estou preparada pra mais de 1 mes de chororo na hora de ir pra escola! hehe
    Que deus nos ajude!

  29. Carol, não sei se você conhece a pedagogia Waldorf, seria bem legal estudar um pouquinho a respeito, (http://www.sab.org.br/antrop/) nesse site você encontra todas as informaçôes sobre a antroposofia , que é a filosofia usada dentro dessa pedagogia.Meu filho tem 1 ano e meio, ainda não vai a escolinha, mas faço parte de uma associação, estamos montando uma escola waldorf em minha cidade, que hoje só possui um jardim de infancia, faço parte do grupo de estudos dentro desse jardim, e devo te contar da maravilha que é essa pedagogia, o lema é criança não aprende por instruução até os 7 anos, e até lá, elas aprendem brincando e sempre em contato com a natureza,alias, existem muitos maleficios para a criança o contato diario com tv e até mesmo com ensino por instrução nessa idade, é muito bonito e acessivel, nada de ideologias impossiveis de serem alcançadas no corre dos nossos dias. Vale a pena procurar por ai, inclusive aqui no Brasil a filosofia está engatinhando.
    Se você quiser mais informações e dicas de leitura, blogs e afins sobre me manda um email, ficarei super feliz em ajudar.
    fabi_drosophila@hotmail.com

    beijos

  30. aqui na minha pequena cidd tem um acreche maravilhosa,com uma filosofia como a Augusta citou…mas não foi facil,pois o nosso medomãe,nos deixa arredia,pois é uma judiação,deixar a criança dormir e só assistir!!
    Isso mesmo,vá em busca de outra!
    e adorei conhecer…vc é Lucas!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *