Nossa gente, muito obrigada pelo carinho com relação ao concurso, viu? Fiquei emocionada!! Ainda não sei quando faremos a viagem, muito provável que seja em outubro, mas temos um ano pra curtir o prêmio, então tudo ok, sem pressa. O pessoal da Limetree é muito corretinho e já entrou em contato pra acertar os detalhes, fiquei feliz! Mas, Lucão ainda não tem visto pros EUA, nem passaporte, então primeiramente estamos correndo atrás disso. Ontem mesmo fui fazer o trâmite do passaporte com ele e foi divertido: ele tirou foto e registrou as impressões digitais! E Maridón ainda por cima perguntou: “ué e ele já tem digitais naqueles dedinhos tão pequenos?”. Claro que tem, Maridón! Acho que desde a barriga os babies já tem.

Por outro lado, estou correndo atrás de dicas pra fazer uma viagem bem legal com o bebê. Embora já tenha ido oitocentas vezes pro Rio com ele, acho que não conta, sempre ficamos com a família e não temos coisas turísticas pra fazer. A única viagem que fizemos mesmo foi pra São Paulo, mas foi mega curtinho e não teve turistância. Então tô devorando dicas, tô morrendo de medo de passar 13 horas dentro dum avião com o baby, tentando planejar nossa estadia lá de forma a fazer coisas legais pra ele e pra gente também. Enfim. Mas tudo na curtição, afinal, ganhamos a viagem!

Chegamos a cogitar ir sem o Lucas. São muitas horas de vôo e não estava segura que NY teria tanta diversão pra uma criança tão pequena. Maaaas, acabou que ficou sem sentido, ele é o motivo de tudo isso, nada mais justo que levá-lo junto. Vamos fazer ficar divertido pra ele e pra gente também, somos uma família, ué, tamos juntos nessa, basta saber planejar as coisas. Fora que Lucas ainda mama e de jeito nenhum que eu iria desmamar só pra poder viajar. EU HEIN. Depois de tanta luta, não teria sentido algum pra mim.

Enfim, tamos animados! E muito felizes!

***

E falando sobre se separar do baby, embora eu ainda não tope viajar sem ele, já tenho começado a achar bom fazer programações só de casal. Desde que ele nasceu, só saímos uma vez Pedro e eu, sem filho. Das outras vezes ou fui sozinha (ou Pedro sozinho) ou simplesmente não fomos. Ou checávamos se era baby-friendly e levávamos, mas sempre com a possibilidade de algo dar errado (aka baby enchendo o saco) e termos que ir embora mais cedo.

Mas, na sexta passada, tínhamos um jantar de casamento de uma amiga e eu fazia questão de ir. E não só ir: eu queria ir direitinho, no modo ADULTA, com meu marido ao lado, como manda o figurino.

Pois bem. Pedi pra mocinha que limpa minha casa fazer uma hora extra e ficar com Lucão pra eu poder sair. Ela topou e eu me animei! Noite de adultos, olha que inédito!

Chegado o dia, organizei tudo, separei mamadeiras com leite ordenhado, telefones de urgência pra mocinha ligar caso necessário, conversei com o filhote e avisei do que ia acontecer, toda a prosopopéia que tinha pra fazer, eu fiz. Até avisei pro meu pai no Brasil por via das dúvidas (não sei pra quê, mas avisei, ué, deixa eu).

Animada de poder sair sem bolsa gigante cheia de trecos pra imprevistos, de ser uma pessoa free de manchas de comida na roupa, de não ter que pensa se fulaninho já comeu, já dormiu ou já cagou, sijoguei. Simaquilei, siarrumei, simontei. Saí toda prosa de côncavo marcado, lábios vermelhos e salto lá no alto. (Julia Petit, fica a menção especial pra você, minhamusa da maquilagi e do cabelo arrumadinho)

Cheguei na festcheeenha mais tarde que todo mundo “bebê demorou pra dormir, desculpe!”, socializei, beberiquei meu vinhozinho, ri ha-ha-ha, toda adulta cheia dos assuntos interessantes do mundo não-baby.

Essa era eu.

Até que.

As três taças de vinho começaram a parecer três dúzias, fiquei logo bêuba e ridiculamente mãe. Comecei a mostrar fotos do meu filho no celular pras pessoas. A contar causos do menino que anda, do peito que vaza, do cocô que enche a fralda. Bateu um sono louco, me deu vontade de chorar de cansaço, o salto machucou o pé, tive saudade, quis ir pra casa abraçar meu filho e dizer que o amo (eu fiquei bêbada, lembra? E os bêbados são assim, eles amam). Tava tão erradinha que achei que podia dirigir pra casa (mas não conseguia nem andar em linha reta), Maridón sóbrio que tava achou melhor não e me levou em segurança pra casa. E só pra constar: fomos os últimos a chegar e os primeiros a sair da festcha: “a babá precisa ir embora, desculpe!”.

Cheguei em casa e dormi de babar até às 5h, quando filhote acordou, mamou seu leite meio temperado a vinho tinto e dormiu na cama com a gente atééé às 9h30 da manhã (e eu comemorando: “NOVE E MEIA, DORMI PACAS!” – 9h30 is the new 12h30, só digo isso).

Conclusão? Foi ótimo fazer um programinha de adulto.

Mas. Eu definitivamente sou mãe e num tem força que me faça largar esse papel.

(e nem quero, né?)

24 respostas em “Da mãe que não sai de mim

  1. kkkkkk dorei Carol. eu tb sou assim, eh rarissimo sairmos e qdo conseguimos essa chance tb fico louca de saudades do meu baby e nao vejo a hora de voltar pra ksa. Nossa ultima saida foi sexta passada, e pela primeira vez meu filhote dormiu fora de ksa longe da mamy dele. Nossa, quasemorri hehe, pensei em desistir de sair, falei o dia todo pro marido q o Gabriel (baby) nao ia se adaptar, q iamos ter q levantar na madruga pra busca-lo… pirei!!!
    mas eh normal ne? afinal de contas a gente eh mae neh kkk
    bjjsssss

  2. Eu discordo (mas com todo respeito). Sou mãe e adoro, mas sou eu também, sou esposa. Preciso das minhas sextas-feiras com ele na creche para ir à manicure, ir ao cinema sozinha, ler um livro. Preciso de tempo sozinha com o marido. Para sair, jantar, beber e falar de outra coisa que não seja filho. Só assim eu consigo ser mãe. Passei quase cinco dias longe dele (deixamos na sogra para uma viagem rápida) e foi a melhor coisa que fizemos pelo nosso relacionamento.
    Um beijo para você

  3. hahahahahaha

    adorei, adorei, adorei, adorei!!!!

    Carol, como me vi em vc… hahahahaha eu saio de vez em quando sozinha (leia-se uma vez por semestre, quando deixo Laura com a minha mãe para poder sair com o marido), mas eu me sinto tão estranha, tão estranha, tão estranha… eu vou, eu rio, eu bebo. e bebo mais, até fazer igual a você: voltar pra casa toda trabalhada na saudade, agarrar o bebê e dormir muito. muito.
    quando eu durmo sem ela (quando consigo, foram duas vezes), eu não durmo direito, só penso nela, acordo louca de vontade de vê-la, não tomo café da manhã… fico creizi.

  4. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Carol, tô rindo tanto, mas tanto, tanto…é que rola a identificação, aí já viu, né? É hilário e mei triste.

    Tu acredita que em 11 longos anos de casada, saí de casa feito adulta com marido (diga-se) somente umas 4 vezes. Num é de cair os butiá da bunda? Sei lá …

    Beijo pra vc.

  5. Eu não só saio e viajo sem filhos, mas tambem o faço sem marido,
    mas ó não abro mão mesmo do meu momento a dois com meu hubby e pelo menos 1 vez por semana (ou agora a cada 15 dias) tem q rolar um cinema, um jantar, um teatro, pra namorar…

    O primeiro passo foi dado, quando vc pegar o gostinho vc vai ver que dá pra ser os dois…e as vezes é até saudável que se esqueça um pouco do papel de mãe…pelo menos eu acho, né?

    beijo

  6. Entrei aqui a semana toda para agradecer e muito sua força. Minha saga da amamentação continua e sigo o seu conselho: vai passar! Até lá, muita paciência para corrigir a pega quando Arthur erra e alguma Novalgina para segurar o tranco nos dias mais doloridos. Mas meu filhote, maroto que só, continua acoplado à mama da mama e tudo fica mais complicado, sobretudo digitar com uma das mãos apenas.
    Daí, eu queria comentar seu post sobre a patrulha internética dos bons modos e costumes, mas Arthur chorou. Depois, quis comentar que estava torcendo por você no concurso, mas Arthur quis mamar. Então você ganhou o concurso e eu fiquei feliz, mas Arthur chorou a madrugada toda e eu desmaiei quando ele dormiu. Enfim, só para dizer parabéns, obrigada e boa viagem!
    =)
    Sobre a chupeta: aqui em casa também seria uma boa ter a opção da chupeta, mas desde que publiquei o post, parece que a chupeta se transformou de bico de silicone em bico de cocô, porque Arthur faz careta e cospe longe, com direito a ânsia de vômito e tudo. Sofro, porque por mais que ficasse culpada, a chupeta salvava umas horinhas do meu dia, né?
    Paciência. Mãe é bicho doido que se culpa, se dói e se martiriza por tudo.
    Beijos

  7. Carolllllllllllll
    fiquei tão, mas tão feliz em ver que vc ganhou a viagem…uhu. Eu votei no su texto, lógico, e fiquei felizona de ver que seu post foi o melhor do mundo o/
    Sobre ter uma noite a dois, a muito tempo não sei o que é isso. Se bem que quando Bryan tinha 6 meses, deixei ele com minha mãe para poder ir ao baile de formatura, e nossa, como chorei. Bebi todas tmb, acabamos tendo que dormir na casa da minha sogra, mas foi tão bom namorar, e sair como nos velhos tempos. Depois disso, só tive duas vezes de luxo para ir ao cinema (na pré estreia de jogos vorazes e quando fui ver escondida Harry potter e falei pra minha mãe que ia fazer compras hahhaha)
    O problema é que pra ficar com o Bryan só tem minha mãe, e ela não curte muito, então o que a gente faz é evitar ao máximo. Agora estou aproveitando minha liberdade provisória de 6 meses, antes do baby n°2 nascer, pois sei que depois será difícil sair a dois, e deixar 2 filhos por aí hahhaah
    Por mais que eu me sinta culpada das vezes que sai sozinha com o Bruno, sei que Bryan sempre fica na boa com a minha mãe, e é muito bem cuidado.
    Mãe é mãe e sempre vai ter uma pontinha menor que seja de culpa.
    bjs

  8. Hauhauhauahuahua…..
    Adorei Carol! Das duas vezes que sai na vida pós mãe foi exatamente assim, me arrumei e sai toda proza, pronta pra conversar assuntos "normais"….
    Até tirei a correntinha com pingente de menininho que tenho (será que é pecado?? Foi minha mãe que deu a ideia)… pra quem sabe dar uns beijos, calmaa sou solteira e não adultera! haha
    Beijocas

  9. Oi Carol! Sou leitora do seu blog mas nunca comentei, mas vim aqui p te dar os parabens!! Ano passado fui com a minha filha, na epoca com 1 ano e 3 meses p/ NY e foi otimo! Se vc quiser algumas dicas, meu email eh aline_kw@hotmail.com! Nao deixe de ir no Children's Museum, foi o melhor passeio! beijus!

  10. Carol… primeiro de tudo parabens!! O seu texto mereceu o premio…

    Quanto a sua viagem, leve o Lucas sim, lá tem tanto o que fazer com babies… nós fomos quando minha filha tinha 1 ano, e foi otimo… claro que a gente nao foi pra NY badalada da noite (por sorte ja tinhamos feito isto anos antes) entao aproveitamos muito do dia, e quando a baby tirava a sonequinha dela durante o dia (na epoca ainda dormia 2x por dia por 1h30 cada vez), aproveitamos pra ir em museus, lugares menos interessantes para ela, mas olha em cada esquina tem um parquinho bonitinho pra eles se acabarem, tem muita comida boa e saudavel tb, o Bryant Park é tao lindo e fofo, além de ser super inn pros adultos tem um cantinho fofo com livros, cadeirinhas pros pimpolhos… em nenhum segundo a viagem deixou de ser boa pela cia da baby!!

    Bjos e boa viagem!!
    Vivian Tasca

  11. Carol acho que mãe se identifica com mãe… Eu saí uma única vez com o marido sem a pequena e parecia que eu tinha esquecido meu sutia em casa… faltava algo… Sei lá…
    Mas pelo menos agora vc tem história para contar…

    Bjossssssss
    Carol

  12. Carol, chorei de rir com o teu post. Pelo visto Luquinhas super curtiu o vinho tinto né? hehehehe.
    Como já disse em outro comentário, ainda não sou mãe, mas todas as vezes que leio o seu post, me vejo assim eu um futuro próximo, acho que seria uma mãe bem carinhosa, mas meio maluquete também (como vc, no bom sentido claro). Leva o menino pra passear, acho que a pior parte será o voo, mas como tudo na vida passa, isso vai passar também ou voar, e lá em NYC será só diversão.
    Beijos!

  13. Carol levaaaaa o Lucas pra NY sim! Por experiência própria (como mãe e como uma pessoa que viajou para os eua todo ano e a primeira vez foi aos 3 meses) seu filho vai amar! Crianças são curiosas e com esta idade pequeninho qualquer coisa vai divertir ele… Andar de carruagem no central park, fontes de água, as luzes da times square, entrar na toys r us, ver um mundaréu de gente diferente, andar de metro, ver um show, ir na loja da apple que parece um cubo, enfim, mil coisinhas. Criança quando viaja fica mais esperta, parece que se desenvolve mais. É muito legal viajar com filhos!!
    Se possível viaje a noite e leve dvd portátil, ipad, brinquedinhos conhecidos e um brinquedo novo, livrinhos. Se possível fique em um hotel com cozinha, pq mesmo que você não vá cozinhar, é bom ter um microondas para esquentar uma papinha e um lugar decente para descascar uma laranja. Eu sempre fico nos da rede marriot residence inn. Nos estados unidos vendem umas comidinhas ótimas para bebê: pene, ravioli, vegetais, carne já picadinha, etc. Apesar de que eu sempre cozinho uma carninha fresca e um arroz e feijão no hotel pra a minha filha. Lá tem também babadores descartáveis, funciona super bem, é barato e facilita muito. Apesar de que no residence inn também tem máquina de lavar e secar no quarto.
    Você compra tudo no site da toys r us e manda entregar no hotel. Ah só de escrever aqui me deu uma vontade de viajar outra vez com a minha pequenina!

  14. hahahahaha Aqui nunca teve noitaaaada sem a Bia, mas desde que ela tem uns 5 meses, nós saímos sem ela. cineminha, jantar, casas de amigos, almoço… coisinhas pequenas, mas dá pra curtir bastante!

    Sobre a viagem, em março fomos com a pequenota, era uma viagem de adulto, mas com ela junto. Foi low profile, se quiser, te mando umas dicas depois!
    beijoca

  15. Carol voltei, uma coisa que ajuda muito as crianças curtirem o lugar para onde elas irão é mostrar sempre e super mega hiper empolgada imagens, filmes, estátuas, enfim qualquer coisa que mostre um pouco da cidade ou das atrações do destino. Assim quando a criança chegar lá ela já vai saber que a cidade é legal, os monumentos são legais e a mamãe gosta.
    Coisa do tipo: Óóóólha filho! Uma foto da estátua da liberdade! Que lindaaaaaa! Maravilhosa, adorei! A mamãe quer ver. Fica brincando com esta foto tá.. Etc.. Etc.. Ai quando ele ver a estátua pessoalmente, ele vai pirar pq vc já ensinou pra ele que é legal gostar da estátua…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *