Sempre me ressenti de não ter nenhum tipo de talento. Tá, escrevo coisa ou outra que ficam até bonitinhas, era boa aluna (talento pra pensar serve?), mas eu queria mesmo era ter talento de djivah, queria subir num palco e abrir a boca e cantar e emocionar.

Obviamente, quem me conhece sabe: só nascendo de novo, amiga. Sou tão desafinada e não tenho ritmo e sempre atravesso as canções (oi, eu realmente falei canções?), mesmo se estiver só batendo palmas.

A única pessoa que me curte cantando e performando ainda não sabe falar, porque, quando souber, certamente me dirá “cala a boca e para com isso, pelamordedeus”. Lucas, no caso.

***

Pra meu desgosto profundo (na época), minha irmã era toda talentosinha. Fazia teatro, balé e, quando cantava, o fazia de um jeito todo afinadinho, toda bonitinha.

Ela era dessas pessoas que, quando sobe no palco se ilumina, sabe? Ou pelo menos me iluminava.

O mais curioso era que ela se ressentia de não escrever bem e de não ser inteligentinha (como eu).

***

Irmãos, né. A coisa funciona assim. A gente odeia e a gente ama.

***

Então hoje, no dia em que ela completaria 22 aninhos se ainda estivesse entre nós, eu fico imaginando coisinhas. A cena ideal é assim: pego meu banquinho e meu violão e sento na frente dela. Ela se contorce de vergonha e me pergunta se isso é mesmo necessário. É, Fernanda, é necessário. Eu começo a tocar, ela reconhece a música e cantamos as duas juntas, meio envergonhadas, meio abobalhadas – como só nós duas sabemos ser. A gente se reveza, eu faço a primeira voz, depois ela faz. Nosso encontro é, como sempre, muito bom.

Eu nunca desafino, ela nunca se sente burra.

Eu nunca me sinto sozinha, ela nunca morre.

***

I know this love of mine
Will never die
And I love her

47 respostas em “And I love her

  1. Emocionante Carol!

    Não tenho palavras para comentar, pois seu texto já transmite tudo e este é seu maior talento. Colocar em palavras a dor, a alegria, a satisfação de uma forma sincera e real….

    Sinta-se muito abraçada! Juliana

  2. Oi Carol! Não li esse post que vc escreveu ainda, agora são 07:44 da manhã e enquanto atendo meu baby que dorme li alguns posts seus, uns de bem antigamente, quando o seu bebê ainda estava completando um mês e pelo que percebi nos últimos posts ele ainda continua agitadinho, então apesar de não ter nada haver comentar aqui, resolvi fazer isto para ter a garantia que vc iria ver este comentário, é o seguinte, do jeito que vc descreve a agitação do seu filhote dá a impressão as vezes que ele tem refluxo, mas o refluxo oculto, aquele que não dá sinais externos mais judia do seu bebê e faz com que ele não durma direito e passe o dia agitado, sem que nós pais consigamos perceber que ele está na verdade sofrendo. Não precisa aceitar este comentário, eu só gostaria que vc lesse na net sobre o assunto. Na minha página tem uns links. Abraços. Simone

  3. Não preciso repetir o que as meninas disseram, só me resta concordar com o que elas. Seu talento é emocionar pessoas que não te conhecem e nunca te viram, mas que sentem um carinho muito especial por você, pessoas como eu. Que chegam no tabalho às 7h e a primeira coisa que faz é ver se a 'Carol' já postou alguma coisa.
    Hoje só tenho que dizer… Se precisar estou aqui, do outro lado da tela.
    Hoje não tem beijo, só um abraço bem apertado!

  4. Carol,

    Já disse antes e digo novamente, foi um post como esse ha um tempo atrás que me fez rever meus conceitos. Foi por SUA causa que eu voltei a falar com a minha irmã.

    Obrigado

  5. Linda homenagem para sua irmã, Carol! E você me fez lembrar do amor que sinto pela minha, do quanto estamos distantes (fisicamente) e que o telefone tá ali do lado…vou ligar para ela!
    Beijos,
    Nine

  6. Frequento esse blog já faz um tempinho e acompanho sua história intensa, um mix de felicidades estonteantes e tristezas profundas. Como essa…
    Por isso, nesse momento de dor profunda, receba meu abraço e abrace mais forte ainda seu pequeno que te dará toda a força necessária para passar esse dia.

    Beijão.

  7. Carol, incrível esse seu talento de nos EMOCIONAR! Chorei.. chorei..
    Também entro no blog todos os dias quando chego no trabalho só pra ver se vc postou alguma coisinha.. rs.
    Força lindona.. um grande abraço pra você!

  8. Sério? Vc acha que não tem talento e que escrever não é um? Sei..
    A diferença de quem escreve bem pra quem não escreve é a capacidade do texto emocionar alguém: não a conheço, muito menos a sua irmã, mas da forma como vc escreveu, vcs duas se tornaram muito reais e lamentei a morte dela como se ela fosse uma grande colega. Parabéns por conseguir ter passado isto neste texto.

  9. Se talento pra escrever e transmitir exatamente os sentimentos mais profundos do momento é incrível! Vc sabe usar as palavras certas nos momentos certos, fazendo a gente ora se emocionar, ora cair na gargalhada…
    Queria ter um talento assim…
    Bjos

  10. Carol,
    Faz um tempão que leio teu blog e sempre admirei teu bom humor e singularidade pra expressar os sentimentos e fazer a gente se identificar como se te conhecesse.
    Acompanho tuas aventuras e do Lucas quase diariamente, durante quase toda minha gestação. Quando tô no desespero de achar alguma resposta pras 500 questões que tenho em relação ao meu filhote, dou uma pesquisadinha nos teus posts.
    Anyway… Entendo bem teu sentimento no dia de hoje. O Victor estava previsto para nascer 3 dias antes do "aniversário" de falecimento (e lá alguém faria festa por esse motivo??) do meu pai. Apressadinho, decidiu vir quase 2 semanas antes, mas ainda no mês que eu mais detestava no ano: Outubro.
    Senti bastante saudade dele durante o mês todo, mas principalmente de poder apresentar o vô ao neto e vice-versa. Já não é mais aquela falta dolorida, apenas a vontade de se estar junto, dividindo um momento especial, como tu e a canção com tua irmã.
    Por isso fica meu abraço apertado pra ti e o meu desejo de paz e descanso pra ela, que é basicamente o melhor que se pode querer numa situação dessas, né?
    Bianca

  11. Carol..

    Sempre te acompanho..primeira vez que escrevo.
    Com o seu dom de escrever você alcança novos horizontes..Alcança novos corações…como alcançou o meu.
    Como mesmo que sem saber me incentivou a entrar no mundo da maternidade(ainda sou tentante)
    Tenho certeza que sua irmã sente orgulho de você..aonde quer que ela esteja.
    Obrigada por me ajudar..
    Beijos
    Evelyn

  12. Descobri seu blog ontem, por acaso. Sou uma mamis de 1ª viagem também… estou com quase 7 meses e tal. E sério, super me identifiquei com vc! Chocante como concordo com suas palavras e pensamentos, e estou lendo TODOS os post do seu blog (aos poucos claro, porque né… tem muitos!), dá vontade de comentar tudoooooooooooooooo que vc escreve no blog, cada postzinho! Mas como a maioria das leitoras/visitantes acabo deixando pra depois, e ainda não tinha comentado. Até esse post sobre sua irmã. Fiquei emocionada demais, muito mesmo! E além de te elogiar pelo blog, pelos posts, pelos pensamentos modernos e tão parecidos como os meus, não poderia deixar de… enfim, dar os pêsames ou algo do gênero… Não sou boa em dar condolências e tal, mas receba este comentário com todo carinho. Um abraço, e novamente parabéns pelo blog, e por esse TALENTOOOOOO (sim, talento) que vc tem. Beijos, Addy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *