Gentes lindas do meu corazón!

Tudo bem com vocês?

Tô meio forinha da blogosfera ultimamente, perdón. É que teve o causo do sono do Luqui-luqui e, depois que eu joguei a toalha, teve o causo da creche.

Pois é gentem, creche. Dor aguda no meu coração materno. Mas decidimos mesmo pela creche e não babá, mesmo com as doencinhas e o risco de contaminação de leite (oi, APLV!). Creio que, das decisões que já tive que tomar nessa maternidade, essa é uma das mais complexas e subjetivas: tenho certeza que todo mundo terá argumentos contra e a favor – eu mesma os tenho!

O esquema aqui será assim: eu volto a trabalhar no começo de novembro, quando Lucas terá 6 meses. Tirei essa licença bem longa porque queria manter a amamentação exclusiva (me custou 3 meses sem ganhar NADICA DE NADA e viver contando moedinha). Não tenho como deixar de trabalhar, visto que meu salário é responsável por 70% das nossas contas. E, olha, sinceramente? Eu gosto de trabalhar, não me vejo como mãe em casa. Não tenho talento, não gosto. Preciso sair, ver outras pessoas, ter reuniões, cafézinho com os culega, papo de corredor. Esse tempo em casa tem sido primordial, mas acho que tá bom.

Mas, voltando: começo de novembro volto à labuta. Das creches que eu gostei, nenhuminha tinha vaga pra esse mês, só pro meio de dezembro, quando o ano letivo acaba (e começam os esquemas de férias). Fiquei preocupadíssima e passamos um tempo queimando neurônios pensando no que fazer nesse mês e meio que eu estarei trabalhando e Luquitchous sem creche pra ir. Daí decidimos pedir pra nossa empregada ajudar, estendemos o horário dela (e o salário também, lógeco) e definimos que, durante este período, a prioridade dela será o bebê. Se der, ela faz as coisas em casa.

Eu sei que é bem capaz dela acabar não arrumando nada em casa, mas já estamos nos preparando pra atuar mais nas tarefas do lar, assim isso aqui não vira um pardieiro. E também, acho que será bom pra Luqui e eu, já que manteremos a amamentação mais um pouco. Eu trabalho a 3 quadras de casa e posso vir das as peitchas em quase todos os horários dele (pelo meus cálculos, ficaria só um de fora, daí ele toma LM na mamadeira mesmo, tudo certo). Além do fato deu estar perto e poder ficar controlando a situação Lucas-empregada. Também acompanharei a introdução das primeiras comidinhas, o que é ótimo. E por último, poderemos fazer uma adaptação bem gradual, quando chegarmos em dezembro, no momento da creche, com sorte ele já estará mais habituado à minha ausência, à mamadeirinha, às comidas, aos cuidados alheios etc.

Claro que passou pela nossa cabeça não botar em creche coisa nenhuma e manter o esqueminha dele em casa e eu tão perto, mesmo trabalhando. Sei que um bebê tão novinho não precisa de proposta pedagógica, nem conviver com outras crianças. Mas meus motivos pela creche são pessoais e intransferíveis, nem tá aberto a discussão isso. Basicamente, só pra matar uma possível curiosidade de vocês: EU NÃO CONFIO E NÃO GOSTO. Não curto ter gente em casa, odeio ter empregada (mas claro que adoro não ter que faxinar a casa), me sinto totalmente invadida, não sei lidar. Além disso, não acho que a mais linda e bela babá terá tanta estrutura quanto a creche super legal que eu escolhi. Sabe quando seu coração implora pra não fazer algo? Então, o meu implora pra não deixar o pequeno em casa com babá. E pronto, é isso.

Ah e sobre a escolha da creche: já está feita. Eu visitei 457 locais, fiz 93228 perguntas, acessei 203872 sites diferentes, pedi opiniões pras momis daqui, peguei referências, discuti o tema com Maridón à exaustão. Escolhi finalistas e ele visitou comigo, deu sua opinião. Deixamos o coração falar, ajustamos o orçamento (é logéco que a creche é mais cara que o curso de pós-graduação que eu tava pesquisando pra mim), decidimos. Dos pontos positivos que vimos na nossa escolhida, estão: ultra higiene (não pode entrar na sala dos bebês, só as cuidadoras e com pantufas especiais), planos de segurança e evacuação muito bem definidos, proposta pedagógica de muita brincadeira, muito chão (por isso precisa estar limpinho), muito contato, câmeras em todas as salas que podem ser acessadas pelos pais via internet. E, o mais importante: sentimos que aquele era o local. Imaginamos nosso filho bem feliz ali.

Hoje tô indo lá fazer a matrícula e tô toda TEMÇA, parece que EU vou voltar a frequentar o colégio, ai bobeira. Não canso de imaginar meu pitico todo importante indo pra creche! Já fiquei pensando em mochilinha, materiais, agenda com os comentários sobre o dia dele, chega tô ansiosinha pra começar logo!

Mas aí lembro que isso tudo vai acontecer sem eu estar por perto, então relaxo e me lembro que ele é tão lindinho e pequeno e cabe no meu colo, daí aproveito pra curtir o tempo que nos resta tão grudadinhos.
.
.

34 respostas em “Sobre creche

  1. Realmente decisão muuuuito difícil! Eu acabei deixando o trabalho para ficar com o filhote. Nada fácil tbm! Mas tbm no seu lugar ficaria com a creche e não a babá.

    Vai dar tudo certo, ele vai adorar conhecer novos amiguinhos!

    beijos

  2. Também não gosto de gente em casa, não gosto de dar ordens e pra mim creche é ótema opção! acho importante o bebê estar em contato com outras crianças e acho sim que ele é estimulado. Tenho acompanhado o desenvolvimento de uma criança que só foi para a creche com dois anos… e coml dois anos a criança nao falava, só chorava. E eu lembro que meus irmãos ficavam meio período na creche desde os seis meses e eles eram bem mais espertinhos 😉

    bjocas, ju

  3. Carol, ate que enfim achei alguem que tambem ama trabalhar (me sinto super excluida em optar por trabalhar, e no nossoc aso eu poderia nao trabalhar, financeiramente. Claro que com menos luxinhos, hehe).

    E sobre o trabalho e bebe, tambem sou 100% creche. Nunca na vida que confio na melhor baba do mundo. Bebella frequenta a creche desde 1 ano e esta linda, loira e bem desenvolvida. Ela vai la, eh cuidada, aprende algumas coisas como desenhar, pintar e bordar (ok, bordar nao), mas quem educa somos nos.

    Entao sijoga que acho seu esquema perfeito com a adaptation e tals. Tambem coloquei Bebella 2 dias por semana na creche por 2 meses e so entao full time.

    Bjos

  4. Carol, você está certíssima em fazer o que o coraçãozitcho manda. É isso mesmo!!! Se você se sente melhor colocando o Lucas na creche, é isso que vai ser. Nada vai ser tão bacana quanto ter a mãe em casa, e mesmo assim, para nós que gostamos de trabalhar (e precisamos também), ter um bom berçário à disposição é uma bênção!! Eu pus a Laura no berçário com 7 meses, é claro que não foi fácil, mas a gente se acostuma rápido. Ter alguém em casa eu não teria. Nunca! Por questões de (in)segurança, de quebra de privacidade, de encheção de saco e de depender de alguém que pode a qlq momento mudar de ideia e querer ir embora… e daí?? Coloca Luquinhas aonde, nesse caso??? Acho super 10 a sua ideia de colocar o Lucas na creche e, acredito, por mais que não seja fundamental pedagogicamente falando, ele acaba aprendendo mais a se virar, a brincar com outras crianças e a se defender. Laurinha está com 8 meses hoje e se mata de rir quando vê outros bebês na rua. Ela se identifica, sabe??? É assim mesmo!
    Boa sorte, tudo dará certo.
    Já está dando!!!

    Beijos pra vc e pro Lucas!

    Dani e Laurinha.

    http://viagensdeprimeiraviagem.blogspot.com

  5. é uma escolha muito dificil, eu optei por ficar em casa, mesmo abrindo mão de diversos luxos, saídas, e jantar fora, mas eu me sinto bem com a minha escolha, pelo menos por enquanto, pois já bateu sim aquela saudade do ambiente social e descontraído do trabalho.Não sei quando voltarei a trabalhar, provavelmente só quando Bryan completar 2 anos (em 2012), mas já tá certo que ele irá para escolinha, nada de babá, também me sentiria invadida, por esse motivo mesmo nem ajudante eu tenho, gosto de arrumar as coisinhas do meu jeito…sendo assim eu optaria pela escola 1.000x, já até visitei uma aqui perto mas não me agradou, mas tenho muito tempo pra pensar…
    Que bom que vocês acharam uma escolinha super segura e limpinha para o Luqui.
    bjs

  6. Ainnnn. Dá uma dorzinha no coração essa volta ao trabalho,mas tudo acaba bem. O maximo é poder ver seu filho na creche via internet, dá mais calma e tranquilidade. Queria eu poder ver o q o meu está fazendo agora, mesmo ele estando na casa da minha mae. rsrsrs

  7. carolita,
    a creche está entre o Top Five Oh vida! Oh céus da maternidade.
    não é fácil e nunca será tão bom quanto o nosso colo e companhia, mas faz bem danado pras crias e pra gente.
    sofri, chorei, tanto que nem sei com a minha volta ao trabalho mas não saberia viver de outro jeito, assim como vc.
    respira fundo e bora rumo a próxima fase, não????
    bjocas

  8. Se eu pretendesse voltar a trabalhar aos 6 meses do Lorenzo, eu também escolheria creche de olhos fechados.
    Também odeio gente dentro de casa, já até falei sobre isso, sou implicante até não poder mais. Além disso meu irmão mais velho e minha irmã mais nova apanharam de babás. Eu só não apanhei porque não tive!
    Sou contra desde bebê!
    Beijocas

  9. Boa sorte Carol!!!!
    Eu acho que deixar com babá tão pitico assim é bom qdo tem avós, ou tias, ou gente da família que não trabalhe e possa acompanhar mais de perto. Se não tb acho que ficaria muito insegura.
    E as melhoras escolhas são feitas com o coração!!!!
    E isso de vc poder acessar na internet é um sucesso hein?!!!!!
    BJS, Re

  10. Fui ali buscar uma gelatina na geladeira e pensei que, se seu marido é responsavel por apenas 30% da casa, não rolaria um papai-babá? As mulheres lutaram tanto pela igualdade, mas os homens nao entenderam assim… raros os pais que, por ganharem menos, páram de trabalhar pra ficar com os filhos…

  11. Eu acho que a decisão é difícil mesmo e que não cabe nenhum palpite, já que é super pessoal e cada um sabe o que é melhor pra sua família.
    Fico feliz que vc tenha encontrado um lugar bacana, isso vai fazer toda diferença na adaptação de vcs dois.
    beijos, beijos

  12. Decisão difíííííícil… Passei pelo causo há uns meses e não quero nem lembrar. Tive qu optar pela babá… As creches não tinham vaga e aqui onde moro não tem berçario… Fazer o que???
    Boa sorte e vai dar tudo certo!!!
    Beijinhos

  13. Carol, sei exatamente como se sente, pelos mesmos motivos optei por creche ou "escolinha" como chamam aqui. E minha filha adora, hoje está com 1 ano e 10 meses e frequenta desde os seus 5 meses. Também não consigo ficar em casa, juro que acho surpreendente as mães que conseguem, mas para mim, parece que não sou eu.
    E sobre as propostas pedagógicas tbm achava que para bebês não era importante, mas me informei sobre isso com pedagogas e disseram que é muito importante para o desenvolvimento dos pitocos, ainda mais que nos primeiros anos eles aprendem muuuuuiiiitttaaasss coisas.

    Abraços,

    Tássia

  14. Concordo plenamente com vc Carol! A escolinha ou creche tb é minha escolha, ever! Eu tb não confio em ng pra cuidar do Luquinhas e tb detesto gente em casa… Agora só estou com uma empregada que dorme porque quero ficar o tempo todo com Luquinhas! Decidi que vou cuidar dele por um tempo maior tb e ficar pobrinha, rsrs mas ele precisa de um cuidado maior já que é prematuro, então vou curtindo por aqui!! Aproveita seu Luqui aí tb!!!
    Beijoka

  15. Carol, como pedagoga posso te dizer que embora seja dificil entender o que um bebê de 5 meses possa desenvolver em alguma atividade, pode ter certeza que vc se surpreenderá com as novidades e desenvolvimento do buxexudo mais lindo do mundo.
    Bjs e fiquem com Deus.
    Luana

  16. Carol, vc tá super certa. Se seu coração tá falando, acabou a conversa! (coração de mãe tem poderes mágicos! rsrs)
    Vai dá tudo certo sim, o Lucas vai se acostumar com a nova rotina rapidinho.
    E quem escolhe essas coisas é a gente mesmo.. já fui super-hiper-mega condenada por não ter colocado o Enry na escolinha com dois anos.. mas e daí?! O filho não é meu?
    Vai se preparando pra ver essa coisinha gostosa e buxexuda todo preparado pro primeiro dia na creche!!!

    beijo

  17. eu tb nao consegui digerir o quesito babá…
    larguei o vício da empregada domética e hj nao compreendo como pude deixar uma estranha, que eu nem sei onde mora mexer nas minhas coisas (loca, eu sei)…
    que dirá no meu filho. tb não é para mim, entre as duas opções, tb coloquei no berçário (mas tb tirei, pq a vida mudou!)
    boa sorte vai dar tudo certo!!
    bjo

  18. Carol,

    Davi começa a adaptação na creche em 15 dias. Essa opção pela creche nunca foi pomo da discórdia. A questão era a escolha da melhor creche: as mais baratas e sem tanta infra ou a mais cara e super limpa, com nutrição legal (produtos frescos e não suco de polpa) e um espaço enorme para no futuro Davi se esbaldar. Isso sem falar que fica a menos de 100m da casa nova (mudamos no fim do ano). Apertamos o cinto e a opção, claro, foi pela mais cara. Tb tô tensa, mas é pela ansiedade de começar a engrenar essa nova rotina.

    bju

  19. Carol, independentemente da sua decisão, que bom que vc resolveu! Assim, com certeza, curtirá melhor o que lhe resta de licença-maternidade. E farpa melhor a transição.
    E vc pode voltar atrás empre, o mundo não é estático, muito menos as nossas opiniões.
    Eu já mudei de ideia muitas vezes, inclusive neste quesito. Ciça já teve babá, pai-babá, escolinha etc. Porque na época eu também era a maior responsável pelo nosso sustento.
    Com Cali-Cali, cheguei a reservar, ainda grávida, vaga na escolinha para quando ela fizesse 1 ano. Em julho, recebi uma ligação da escola confirmando a vaga. E eu já nem me lembrava mais que a tinha inscrito, ahahaha.
    Por sorte, minha vida mudou e hoje trabalho em casa, sobretudo à noite, então, enquanto o esquema estiver dando certo e nos fazendo feliz, Cali fica comigo, que sou pós-doutora em Ciça e Cali.
    Beijos

  20. Carol, eu sou sempre sempre sempre por escutar o coração de mãe. Faça isso que a sua decisão é a melhor decisão para o Lucas.
    Demiti a babá hoje (yeap) e também decidi por mandar a Helena para a escolinha, depois de pesar e ponderar muito. Acho que vai ser ótimo para ela, e para o Lucas também será excelente. Achei ótimo este esquema de adaptação que você fará.
    Você me perguntou sobre preços, aqui em SP você sabe que tem de tudo. Aqui por perto de casa, as que são legais e não meros depósitos de bebês ficam por volta de 1500 reais no berçário e 1000 reais para a idade da Helena. Meio período. Pesadinho…
    Beijos e curta SUPER o monte de licença que você ainda tem pela frente.

  21. Carol, me enxerguei em TODAS as palavras desse seu post!!! Me sentia exatamente igual e tomei a mesma decisão que você. Hoje o Frederico está com quase 1 aninho (faltam 10 dias!) e não me arrependo em nada da minha decisão. Se já repensei? Sim, principalmente nas horas das doencinhas (passamos por uma punk e outras, poucas, light). O que ajudou muito foi que o processo de transição licença / trabalho foi gradual.. No começo ia 3 vezes por dia vê-lo (e dar mamá!), depois 2, depois só no almoço e hoje já não vou mais. Isso foi essencial! Pelo o que vc falou da sua idéia no primeiro mês e meio, vai ser parecido. Depois tenta ir fazendo o mesmo com o berçário. Quanto à escolha do berçário concordo com todos os seus "critérios", mas acho que para bebês desse tamanho o que vale mesmo é o amor que as berçaristas tem com seu trabalho (muito mais do que a formação!), como elas cuidam das crianças e se é um ambiente alegre! Mas acho que se vc sentiu que o lugar era ali, tudo estava implícito, né? Além disso, priorizei uma escolinha pequena (gosto que todos se conhecem pelo nome, é uma coisa bem "família") e que tivesse flexibilidade para acatar as minhas escolhas nem sempre muito convencionais (relacionadas à alimentação, sono, chupeta, etc). Bom, se vc quiser ver um post que escrevi no meu primeiro dia de "lavoro", aí vai!

    http://www.cegonhatrends.com/2011/02/volta-ao-trabalho.html

    E se quiser conversar mais sobre o assunto, pode me escrever, ok?
    Bjs e muita paz no seu coração que vai dar tudo certo!
    Eleonora

  22. Carol, essa decisão é foda, mas que bom que vc já tomou e é isso mesmo, seguir seu coração, como em todas as situações da maternidade… e essa sensação de "primeiro dia de aula" é porque simplesmente tudo o que eles fizerem na vida vai ter o dobro de impacto pra gente, se a gente pudesse viver as coisas no lugarzinho deles acho que viveríamos, mas felizmente não é possível, e a gente sofre e ri junto, sente, chora, e assim vamos levando… esse é o primeiro grande passo, acho que cada família encontra seu esquema e nenhum é perfeito isso eu te garanto, todos tem prós e contras mesmo, mas a gente assume um e segura a onda dele, o que for menos difícil pra gente, este momento separação licença maternidade é super difícil, eu me lembro de chorar vários dias embalando meu filhote no colo pensando como viveria sem ele 24h por dia? mas a gente sobrevive, eu também como vc adoro o momento sair de casa, café com os coleguinhas e tal… hoje que faço home office sinto a maior falta, mas acabo compensando nos almoços com as amigas que super rolam… e bom, te desejo toda sorte, e curta mesmo os próximos meses com toda força, e com todo amor, e vcs vão se adaptar, vai dar tudo certo, boa sorte tá? aqui estamos na reta muito final, em menos de 2 semanas meu pequeno estará aqui nos braços, e aí o turbilhão todo vai começar do lado de cá…rs
    beijo querida!

  23. Oi Carol, eu li o teu post ontem, ia comentar, Uri "chamou" e eu esqueci depois. Sobre voltar a trabalhar, to contigo e nao abro, adoro meu trabalho, adoro sair de casa, me maquiar e ver gente grande, adoro ter meu dinheiro e adoro ter uma valvula de escape pro stress q as vezes bebe da. porque q me perdoem as q nao concordam, mas mae q fica so e somente so com o bebe em casa, acaba ficando estressada e chata.

    E sobre baba ou creche, so te digo – proximo filho vai direto pra creche! Tenho varios motivos q nao posso dizer "em publico", mas no geral é bem o q vc disse, melhor eles serem cuidados por alguém profissional, com regras claras pra ambos os lados.

    Tenho ctza q o Lucas e o Uri vao adorar as escolinhas e vao ser os reis das bebes!!

    Beijao!

  24. Um dos master dilemas da maternidade, sem dúvida! Também prefiro escolinha/creche, babá não é a minha. Precisa ter muuuita confiança, indicação, ai não consigo. Que bom que tomou sua decisão e que Luquinhas tem sua vaga. Bento entrou na escolinha com a mesma idade e meu trabalho fica literalmente na frente da escola. Ou sejE, eu amamentava normalmente, ia lá 2x por dia mais no meu horário de almoço (chefe bão, poucas contam com isso!).
    Vai dar tudo certo procêis!
    bjos
    Sarah
    http://maedobento.blogspot.com/

  25. certíssima! uma coisa aprendi sendo mãe: sempre decidimos pensando no melhor para nossos pequenos e se erramos é por falta de experiência anterior sobre o assunto …
    beijocas
    Li
    londrescomfilhos.blogspot.com

  26. Essa decisão é, sem dúvida, uma das mais difíceis da primeira infância – acho que a mais difícil mesmo é a escolha da escola, que é o que estou vivendo agora, e que, em tese, é a definitiva.

    Me lembro de uma blogagem coletiva do Mães na Rede, que perguntava com quem ficam as crianças nos lugares mais diversos do mundo. E constatei que, pelo menos aqui no Brasil, não há o menor apoio à trabalhadora mãe. São raríssimos os empregos de meio expediente ou que seja possível trabalhar em casa. O resultado é a proliferação das "mulheres de branco" e a terceirização quase completa da maternidade. Bom, mas isso é um papo para outro post. Sem dúvida, pelo menos para mim, a creche se revelou a melhor opção. Boa sorte. Bjs, Luciana

  27. Carol, que dificil que deve ser esse momento de ter que se separar dessas criaturinhas tao lindas e pertencentes a nos! Confesso que nunca tinha pensado nesse momento, tambem ne, ainda me faltam muitosss meses pela frente! Que de tudo certo flor, e vai postando o que acontecer que eu adoro acompanhar as atualizaçoes! Tudo de melhorrr! Ahh, inclusive, nao sei se voce segue o "maes internacionais" mas li um post la hoje e lembrei de voce! Se quiser check it out! Te deixo o link abaixo
    http://www.maesinternacionais.com/2011/09/06/sleep-sheep/

    Beijinhos duplos!

  28. Carol que bom que vocês estão confiantes. Acho que isso é o mais importante. Estarem com a decisão tomada. Com certeza, tem tudo para dar certo!
    Quanto esse início, acho que fez certinho falando para a empregada dar toda a atenção para o pequeno. A casa é de menos nessas horas, não é?
    Beijos e boa sorte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *