hoje comemoro 3 anos de Buenos Aires. E essa cidade incrível me deu o mais maravilhoso presente da vida: o Lucas.

Celebro com um dos textos mais sinceros e profundos que já escrevi, publicado aqui mesmo, no aniversário do ano passado:

Esta semana, comemorei dois anos de vidinha em Buenos Aires.
Comemorei sim. Não simplesmente “fiz” ou “completei”, porque morar em outro país é uma experiência única, pessoal, intransferível e incomparável. Que deve ser celebrada.

Pra mim, é óbvio agora que eu não poderia passar por essa vida sem a experiência de morar fora do Brasil. Como não posso passar sem filhos, sem viajar pra Ásia, sem comprar um carro (juro que nunca tive carro comprado com meu dinheirinho!), entre outros must haves e must dos da (minha) vida.

Eu queria muito escrever um puta post sobre Buenos Aires e nossos dois anos de relacionamento, o lado bom, o lado ruim. Queria contar pra vocês como foi que vim parar aqui. Como eu acho que Buenos Aires é só minha, foi feita sob medida pra mim e mais ninguém. Que quando chega uma visita é algo que invade tão profundamente a minha realidade que eu demoro dias pra voltar ao normal. Que quando vou ao Brasil, quero voltar loucamente e não quero voltar nunca mais. Mas voltar pra onde? Se a minha sensação é de estar sempre indo?

Buenos Aires me deu e me tirou a maior alegria da minha vida. Aqui fui profundamente feliz e profundamente triste. Já não sei mais o que fazer com tanto sentimento. Que, pra mim, inunda as ruas, avança sobre os prédios bonitos, está pelas ruas de Palermo que eu amo, nos doces de leite viciantes, nos vinhos que me embriagam, nos alfajores que eu nem gosto.

Ainda não sei o que fazer com tanta coisa. Nem com Buenos Aires, nem com a vida, que insiste em continuar. E eu, no meio disso tudo e quase que sem perceber, fico pensando em voltar. No tempo. Pra casa. Pra mim.

Mas, como quase sempre faço, apenas deixo o pensamento voar, escolho uma música que me acompanhe e sigo em frente.

Pero el viajero que huye
Tarde o temprano detiene su andar
Y aunque el olvido, que todo destruye,
Haya matado mi vieja ilusión,
Guardo escondida una esperanza humilde
Que es toda la fortuna de mi corazón.


originalmente publicado aqui.

8

Obrigada, Buenos Aires. Pelos 3 anos de convivência, pelo carinho, pelo amor. Um amor argentino de 3 meses que me transborda o corazón e me enche de alegria. Ai ai.
8

10 respostas em “Volver

  1. Muito lindo Carol, e aproveitando que vc vai fazer um retiro para ensinar Lucas a dormir, eu tive o mesmo problema com o meu pequeno, e consegui que ele dormisse mais quando eu dormia abraçadinha com ele a tarde, assim eu também descansava e acho que ele sentia o calor e o meu cheiro e dormia também, beeeen mais que sozinho, boa sorte!
    Beijos
    Eli

  2. Um dia ainda irei conhecer esta terra tão maravilhosa, a demora é que decidimos(eu e marido) conhecer as belezuras daqui do Brasil primeiro, pra depois partir pra mais adiante, por enquanto vamos colhendo informações das blogueiras que nem vc.
    bjos!

  3. Parabéns pelos 3 anos. Deve ser incrível morar aí. Já fiquei uma semana em BAs e adorei. Um dia voltarei. E os alfajores… vc nem gosta?????? Pelamor, manda pra cá os alfajores e galletitas da Havana. AMO!!!! Dá até água na boca só de pensar.

  4. Oi Carol, sou nova nesse mundo de blogs, mas sempre lí escondidinha…criei o meu humilde agora… não sou mãe… sou recém casada e não espero a hora de ser uma mamy tbm… fantástico seu filhote, lindo de morrer.
    Parabéns por este espaço e obrigada por me fazer rir e chorar a cada post. Espero causar em alguém essa mesma sensação boa que seu blog causa em mim!

  5. Parabéns pelos 3 anos nessa cidade incrível e deliciosa!!!!! Tb acho incrível a experiência de morar fora. Morei quase 4 anos em San Diego, e atualmente moro em Moçambique. Beeeeeem diferente, mas experiências sempre maravilhosas!!!!!
    Bjs, Re

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *