Ontem tive um dia cheio. No final dele, estava com tão cansada que convidei o marido pra ir jantar fora. A gente tem esse hábito do confort food: quando os dias são muito pesados ou frustrantes ou apenas muito cheios, a gente senta em algum restaurante gostoso e afoga as mágoas num bom prato de comida. Eu sei, nem é bom jogar tanto sentimento na alimentação, eu tento não fazer isso no dia-a-dia, mas confesso que é um hábito nosso das antigas e é muito gostoso. Sempre temos papos ótimos, comemos bem, são momentinhos que fazem a vida (e os dias cansativos) valerem a pena.

Já na saída de casa, comecei a sentir contrações. Como já to ficando acostumada a essas manifestações do meu corpo, não desisti do jantar. A coisa foi piorando, piorando… e eu firme. No meio da comida, eu já achava que era nossa última noite de casalzinho, de tão constantes que eram os incômodos. Mesmo assim, insisti de ficar mais e pedi sobremesa. A esta altura, Maridón já tava cronometrando contrações e eu já choramingava que minha mala não tava pronta, que eu não dormi tudo que queria antes de ter filho, que não terminei as pendências no trabalho.

Fui ficando estressada e com medo, não sei descrever a sensação. Pensei que não seria capaz do parto normal, pensei que não estava pronta pra ser mãe e, acima de todos esses pensamentos, o que mais preocupava era o cansaço extremo que eu ia sentindo a cada contração que me incomodava. Se realmente estivesse em trabalho de parto, eu certamente passaria a noite com aquelas dores (e piorando) e não estava pronta fisicamente pra isso. Menos ainda pra luta que deve ser um bebê recém-nascido (e a falta de descanso que vem com ele). E conforme eu fui entrando nessa onda de estresse (e com isso, o mal estar físico só piorava, é claro), cheguei a uma super óbvia conclusão: estou muito cansada. Preciso diminuir o ritmo.

Como a barriga nunca chegou a ser monstruosa ou pesadíssima, nem tampouco engordei muito, achei que poderia seguir vivendo como sempre. Claro que já venho diminuindo o ritmo naturalmente ao longo do tempo, mas estava me forçando até o limite, por sempre achar que ainda falta fazer algo. É hora de ver que não dá mais, sabe. Duvido (e não quero) que esse bebê nasça agora, mas eu tenho que fazer a minha parte nisso também.

Estava achando divertidos esses alarmes falsos, mas me dei conta que, se o Lucas vier agora, será PREMATURO. E, nossa, zero necessidade disso acontecer, né? Que ele nasça no tempo dele, mas a termo, prontinho, sem ter que sofrer muito aqui fora.

Sigo curtindo a expectativa da chegada dele, mas, tomei essa decisão importante: de dar um tempo. É necessário, não é frescura (vejam bem que isso sou eu tentando me convencer de que preciso ficar quieta!).

***

Só pra não ficarem preocupadas: cheguei em casa, tomei um banho bem quentinho, marido fez massagem, carinhos e eu adormeci no colo dele, sem mais nenhum incomodo. Ou sejE: foi só um dia cansativo e um psicológico estafado, nada mais! Ou sejE #2: Sossega o facho, Carolina!

/

/

20 respostas em “Sossega, Carolina

  1. Rssss…exatamente o que vc falou, Carol…SOSSEGA MENINA!!! Faça tudo em câmera lenta! Pra que essa agitação toda logo no final? Calma…o mundo não vai acabar hj! rsssssssssssssssssssssss

    Descanse e aproveite MESMO pra descansar enquanto pode. Guarde as energias pra cuidar do Luquinhas quando nascer!

    Beijoconas nos dois!!!!

  2. Final de gravidez é muito cansativo mesmo, fisica e emocionalmente falando… E entendo o que tu queres dizer, na 38ª semana (de gravidez gemelar) eu não aguentava mais, acordava e pensava É HOJE!, mas lá pelas 18hs já tava tão cansada que pensava, HOJE NÃO…
    Bjs

  3. É isso mesmo, Carol. O corpo da gente reclama. A gente se sente bem e acha que pode levar um ritmo suuuper normal, mas nem a mais saltitante das criaturas consegue levar uma vida normal no último mês de gravidez. Tem que reduzir o ritmo, sim, fazer as coisas com calma, não se cansar demais.
    Sei que é difícil, porque a gente sempre tem milhares de coisas pra fazer antes do nascimento do bebê, mas tentar manter um ritmo calmo é um exercício importante.
    Beijos e firme aí

  4. Oi Carol!!!
    Só uma dica menina: banho quentinho é vaso dilatador, ou seja, acelera o trabalho de parto. Deixe esta opção para vc relaxar depois que o bebê nascer. Bjo e boa hora.

  5. Eu passei por uma situação parecida quando emendei os afazeres normaiss+reforma do apê novo com um evento no fds. A rotina era meio puxada, acordar bem cedo e dormir bem tarde e como eu não sentia nenhum mal-estar com a gravidez, simplesmente me esqueci de que eu não podia fazer certas coisas, como carregar peso por exemplo. Me dei conta disso quando a minha equipe fez uma rede de barbantes capaz de levantar pessoas e eu lá, super empolgada, jogando todo mundo na rede, vê se pode! Depois foi a primeira vez q eu tive cólicas.
    Ouça seu corpo. A gente tende a querer fazer tudo e mais um pouco, mas descanso é bom e todo mundo gosta.

  6. Isso mesmo Carol…

    Chega um momento em que a gente precisa diminuir mesmo o ritmo…as vezes a gente não acha necessário, pq se sente bem no decorrer do dia…mas no final dele a gente tá com a língua pra fora, cansada, meio estressada e enfim, isso é reflexo da rotina que ainda está puxada pra uma barriguda né?!

    Sosseeeeeeeeeeega Carol!!!rsrsr

    BJS…

  7. Muito boas reflexões. Quando entrei em TP, eram 3h da manhã e tudo o que eu queria era dormir até o sol nascer. Eu sabia que o TP era uma longa caminhada, e morria de medo de entrar exausta na fase ativa. Acho que, por conta disso, eu me travei, como se eu não quisesse que minha filha começasse a nascer naquela hora. Queria que as contrações parassem pra eu dormir.
    Te conto essa experiência para que, caso o TP te surpreenda num momento de cansaço, você o receba com alegria mesmo assim, e se entregue a ele. Você está certíssima em diminuir o ritmo, porque a gente nunca sabe quando nosso filho vai querer resolver nascer, e estar descansada é a melhor coisa. Mas e se você passar uma noite mal dormida, sei lá, por causa de gases, ou pesadelo, ou sei lá o quê? Deixa o TP te levar mesmo assim.
    Depois do parto, principalmente se você não receber drogas, você pode experimentar uma grande euforia, e mesmo depois horas em claro, pode não ter a menor vontade de dormir. O corpo é sábio. Além do mais, depois de TPs longos os bebês também costumam nascer cansados e dormir mais, excelente momento pra descansar junto.
    No mais, jantarzinhos com o marido são tudo de bom! Na véspera do meu parto saí com o meu pra dar uma volta no parque e depois ´fomos comer um croissant.
    Curta muito esse finalzinho, não tenha medo e deixa a onda te levar!
    Bjos!

  8. Carol, faltando um mês para a chegada do Lucas o corpo vai fazendo os ajustes é normal. A gente as vezes nem percebe que está forçando o corpo, está tudo tão bem, tão tranquilo que seguimos em frente. Quando a hora chegar de verdade você vai saber, é completamente diferente de qualquer dor ou contração sentida até então.
    Beijos

    By the way: faça logo essa mala! Você vai ficar mais tranquila. Detalhe: eu nunca fiz a minha no primeiro parto (risos) só a do bebê.

  9. Carol, isso mesmo, sossega mesmo…eu tb estava me achando a bambambam, mas cada dia mais cansada, mais sem folego e decidi antecipar em uma semana a licença, sai quando completei 37 semanas e, nessa semana, que estou com 38, mesmo em casa estou ainda mais cansada e aproveitando a licença para descansar mesmo, dormir a tarde, fazer as coisas que ainda tenho que fazer mas num ritmo mais sussa…vc merece isso e o baby tb. Bjs

  10. Nossa, como a gravidez é diferente para umas e para outras!

    Eu era tão pata choca que não conseguia fazer nada, mesmo que quisesse!
    E eu não queria. MESMO.
    Dá um preguiça só de lembrar!

    Vamos ver como vai ser na próxima.

    E como vc disse, sossega aí, Carol!
    Já são 35 semanas! Tem que diminuir o ritmo mesmo.

    Beijinhos

  11. importante estar entendendo as mensagens que o corpo manda. nos achamos muito educados, instruídos, informados e civilizados, mas – felizmente! – não passamos de animais, nossos instintos estão ativos, basta prestarmos atenção que ele fornece os dados que precisamos para tomar decisões. sábia a sua de diminuir o ritmo!

    beijoca

    ah, um bom parto pra vc (já está chegando a hora de receber este tipo de saudação!)

  12. Epa que emoção hein… Lucas logo logo tá aí!!
    Aproveita pra concentrar, desacelerar, quem sabe até meditar! Imagino ser bom pra quando ele resolver vir, vc estar pronta de corpo e alma!
    Bjos!

  13. Own querida! Devem ser as contrações de treinamento, aquelas que tem um nome esquisito, "Braxton Hicks". Deve ser seu útero se preparando para em breve a chegada do baby! Nada de prematuro!

    Resumindo: Sossega a piriquita!! Fica queietinha e relaxa que ele virá no tempo dele!

    Super beijos!

  14. Nossa Carol…
    È interessante como funciona essa vida virtual…
    Não te conheço, mas sinto com se fossemos best frends…
    A pouco mais de 4 dias descobri seu blog e não contive até ler TODOS os post… ontem meu marido foi pro futebol dele de cada sábado e eu fiquei aqui, lendo tudo ate ele voltar, 3 horas depois…
    Me identifiquei muitoooo com vc… também me sinto louca, neurótica, chorona e com uma vontade enooorme de ver um serzinho dentro de mim…
    Ainda não comecei a tentar, próximo mês começarei com as consultas e tal, pq tb faz uns séculos que não vou a Ginecologista…
    Não se preocupe que vc num está só no mundo das "loucas", ate´achei vc calma em muitos casos…
    Vou ficar na torcida pelo nascimento do Lucas, Orei por vc nesse dia das mãe, pode… kkkkkkkkkk
    Fica com Deus.

    Ana Barbosa, futura mãe de Ana Júlia, ou Davi, Ou Benjamin ou sei lá quem…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *