Sei que já reclamei falei bastante sobre o tema aqui no blog, mas estive relendo e acho que ficou tudo meio capenga. Como recebi muitas perguntas sobre o assunto, quis contar melhor pra vocês sobre o que aconteceu e sobre como estou me tratando.

Pra entender melhor o que é diabetes gestacional, qualquer Googleada vai te ajudar. Basicamente, é uma condição que só acontece na gravidez e é causada pela placenta, carga hormonal exagerada que se produz nesse período (que afeta o funcionamento da insulina) e, consequentemente, faz com que a gente fique com níveis exagerados de açúcar no sangue.

Para o baby, os principais riscos são: ele nascer macrossômico (leia-se grande demais), o que dificulta muito um parto normal (recentemente saiu uma notícia de uma mãe que teve um baby de 7 quilos, que nasceu assim pela diabetes gestacional que ela teve, não soube e não tratou); icterícia, problemas respiratórios e hipoglicemia (ele tá super acostumado com muita glicose – da mãe – e, de repente, fica só com a dele). Além disso, dizem que a criança tem maior risco de desenvolver obesidade e a própria diabetes no futuro. Pra mãe, o risco é único e apavorante (na minha opinião): seguir diabética pra sempre ou desenvolver uma em breve. Mas, a grande maioria dos casos que escutei são de sucesso: logo depois do parto, a mãe já tava toda trabalhada no chocolate e no sorvete sem grandes neuras.

A diabetes gestacional é tratada, basicamente, com dieta de controle do açúcar, cafeína e carboidratos, além de acompanhamento de endócrino, exames de sangue mais constantes e medição de glicose todo dia. Em alguns casos, precisa ir pra insulina mesmo.

No meu caso, descobri no exame de sangue de rotina do final do segundo trimestre. No exame de rotina do primeiro tri, estava tudo normalíssimo, mas como me queixei com a minha médica que estava sentindo muita sede e indo demais ao banheiro fazer xixi, ela desconfiou e pediu o exame de glicose com curva glicêmica (esse que você tira sangue em jejum, toma um líquido doce e duas horas depois, tira sangue de novo pra ver como evoluiu a glicose no organismo). Muitos médicos não pedem esse exame no segundo tri caso o teu primeiro tenha saído normal. É bom ficar atenta ao corpo e conversar sobre essas besteirinhas com o médico, mas sem neuras – beber muita água e fazer muito xixi é NORMAL na gravidez. Não deixe de comentar com ele, mas também não inventa de fazer auto-diagnóstico (tipo eu), não vale a pena!

Pra quem gosta de números: meu exame, em jejum, deu 91 mg/dl e, depois da overdose do suquinho doce, fui a 159 mg/dl. Quando peguei esse resultado, sabia que boa coisa não era e liguei imediatamente pra médica. Ela falou quer era diabetes sim e quem nem precisava repetir o exame, mas que eu precisava de acompanhamento com endocrinologista. Nos dois dias de espaço entre o diagnóstico e a ida ao novo médico, eu fiquei DESESPERADA. Quase não comi, tava perdida, confusa e me achando uma bomba ambulante de açúcar.

Depois que comecei o tratamento específico, aconteceu uma coisa mágica: aprendi a conhecer meu metabolismo. Com a ajuda das medições de furar dedinho (naaada de mais, só precisa de um mínimo de organização e atenção aos horários de comer), comecei a ver o que eu tolero e o que eu não tolero. Percebi meus melhores horários e fui me adaptando, observando sempre de não comer açúcar NUNCA, cafeína NUNCA, farinha branca raramente e evitando carboidratos heavy. Também aprendi uns truques: se eu ficar afins de comer macarrão, prefiro o integral. Se não tiver, jogo um saladão junto e meu corpo absorve melhor a massa. Se eu quiser dar uma chutadela de balde (outro dia fui ao Mc Donalds, acreditem, e minha glicose não teve pico), faço na hora do almoço, porque as atividades do dia vão me ajudar a processar melhor o açúcar (comer um montão de besteiras e ir dormir é o pior que há!).

Meu maior aprendizado foi fazer uso do bom senso. Se quero comer pizza, escolho alguma que tenha pelo menos um verdinho enfeitando em cima (uma rúcula, um manjericão, qualquer coisa). Quando comi no Mc Donalds, escolhi um sanduíche sem molhos e não adicionei ketchup ou mostarda, além de ter pedido a porção pequena. Em casa e quando tenho escolha, prefiro comer tudo integral (o corpo demora mais pra processar e, com isso, a absorção do açúcar é mais lenta e não te dá pico). Tomo suco natural e, quando preciso adoçar, uso adoçantes naturais (Linea ou Stevia, mais adequados pra gestantes). Fujo de aspartame, mas, tomo sim refrigerante zero no final de semana ou quando dá vontade (Fanta Laranja Zero é minha paixão atual, hehe). E, por último e mais chocante: quando fico LOUCA, eu me rendo. Como açúcar SIM.

Só aconteceu duas vezes até hoje e eu controlei pra que desse certo – e deu: tomei um copinho de sorvete e uma fatia de torta de limão. AÇÚCAR BRANCO HEAVY DO MAL DO CAPETA. Mas, nos dois casos, foi assim: longe das refeições (quanto mais separado você for comendo ao longo do dia, melhor), porções pequenas e com muito prazer no coração. Medi a glicose 120 minutos depois (que é o correto pra ver a reação do corpo a determinadas comidas) e tava tudo bem.

Isso e o meu emagrecimento recente tem me feito pensar que talvez esse diagnóstico de diabetes não proceda. Talvez eu estivesse numa semana muito ruim de alimentação quando fiz o exame, talvez eu tenha só algum tipo de intolerância. Não sei. O pessoal que convive comigo (galera do trabalho e Maridón) concorda. Meus valores atuais estão sempre na média de uma pessoa normal: 70 mg/dl em jejum e 110 mg/dl duas horas depois das refeições. Quando faço refeições mais levinhas (salada + um grelhado, sem carbs), minha glicose pós-sobrecarga fica em 90, 95 mg/dl. NOR-MAL.

Porém, acho que não vou fazer nada a respeito não. Talvez conversar com o médico pra repetir o exame da curva ou simplesmente pedir que me libere uma sobremesa de vez em quando – não é a coisa mais legal do mundo passar vontade estando grávida. Mas, sabem por que eu não to afim de questionar muito? (e agora vocês gravem o que vou falar, porque não sei se irei repetir nesta encarnação) Os hábitos que adquiri são muito bons. De ser comedida, de cuidar do que como, de curtir as escapadas como escapadas em si e não obrigação (como tomar um litro de coca-cola por dia). Foi na merda que aprendi o que sempre quis a vida toda: comer direitinho. To muito longe de ser natureba, mas eu me sinto melhor. Minha pele tá mais bonita, cabelos idem, minhas funções intestinais (oi?) estão ultra reguladas e normais, tudo está tão bem assim… Não quero seguir emagrecendo, óbvio, tenho tentado que não aconteça mesmo. Mas, viver jogada no açúcar branco malvado como era antes, ah, não quero não.

E, pras gravidinhas que estão com esse problema (ou com medo de): das complicações que podem existir numa gravidez, garanto que ter diabetes é uma das mais simples. Porque quem controla é você! Não é o acaso, o destino, o obscuro. Tá na sua mão fazer tudo pra dar certo, então sijoga! Óbvio que o começo é assustador, óbvio que vai ter o dia de se sentir A sofrida, óbvio que vai bater vontade de comer um pote de 2 litros de sorvete, óbvio que dá cansaço e vontade de chutar o baldão.

Mas, com todo o pouco otimismo que deus me deu, acreditem: vai dar tudo certo!

Referências:
Diabetes Gestacional, Baby Center Brasil
Sociedade Brasileira de Diabetes (especialmente: valores glicêmicos normais)

/

/

14 respostas em “Sobre diabetes gestacional

  1. Menina, fico muito, mas muito feliz. E sabe que eu ja me peguei pensando nisso?? – será que a Carol tem mesmo DG? E se tiver sido um momento ruim? Repete SIM o exame, menina! Quer saber? Bons hábitos alimentares a gente nao perde, nao. Ainda mais aqueles que a gente gosta! Pensa que foi um aviso, uma lição e taí, entendeu o recado e seguiu feliz. Muito FODEROSA, você. Agora, sai rebolando na rua, bonitona! ehehehehehe

    cf.renata@hotmail.com

  2. Carol, eu tenho certeza de que vc não tem isso e que na semana da medição provavelmente vc se auto-boicotou (comeu muito, ficou neuvosa, coisas assim, que alteram qualquer exame). Mas aprender a se alimentar melhor é uma das lições da gravidez e da maternidade, então nisso vc está se superando, o mérito é todo seu!
    Assim, até as escapadas têm mais gosto!
    Beijos

  3. É sempre bom uma segunda opinião (e terceira e quarta) quando chegamos num diagnóstico assim, que não fecha com os nossos sintomas. Estamos passando por uma situação assim na família e buscar outras opiniões é o caminho.
    Mas se vc está bem feliz com os novos hábitos alimentares, tudo bem. Apenas cuide, porque se vc não estiver mesmo com diabetes, a restrição do carboidrato poderá fazer com que o baby nasça com baixo peso (não estou falando de doces, mas de arroz, macarrão, batata, coisas saudáveis e importantes), já que a gente restringe CHO no diabetes justamente pq o organismo não consegue metabolizar e o "açúcar" fica lá sobrando no sangue…agora se vc não tem, pode faltar, entende? Emagrecer na gravidez nunca é um bom sinal, ainda mais para alguém magrinha como vc.
    Veja bem, não estou falando para te bilolar nem nada, tá? Mas é bom ver isso sim!
    Beijos, cuide-se!
    Nine

  4. Oi Carol! Gostei muito da sua explicação do que é, e do que está acontecendo com vc.
    Eu tive um "início" digamos assim de Controle de Diabetes gestacional, a verdade é que o exame de sangue deu tudo certinho, esse aí que vc comentou do suquinho que tomamos, mas nas Ultra o percentil do meu baby era de 90, sempre "obesinho" sabe, daí com 7 meses tive que entrar numa dieta, cuidei certinho, ainda ganhei 10 kilos até o dia que entrei na maternidade, e mesmo assim o Pedro Augusto nasceu com 4.205 kg e 53 cmts, um baita de um menino, mas graças á Deus saudável.
    Mas fiquei muito neurada com tudo isso, principalmente na 1ª noite de vida do pimpas lá na maternidade, ele teve uma baixa considerável e estava entrando em hipoglecemia, arrancaram ele dos meus braços, apertaram as campanhias, acionaram o médico de plantão, pensa num desespero?! Mas no fim, deu tudo certo, ele está lindão – 2 aninhos e o post da festinha dele tá lá no Chá com Bolinhos.

    Bjão e boa sorte (já ví que vc é muuuito mais corajosa que eu, e é ótimo ficar relex e levar as coisas do jeito que vc está levando, concordo com a amiga aí Nine, e tente pedir um novo exame!)

    Ana
    http://www.anaeguto.blogspot.com

  5. Tô lendo seu post e pensando na quantidade de doce que tô comendo nesse 1º trimestre. Acho muito bom eu controlar a boca!

    Preciso marcar nutricionista urgente!

    Beijosss e ótimo post o seu, até passei pra uma amiga que está com diabetes gestacional!

  6. Parabens Carol!
    Mandou muito bem.
    Eu tb tive diabetes na primeira gestação e acabo de repetir o exame que sai na segunda-feira….estou super curiosa para saber o resultado. A mulher do laboratório me disse que o resultado tem super a ver com o que vc comeu no dia anterior….vamos ver.

    bjos

  7. Voltei pq acabei de descobrir que estou com diabetes de novo!
    Saco! Também fiquei desanimada, pois estava torcendo para passar ilesa nesta gravidez.
    De qq forma, deu tudo certo na primeira e eu sei que daré tudo certo na segunda.
    A pior parte é que na hora que o bebê nasce, eles tem que levar ele correndo para a UTI para ficar sob observação por 24hrs. Nem pude segurar minha filha o colo após as 27 hrs de trabalho de parto que acabaram na cesárea.
    Mas tudo bem também e bola ora frente.
    bjos

  8. Posso dar um beijinho?
    Nao é assim um beijinho por esse post… por essa aula de vida… e sim POR TUDO.

    Por que eu leio tudo aqui e penso:
    é pra lá que vou remar, esse vai ser meu futuro… e amiga mostra tudo tão FELIZ mesmo quando ta até com problemas…

    É porque É FELIZ né CaroLINDA.
    E nao me canso se elogiar, vc ja era gatona, mas com Lucas vc ficou uma Deusa…

    Beijinho.

  9. Carol, eu também tive DG… e passei por tudo o que vc está passando!! Furava meu dedo pra fazer o HGT a toda hora, fiz dieta, fui mega disciplinada e tudo deu certo!! Queria muito ter feito parto normal como eu havia me preparado desde o início da gravidez! Porém, tive que "arrancar" meu bebezinho com exatas 38 semanas, devido ao risco de macrossomia como vc explicou acima… Porém, meu gatinho nasceu com 3.245 kg, olha que normal!!! Poderia ter ficado mais uns dias aqui dentro… Mas tudo bem, pois foi para o bem dele!! Ele foi monitorado e não fez hipoglicemia! Tudo correu bem, e hoje estamos ótimos, ele com 10 meses e eu bem magrelinha, graças à alimentação saudável (forçada, porém correta) que eu tive na gravidez!! No meu blog eu conto a minha história, e postei também receitinhas, pois minha maior dificuldade era variar o cardápio!!! Beijos e boa sorte!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *