• Quero fazer um pedido oficial de desculpas a quem me lê por aqui e aos amigos que ainda tentam: não to conseguindo responder emails, nem interagir muito interneticamente. Tenho estado muito ocupada (com coisas pro Lucas, burocracias que preciso resolver antes de sair de licença e com as férias do meu assistente). Leio tudo que vocês me mandam ou escrevem em seus blogs e facebooks, mas basicamente por celular, o que me dá uma canseira de comentar… quando estou diante de um computador, ou estou trabalhando ou resolvendo pobremas ou mesmo goiabando cansada lendo um textinho de alguém. Assim que as coisas se normalizarem um pouco (ano que vem?), eu vou respondendo, ok? Não pensem que foram esquecidos!

• Não sei se é o excesso de coisas pra fazer ou os incômodos de final de gravidez ou tudo junto: comecei a me cansar bastante. Já não agüento mais andar longas distâncias, ficar em pé por muito tempo, sentar e levantar se tornaram atividades chatinhas, essas coisas. Mudar de lado na cama é uma atividade que tem me feito acordar, precisa de um certo planejamento. Já não consigo dar impulsos com o tronco, então tenho sempre que apoiar com os braços, mãos ou cotovelos (o que me rendeu duas feridinhas bobas nos cotovelos de tanto que tenho me arrastado pra trocar de posição na cama). Nada disso me deixa com raiva ou ansiosa pra acabar logo, são só novos limites aos quais preciso me adaptar. E respeitar, né. Só gostaria de ter resolvido mais coisas do enxoval antes, agora acho que estaria mais tranqüila de não conseguir bater perna pra achar melhores marcas e preços.

• Sobre enxoval e mais especificamente o kit berço: ai gente, que chatura. Não resolvi ainda, odeio tudo que vejo. Já considero impossível a possibilidade de achar numa loja qualquer com um bom preço, então (com a ajuda de vocês), cheguei a três opções finais: mandar fazer (já vi preços e uma costureira e é tudo muito honesto), comprar de uma loja fofa indicada pela Neda ou comprar um simplérremo que eu vi no WallMart outro dia e custava 90 pesos (tipo uns 40 real). Ah, se vou cair numa coisa que não AMO, prefiro nem me descabelar por ela, né não?

• Fora isso, o quarto do Lucas tá caminhando e em breve ficará pronto. Talvez no final do mês. Faltam muitas pequenas coisas, mas vamos aos poucos, tudo bem. Eu sonhava em ter tudo pronto até o mês de março, mas pffff, não rolou. Amanhã já é abril e estou aqui ainda pensando nesse assunto.

• Pra completar, o mês de março foi o que mais gastei na minha vida. Desde obra no quarto do Lucas, passando por renovação de passaporte e muitos outros documentos até a compra do nosso carro, foi um tal de assinar fatura de cartão e sacar dinheiro… ui, doeu. Eu e Maridón somos muito organizados com grana, nos preocupamos muito com isso e NUNCA tínhamos terminado um mês no vermelho – exceto este março de 2011. Sei que isso não é nada de mais, meus pais passaram a vida no vermelho e nunca faltou nada, foram super felizes, coisa e tal. Mas eu me preocupo, gente. Agora a salária já entrou e estamos no azulzinho de novo, mas me deu um aperto no coração, estou botando uma pessoa no mundo, que tenho que vestir, alimentar, educar, dar teto. Já faço isso por mim, pelo meu marido, pelos meus cachorros. Mas putz, a sensação que tenho é que, com filho, a responsa aumenta duzentas vezes e eu fico de olhão arregalado pensando em todas as possibilidades pra tudo dar certo. Vai dar, lógico que vai.

• É que tudo são escolhas, fáceis de fazer, mas difíceis de bancar. Não tem dinheiro sobrando, mas muito porque decidi comprar um carro, pra dar conforto pra minha família. Decidi montar um quarto minimamente fofo pro Lucas, onde eu goste de estar, que tenha coisas legais pra olhar. Decidi ter um filho antes de ter um apartamento próprio. Decidi não fazer pós-graduação e engravidar primeiro. Decidi casar aos 23 anos. Decidi viajar em anos anteriores e nos próximos, não neste. Decidi morar longe da família e viver uma experiência internacional. Sou feliz com essas decisões e todas as outras, mas é de tirar o fôlego olhar pra trás (e pra frente, onde há uma barriga que só faz crescer) e pensar: essa é a minha vida. Não tem volta, é agora, é a minha história. Hmmm.

• Sabe, nada disso me faz sofrer não. Sei que parece um pouco preocupado demais e tal, mas é só porque eu sou assim. Intensa. Não sei viver sem me importar, sem pensar, sem participar. Não curto ficar assistindo as coisas acontecerem, eu quero estar nelas, eu quero ser as tais coisas.

• Então, eu vivo assim, acontecendo (meu marido que o diga, tadinho, é tanto ACONTICIDO que ele já num gueeenta). He-he.

/

/

15 respostas em “Rapidinhas rápidas para registrar os momentos que merecem – parte 6 de infinitas

  1. Oi Carol, apesar da questao financeira ter fechada no vermelho esse mes ,o importante é que apesar de tudo vc está feliz,seus planos estão acontecendo,e nao estacionando como os meus..rsrs..
    Quando montar o quarto do seu principe posta fotos pras amigas tá?

    Boa sorte e que Deus te abençoe..bjos!

  2. Oi Carol! Pelo jeito as coisas estão ainda mais intensas nessa fase, né?

    Só uma diquinha sobre o kit berço: os recém nascidos não precisam muito não, porque nem se mexem muito. No começo eles são mais enfeites mesmo (O kit, não o bebê), então se não der agora, não esquenta, compre apenas 2 rolinhos para o baby e já tá valendo.

    Outra dica é não falar para a costureira que é "kit berço", hahaha, aqui era só falar isso que os preços dobravam!

    E essa história de comprar os protetores, o lençol, a colcha, etc, etc, tudo combinando até é legal, mas a verdade é que vc troca os leçóis, né? Então acaba passando muito mais tempo com o kit "desparcerado" do que bonitinho no berço. Um bom tecido de algodão nas cores/estampas que vc gostar encapando almofadas rasas que cubram as laterais das grades para quando seu filho aprender a rolar e bater a cabeça nelas vai ficar muito bonito (é o que eu pretendo fazer para o meu/minha segundo qdo tiver). Daí é só comprar lençóis neutros e que combinem com o tecido dos protetores e vai ficar super clean e lindão, sem frescruras e sem gastos desnecessários!

    Outra dica é sobre os lençóis: lençóis de algodão ficam gelados no inverno, já os de malha de algodão são mais térmicos, mais agradáveis de deitar no frio. Fiz o teste e vale a pena!

    Espero ter ajudado!

    Beijos,
    Nine

  3. Eii Carool,
    Super te entendo, pq tmb sou assim, me preocupo com tudo, e não acho que isso seja ruim. Isso faz com que vc pense, planeje, faça as coisas do seu jeitinho para ter o melhor pra vcs, e ao mesmo tempo, vc vai vivendo a sua história, as suas escolhas, paralelamente =D
    to doidinhaa pra ver esse meninão!!

    BJOS

  4. Hahaha Sempre me divirto, me identifico com seus textos. Além da barriga com quase o mesmo tempo, será que somos do mesmo signo? kkkkk. Opa, a Olivia no auge de suas 31 semanas quer muito que eu te mande um chute. Prooonto filha, pronto.

  5. Eu e meu marido sempre fomos como você o seu: jamais fechávamos o mês no vermelho! Sempre fomos muito organizados no quesito finanças.
    Confesso que isso mudou na gravidez. Primeiro que mudamos de casa, depois que tivemos todos os gastos com o enxoval e o quarto da Olívia! Aí assim que ela nasceu nós tivemos os gastos com a coleta do sangue do cordão umbilical, que não sei aí na argentina, mas aqui no brasil é 3000 mil reais para a coleta e mais 500 anuais.
    E agora que começamos a nos acertar e tivemos gastos extras com o carro que meu marido bateu! Affff Mas tudo bem, a gente consegue sair do vermelho!hehe

  6. xuxu!
    que bom que está bem! com ou sem intensidades…
    podia passar horas comentando, mas vou me ater ao kit de berço: eu me arrependi HORRORES, com todas as forças da minha vida de ter gasto mais de 100 reais nesse treco.
    Não uso desde que joaquim tinha uns 4 meses.
    eu comprei um fodão, lindão que eu me apaixonei. caro e inútil.

  7. Carol, te acompanho desde o comecinho do seu blog…e adoooro!!!Até pq sua história é um pouco a minha tb.Perdi um bêbe com problemas cromossômicos e agora estou tentando com meu esposo vencer todos os traumas da gestação passada e nos encorajando a uma nova gravidez.Quando leio suas palavrinhas me dá uma sensação boa de que não devo ter medo, pq dessa vez tudo pode ser diferente até pq confio muito em Deus!Pois é isso…não deixe de escrever nunquinha!!!
    Xêro
    Renata Gabriella
    Caruaru-PE

  8. carolita!!!
    kit de berço. gastei uma fábula e não usei quase nada.
    mas pode ser um forte aliado caso lucas chegue e o frio esteja pegando por aí.
    maaaaaas, eu não pagaria tão caro não.
    só fique atenta. as vezes os mais baratos são feitos com recheio de baixa qualidade e aí já viu, né?
    pesquise o que tem dentro, ok?
    vem cá… vc não tem amiga que já tenha passado dessa fase e te "empreste" o kit agora???
    bom, isso se vc for a favor, né?
    tá…
    quanto as questões de grana e intensidade… básico. o que está acontecendo com vc agora é tipo um vestibular da maternidade.
    tudo vai ser muito intenso e grana vai ser assunto comum.
    só se lembre de respirar e exercitar a calma, assim, pequeno aí vai aprender a ter calma tbm…
    bjocas

  9. Essa dificuldade de locomoção qu a gente vive no último trimestre de gestação é ótima pra imaginarmos como se sente um recém-nascido. Não anda, não senta, não consegue sequer firmar a cabeça. Precisamos de ajuda, de amparo. Comigo essa situação fez um trabalho legal pra me colocar na pele do meu bebê.
    E sobre o kit berço, posso te contar um segredo? Não precisa. Dá pra usar o rolinho (segura-bebê) durante um tempo, e depois mais nada.

  10. Carol, não lembro se comentei aqui, mas acho o kit de berço desnecessário. Pra mim uma novela encontrar um que eu gostasse quando o Guilherme nasceu. Claro que o berço fica lindo, mas não vi muita utilidade não. Quando o G começou a ficr em pé eu tirei por que ele usava o protetor como degrau.
    As coisas da Picnic são lindas (e caras), e se é pra comprar um, e do do Walmart te agrada o suficiente, compra ele mesmo.
    Beijos

  11. Eu também ficava nessa preocupação de ter mais um em casa pra vestir, comer, daqui a uns anos estudar e talz…mas sabe, depois que ele nasceu, se integrou a nós com tal rapidez, que hoje, é mais um no barco, não sei se me faço entender, mas é simples assim:ele vai estar conosco em todas as nossa marés, e o amor é tão , mas tão grande, que toda e qualquer preocupação é suplantada por ele. Sem contar que a prioridade é sempre ele…então, fica tranquila, e deixa vida seguir, vai SIm, dar tudo certo!
    Beijo grande!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *