Sumi, né?
Perdoa gente, é que os últimos tempos tem sido, digamos, cheios. Eu até leio vocês, mas não tenho conseguido comentar e não tenho tido muita inspiração pra escrever…

Enfim.

Hoje é o aniversário da minha irmã. Eu me preparei toda pra ficar triste, botei a minha mais bonita cara de depressão e… nada. Não fiquei jogada num canto chorando, não deu dor no coração, não deu aquele vazio esquisito. No começo, me senti culpada: será que estou esquecendo da minha irmã?? Mas depois, achei até bom, finalmente essa dor começa a virar saudade, dessas que a gente sabe conviver e até gosta de sentir.

Até porque, mais do que não sentir dor, eu senti foi uma puta vontade de contar sobre a vida pra ela. De tudo que aconteceu desde que ela se foi. Seria um longo e divertido papo, eu fico até imaginando: “menina, acredita que eu trabalho na Playboy? Que eu casei? Que eu engravidei? Que o papai também casou? Que ele também chegou a pensar em filhos? Que o Brasil tem uma mulher presidente? Que eu moro na Argentina? Que também tem uma mulher presidente? Que eu ainda escrevo blog? E que tem alguém que lê?! E que todas as vezes que eu ando de avião (e não são poucas) eu penso em você e na vontade que você tinha de voar? Você está voando, querida! Voa muito, muito alto, sem medo, sem barreiras…”

Hmmmm.

Que saudade! Que alegria por ter convivido com essa mocinha. Que vontade de dar uns cascudos nela! E chamá-la de pirralha! Ai, ai. A vida dá voltas por onde a gente não consegue prever e eu sempre fico admirada com uma coisica, só uminha: o amor. Que é imbatível, insubstituível, imortal. Como esse que eu sinto pela Fê, minha querida, saudosa e insuportável irmã mais nova.

/

21 respostas em “I wanna tell you how much I love you

  1. Que bom que o vazio no coração deu lugar a saudade. Eu também morro de saudades do meu irmão e bato vários papos com ele, e imagino seus conselhos e se ele me levaria a sério agora que não sou mais uma piá.
    Dizem por aí que saudade é o amor que fica.
    E é mesmo né? O amor é maior que tudo e esse ninguém nos tira! E quanto mais a gente dá, mais recebe.
    Ai ai, o amor… rsrs

    beijos amorosos!

  2. que lindo Carol, sinto falta dos seus posts com epopéias e tragicomédias, mas este é tão especial, acho que é isso mesmo, o amadurecimento da dor de perder um ente muuuuuuuuuuuuuuito querido, chega uma hora que passa a tristeza e fica só a grande e incontrolável saudade para sempre!
    mas saiba que ela tá ouvindo tudo o que vc contou pra ela viu? for sure… e muito mais! rs
    um beijão, aparece, saudades!

  3. Que lindo querida! e que libertação! é uma saudade, que existe e sempre existirá, mas de uma forma diferente!

    Como foi o final de semana com o povo?:

    beijocas, ju

  4. Bonito esse ânimo. Dizem e é verdade, o tempo cura todas as feridas… mas ainda não nos faz esquecer os maus momentos e ainda bem, que assim podemos recordar para sempre pessoas queridas como a tua irmã.

    Bjs*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *