E aí que, um mês depois da implantação do chip, mommy voltou a São Paulo pra ativar o aparelhinho (aliás gentes, quem quiser saber mais sobre essa operação que ela fez e como é possível voltar a ouvir depois disso, entra em Implante Coclear – lá tem tudo!).

E a história continuou…

Rio, 25 de novembro de 2004, publicado originalmente aqui
O dia em que o telefone mudou a vida
Liguei pra ele pela centésima vez. Estava muito nervosa. Lógico. É hoje o dia do chip. Esqueci do trabalho e de todas as pendências. Quando o telefone tocou, gelei. Ele ria muito, parecia entretido com o que estava acontecendo:
– Fala com ela!
– Mas já? Ela vai ouvir?
Fudeu. Chegou o grande momento. Não sei o que dizer, estou muito ocupada fingindo estar enrolada no trabalho. What the fuck am i going to say?
De repente, muda a voz no telefone. Não é mais ele, é ela:
– Filha?
– Mãe?
Belíssimo diálogo, um espetáculo. Tô ficando animada:
– Tá me ouvindo, mãe?
– Tô mais ou menos, filha. As coisas estão confusas, mas muito engraçadas! Onde você está?
– No trabalho. No meio da tarde, né?! E você?
– Quê?
– Onde você está?
– Ah, saindo do hospital. Voltando pro Rio. Sua voz tá feia, hein?
– hahahahah, mãe, é impressão sua… (impressão porra nenhuma, mas não vou desenganar a coitadinha logo agora)
– Mas a do seu pai está pior, não consigo parar de rir! (e não consegue mesmo, ela gargalhava o tempo inteiro).
– Você achou a voz do meu pai feia?
– É… parece voz de pato. Pato Viado.
– hahahahahahahahahahahahahahaha
– Bom, estou indo filha. A gente se fala em casa.
– Ok mãe, boa viagem.
Desligamos o telefone.
Eu desandei a rir. Não sei do que estava rindo, se era do Pato Viado, se era do telefone que faz a voz ficar engraçada, se era da vida mesmo, que é tão impressionante que faz conversas bobas assim ganharem o status de mais importantes de todos os tempos. Impressionante.
Depois disso, essa que vos fala, além de rir, começou a chorar pelos corredores da empresa. Porque a vida é muito foda e deu nova trilha sonora à existência da minha mãe.
E à minha também.

***

Falei com o Pato Viado meu pai agora há pouco no telefone e pude sentir que estou lidando realmente bem com tudo isso. Ele tava todo fúnebre, falando de exumação e esses papos brabos e eu não consegui entrar no clima.

Preferi contar da minha ida ao hospital, das dores na coluna e das gargalhadas sem fim (vocês acharam que eu tava brincando? Nanão, eu tô rindo disso tudo meeesmo). Contei que estou fazendo as pazes com o dia de hoje e com o acontecimento em si (muito bem sugerido pela Natália nos comentários, aliás) e que só consigo achar tudo bonito agora. Comentei desse causo do Pato Viado dela voltando a ouvir e finalmente consegui fazê-lo rir um pouco.

Pra mim, já valeu. Eu fiz meu pai rir num dia que ele só sabe chorar. Terminamos a ligação falando um monte de besteira, às gargalhadas, bem no estilo que ela tinha, de rir bem alto e com todos os dentes pra tudo.

Daí cheguei à conclusão que a melhor homenagem que posso fazer pra minha mãe hoje é sorrir e muito, sem medo de ser feliz.

😀

/

/

24 respostas em “7665 dias com ela, parte 2

  1. Nem sei se meu comentário será lido no meio de tantas centenas…rs. Sempre acompanho voce, ta? E estou muito muuuito feliz por seu momento. Espero que tudo caminhe só na alegria apartir de já.
    Beijaooooo
    p.s. é isso aí. a aceitação é o único caminho real para a paz, já dizia Buda. Beijao!

  2. Sempre acompanho em silêncio o seu blog, que achei do nada, nas minhas andanças pela internet. Tô muito feliz por vc, mesmo sem te conhecer. Hj esse post me fez rir e refletir num momento um pouco triste. E me fez bem, obrigada!
    Daí fui (na curiosidade) saber um pouco de vc. Vi a foto e te reconheci Vc já estudou na Eco? rsrs

  3. Ah, que lindo!
    Rir, rir, rir, não há melhor remédio.
    Pelo que vou entendendo, foi a tua mãe que te ensinou a rir, a dar a volta por cima dos fatos mais punk da vida usando a alegria… não sei no que você acredita, mas a meu ver Deus fez a tua mãe assim, de rir alto, de te ensinar a rir, porque sabia que você iria precisar aprender a rir.

    Um abraço!

  4. Carol…

    Rir sem dúvida é o que ela queria que vc fizesse…pois então o faça!!!Com esse sorriso lindo e aberto que vc tem,!!!

    P.S: Deixei as informações que tu me pediu no cometário na tua sessão de contatos aqui do blog…bjs!!!

  5. Ai Carol, e quem nao riria de coisa tao engracada dessas!
    E a verdade eh uma so, o tempo cura essa magoa da perda e a gente aprende a lidar com a dor.. algumas pessoas nao precisam de mais do que 2 anos pra isso, outras precisam de uma vida toda.
    Mas o importante eh o q vc sente e com sente e vc esta no caminho certo!
    Um gde bju pra vc e pro bebe

  6. "Pato Viado" Hahaha o senso de humor com certeza vc puxou da mamis!!
    Acho que o melhor que vc pode fazer, por vc, pela sua mãe e irmã e pelo papis, é isso, tentar lembrar somente as coisas boas e transmitir isso tudo para ele, vc está certa, ta levando com vc só o que foi bom!!
    Vc é admirável!!

    Grande Beijoo

  7. Carooooooooooooool to mega feliz por vc.
    Apesar de eu nao comentar muito por aqui eu sempre venho e até pensei que vc estava gravida quando vc falou do cansaço no outro post.

    FIZ UMPOST HJ E CITEI VC!!!
    DEPOIS VAI LA!!!

  8. Nossa como dizia a sábio palhaço Bozo:" SEMPRE RIR! EH MELHOR SEMPRE RIR!"

    Qto mais eu vivo, mais eu chego a conclusão que felicidade é uma escolha que fazemos diariamente. Eh acordar, abrir os olhos de optar por ser feliz. Simples assim.

    um bjo enorme

  9. Simplismente LINDO!
    é EMOCIONANTE viajar atraves de suas palavras..
    Prazer em lhe conhecer, sou Mayra.
    Lindo post… ou melhor LINDOS!!
    Estou sem palavras…
    só dizer que vc conquistou e ganhou mais uma seguidora..

    Que Deus seja sempre a tua força!

    May

  10. Acredito que o maior tributo que sua mão pode querer é sua felicidade!!
    Sempre passo por aqui pra te ler, acompanhei a perda e agora estou muito feliz por esse baby que esta crescendo ai!!!
    Com 12 semanas você já pode fazer a sexagem fetal e descobrir o sexo, eu fiz e não me arrependo viu.
    Bjos e vou te linkar.

  11. É isso, sorria muito!! Com certeza é o melhor a se fazer!!!
    Vc viu que fofo o saquinho gestacional, rsrs!! Tô doida para escutar o coraçãozinho, deve ser muito emocionante!
    Beijos!!!!

  12. Oi Carol, descobri que vc tava gravida pelo blog da Pati. Fiquei super feliz, pelas duas gravidas. Na verdade falar este tipo de coisa ainda parece meio estranho pra mim, ja que a gente não se conhece, mas a verdade é que sempre torci muito por ela (que é minha xara) e por vc. Acho teu jeito muito bacana, de bem com a vida, acima de tudo. E hoje li um monte de coisas sobre vc que eu não sabia ainda. Que bom que vc ta bem e que ta tudo dando certo. Que continue assim. Parabens pela gravidez 🙂

    beijos

    Pati

  13. Linda homenagem…
    Perdi minha mãe, seis meses depois engravidei… é muito difícil sem a mamãe por perto, mas tenho certeza que ela me acompanha, onde quer que ela esteja… Tenho uma SUPER ANJA DE GUARDA!!
    E vc tem DUAS!!!
    Bjs e sorria, sempre!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *