Hoje, ao me arrumar pro trabalho, lavei o rosto, espirrei água termal, hidratei a pele, passei um pouquinho de primer, usei corretivo, passei rímel, acertei a sobrancelha, passei um blush e terminei com um batonzinho. Um pouquinho mais de água termal, uma boa escovada no cabelo, perfume, uma ultima olhada pra ver se tava tudo certo e fim.

Até aí, normal, certo?
Pra mim, errado.

Até dois meses atrás, eu acordava, jogava uma água no rosto e ia pro trabalho. Me sentia esquisita, meio largada e de vez em quando até usava um gloss velho que ficava jogada na nécessaire sujinha de maquiagem, mas foram inúmeras as vezes que eu saí de casa sem nem mesmo pentear o cabelo. Não me achava vaidosa de jeito algum e até tinha um certo orgulhinho besta daquilo, daquela carinha alternativa-pseudo-desligada que eu ostentava. Porque eu achava que não precisava PINTAR a cara pra me sentir bem.

Então engravidei. E se eu não penteava o cabelo antes, ora, imagina grávida. Eu vivia e respirava gravidez. Não tinha outro assunto, outro motivo, outro sentido. Não tinha mais EU. Tinha o bebê que crescia na minha barriga e só. Era meu propósito, meu objetivo e o resto, era resto. Só que meu grande motivo de vida se perdeu, vocês sabem. E com ele, aquela que já não existia quase – eu – definhou-se.

Foi aí que Alice chegou a Buenos Aires. Em missão de resgate. Dois depois que tivemos a noticia do aborto retido, ela estava aqui, pra me salvar. Abriu as janelas da minha casa e disse que era chegado o tempo de luz. Que íamos limpar todo o ruim e deixar entrar o positivo. Que íamos movimentar as energias e absorver a perda, mas olhar pra frente. Foi ela que sugeriu orarmos pela alminha do filho perdido. Foi ela que me fez rir de bobagens de novo, me lembrou que a vida pode ser leve, mesmo em momentos ruins – porque não? E foi ela que me fez olhar pra mim – por dentro e por fora também. Ela me fez ver.

Engraçado só conseguir perceber isso tudo hoje, mais de dois meses depois do ocorrido.

Pois bem. Depois de limpar a minha casa, cozinhar feijão e me emprestar o ombro pra chorar, Alice foi dar uma olhadinha na minha nécessaire, aquela sujinha sobre a qual comentei alguns parágrafos antes.

E se horrorizou, tadinha. Minha gente, tinha coisa vencida desde 2005! Coisa velha, dura, de qualidade duvidosa. Sabe o que fizemos? Jogamos tudo fora. Eu me livrei de rímeis, bases, blushes, sombras e o que mais vocês imaginarem que eu tinha e não usava. Como foi simbólico isso pra mim. Limpamos o que já não servia. E isso me encheu de coragem de partir pro novo.

Pode parecer nojento ou de mal gosto falar isso, mas é tão forte e marcante: eu lembro de sair pra bater perna com Alice, pra comprar maquiagens e roupas novas e ao mesmo tempo sentir o sangue descendo de mim. Eu estava abortando e isso me matava. Mas, ao mesmo tempo, uma felicidade tímida nascia e eu preferia nao admitir na época. Como se comprar maquiagem nova me mostrasse que tudo tinha (e deveria mesmo ter) seu lado bonito.

No meio daquilo tudo, eu precisava me sentir bonita. E olha, eu me senti.

Espero que isso tudo que estou dizendo não se entenda mal: eu não precisava perder meu filho pra me sentir bonita. Nem pra aprender a me maquiar e comprar coisas novas. Só o que estou dizendo é que finalmente vejo que as coisas são como devem ser. E que a maquiagem – esse assunto que eu tanto tinha orgulho de desprezar – se tornou essencial. Me ver bonita me causava um prazer até então desconhecido, ignorado.

Uns dias depois, quando eu voltei ao trabalho, esperava ver um monte de olhares de pena e comentários sobre como eu estava mal depois do acontecido. Mas sabe o que eu ouvi? Uma surpresa generalizada sobre como eu estava bonita. Iluminada. Lógico que eu sofria muito por dentro. Mas o que tava do lado de fora era o reflexo de um forte desejo meu e de um ensinamento da Alice: que as coisas ficassem bonitas de novo.

Alice foi embora e deixou essa herança pra mim. Alice foi embora, mas, pensando bem, nunca foi. Alice salvou a minha vida.

***

E vocês não sabem a felicidade que é pra mim, hoje em dia, comprar uma makezinha nova! A-DO-RO. Não tem um dia na minha vida que eu saia na rua sem estar minimamente “revisada”. Não tem prazer maior me olhar no espelho e GOSTAR do que estou vendo. Me amar, me ter como prioridade.

Ai, que alegria.

***

Alegria maior ainda é ver que Alice (em parceria com a amiga Tatiana), depois de muito encheção de saco minha, lançou um blog! Ai que amor! Além de me fazer bem, ela resolveu fazer bem pra todo mundo com suas diquinhas de maquiagem, moda, beleza… Passe pra conferir, ela é ótima, eu agarantcho!

***

Last, but not least: amada amada Alice, obrigada. Do fundo do meu coração maquilado.
Love u.

 nós duas lindas e maquiladas (e bobonas) no casamento dela
/

/

41 respostas em “Sobre as coisas mais bonitas

  1. Minha avó diz assim:
    "Por pior que tenha sido a experiência sempre se aprende algo. Com certeza poderia ter se aprendido de outra forma, mas deixar de crescer é burrice."
    Acho que é por aí mesmo. Você poderia ter descoberto o prazer que mora na embalagem de maquiagem de outra forma, com certeza, mas isso não te proíbe de ter descoberto agora.

    Beijão!

  2. É Carol…
    Nestes momentos que vemos o quanto ter pelo menos um amigo de verdade salva nossa vida, é a dualidade da felicidade num momento muito infeliz, saber que não estamos sozinhas, somos acolhidas e amadas, não importa o que aconteça.
    Nossas amigas são as irmãs que escolhemos quando Deus as coloca na nossa vida. Amo muito as minhas.
    Parabéns pela volta por cima!! É assim que deve ser mesmo!! Tudo na vida tem uma razão e um dia você saberá qual foi a razão disso tudo (Se já não souber.. rsrs).
    Beijos!!
    Dani.

  3. Que privilégio ter uma prima-amiga-irmã como a Alice!
    E que lindo tudo o que ela trouxe pra tua vida. Vocês duas juntas nessa foto é tudo de bom!!
    Vou lá no blog dela e quem sabe eu não aprendo esse milagre da maquiagem também!!

    Beijo

  4. Sabe Carol, acho que é isso que todas nos deveriamos fazer e as vezes acabamos nos acostumando, desanimando e esquecendo do essencial, nós mesmas. Eu to em uma fase assim tmb, tao bem, me sentindo linda, leve e solta! Rsrs Faz um bem danado pra nossa alma, pro nosso ser, pros nossos dias!! E eu a tempos atras, so respirava baby, so pensava nisso, sem nem ter o meu!!!
    Agora, isso soa mais calmo pra mim, eu me coloquei em primeiro lugar antes de tudo e to me sentindo bem mais leve, melhor 😉
    Espero que vc consiga continuar assim, vc é linda, é inteligente, é engraçada, sabe que sou sua fãzona ne?!
    AmO!!
    se cuida
    BJOKAS

  5. Olá Carol!!
    Muito bom ler seu post com algumas mudanças começando a se lembrar de vc!!
    Certa vez meu analista disse para mim: se você acha que chegou ao final do poço pare de cavar para não se afundar mais ainda!!
    Acho que você começou a parar de cavar e isso vai ser maravilhoso para sua vida!!
    Que tudo seja melhor!
    Bj

  6. Oi Carol, tô seguindo !
    Adorei seu blog ! Você é muito divertida.

    Eu tmb não ligava muito pra maquiagem, achava futilidade demais, até que me joguei depois de muito relutar, e hoje em dia nem que seja um rimelzinho + lápis + gloss pra ir na padaria, dar aquele UP deixa a gente até mais contente.

    Beijoooos (:

  7. …q estranho… Não tenho muito com o que me alegrar, mas estou bem por ver que vc está melhor
    ps: por favor, ñ leve isso como nenhum tipo de invejinha branca, nem coisa nenhuma do tipo…

    =)

    Isa

  8. Isso mesmo Carol, super entendo, o mood começa dentro da gente, e querer ficar bonita, se cuidar é o primeiro passo pra vida começar a ficar melhor pra gente… sobre o email tentei mas só vejo off line…sniff
    beijos

  9. Ai que lindaaaaaaaaaaaa! Alice será o nome da minha filha caso ela venha a ser mulher, né?
    Adorei a homenagem e como eu sou uma amiga atualizada eu já sabia disso tudo sobre maquiagem e tals. Tô até me inspirando e arriscando uns rabiscos no rosto. =)

    beijoca enorme!

  10. Carol, eu tive uma "Alice" em minha vida que foi minha mama querida. Ela semrpe dizia da importância de estarmos bem. Eu super absorvi isso desde nova.

    Quando tinha 20 anos, operei o apendice e sabe o que estava fazendo horas depois da cirurgia: Maquiagem, rsrs.
    Ah, quando eu fui ganhar a Manu tb, as enfermeiras falaram: Nossa, nunca vi uma mãe na sala de cirurgia tão arrumada, rsrsrs.

    Quem nunca experimentou, vale a pena.

    Bjks queridona!! Ah, adorei o vídeo do sorteio. Você tem a voz do jeitinho que eu imaginva, louco isso, né?

  11. Adorei o post Carol, é isso aí mesmo… Eu queria voltar a me maquiar todo o dia há hooras, e sempre ia protelando, quem sabe agora eu me inspiro em ti e na tua amiga?
    Ah, e as maquiagens argentinas são o must, tem mais é que aproveitar mesmo!
    Ah2- que são essas águas termais?
    Ah3 o blog do teu marido é o máximo, leio para o Arthur antes de dormir 🙂
    beijos

    fui

  12. Carol,
    Faz uma ano, mais ou menos, que virei uma viciadona em make!
    Eu também nem ligava, sabe… passava um batom para trabalhar e tava bom. Pra sair passava o que tinha, o que era beeem escasso, e eu nem sabia direito como passar sombra (mal sabia o que era côncavo!).
    Daí que minha mana de 15 anos, na época, começou a me mostrar videos da internê de meninas ensinando a fazer maquiagem.
    Me apaixonei! Comprei muiiiito produtos, desde os bbb (como vult) a uns mais carinhos – mais ainda tenho que criar coragem para comprar algo da MAC (R$ 69 num batonzinho num dá, tenho dó).
    Hoje não passo uma quarta sem ver o tu-tu da julia petit. E sou assim como vc: faço uma produção básica para trabalhar. AMO!

    Alice foi e é tudo na sua vida, hein! Num perca ela de vista, não! Tb tenho uma prima muito querida, que com certeza é a minha melhor amiga.

    Bjs e boa semana!

  13. Eu sou pela peruíce, desde sempre. E quem disse que ficar bonita e se arrumar é coisa de gente fútil?!?!?!
    ps. finalmente consegui ver o teu vídeo. Você é liiiiiiiiiiinda!!! beijos

  14. Eita, então será que ainda tenho jeito?! Até hoje, com quase 29 anos, nunca adquiri o hábito de fazer a mão. Acho lindo quem tá sempre com as unhas impecáveis, mas ao menor lascadinho eu já corro para a acetona, daí acabo achando que é dinheiro jogado fora e acabo deixando pra lá.

  15. Oi Carol…que bom saber que vc levantou a poeira e deu a volta por cima. Agora ter uma amiga como a Alice é tudo de bom. Fico feliz que vc esta bem e conta com uma superamiga (com hifen o usem hifen, hum nao sei).
    Estou daqui do Brasil torcendo por vc…..ah vc nem falou nada do Alfajor..magoei…Bj grande
    Núbia RJ

  16. Não se preocupe em orar pela alma do seu bb pq ele retornou a Deus tão puro qnto veio a essa terra.
    Mas percebi q vc ta mais animadinha. É isso aí. Bola pra frente pq sua alegria irradia o mundo. Muita gente suga um pouquinho dessa energia boa q vc passa pelo seu blog e queremos te ver assim.
    Bjs

  17. Carol,

    ando na maior correria, mas claro que vi seu vídeo (bah, não ganhei…) e adorei! Tô me achando a maior íntima sua. Todo mundo devia fazer o mesmo e se apresentar assim!
    Agora água termal? Aí você já tá no nível profissional da maquiagem! Sua amiga tá de parabéns!

    beijos

  18. Que bom que as Alices existem pra nos dar essa sacodida.

    Bem vinda ao mundo encantado da maquiagem, querida. É uma delícia. Mas é um caminho sem volta rsrs.

    Lembro a primeira vez que passei Blush. Falei: "Gente, que coisa esquisita!"

    Agora siacostumei. E nada dessa Elke Maravilha sair de dentro de mim, desde então.
    a-d-o-r-o!

  19. Carol quanto tempo amiga!
    Eu adorei esse post
    1º Vi que você está ótima e linda.
    2º Adoro maquiagem e sei bem o que é a felicidade de comprar kkk…
    3º Por que percebi que aos poucos você está voltando a ser essa pessoa que me faz rir, continue assim viu.
    E se embora juntas nas tentativas, uma hora a gente acerta né!
    Beijos e boa semana pra vc!

  20. Pois é Carol, fiz o teste e nada, só me restam dúvidas e mais dúvidas… Adorei o post e a foto, tu tá com uma cara de moleca danada! rsrs Eu tenho uma Alice que se chama Eliana rs. Beijokasss 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *