Certamente é a pergunta que mais me fazem depois que perdi o baby. Todo mundo quer saber se vamos tentar de novo, se vai ser mês que vem ou ano que vem.

Só que a verdade é que eu ainda não decidi o que fazer daqui pra frente.

Mesmo que eu quisesse engravidar djá, na consulta de revisão que tive ontem, a médica pediu pra eu esperar dois ciclos de menstruação normal antes de tentar de novo. Menstruação essa que só deve vir de 25 a 45 dias do dia do aborto. Fiz uma conta mental rápida e percebi que só voltaria ao assunto a partir de novembro. Novembro… mesmo mês que comecei as tentativas, no ano de 2009. Vai ter passado um ano e nós começaremos do zero, de novo. Eu sei que falei da teoria da espiral aqui e não era mentira, realmente acredito nela. Sei que estou mais forte e tudo mais. E também sei que daqui pra novembro é um pulinho, vai passar rápido.

Mas, vou admitir uma coisa aqui: eu não estou nada bem ainda. Tudo dói muito. Num nível que não dá pra explicar ou simplificar com frases do tipo “eu choro todos os dias”, porque isso é óbvio. Tenho vergonha de mim mesma e uma inveja feia de quem parece que superou tão bem essa experiência merda que é um aborto. E já que estamos confessando, aí vai mais uma: não consigo aturar muito bem as pessoas grávidas, não consigo ver babys na rua, loja de criança, nada disso. Outro dia, eu tava vendo um filme super bobo; tava distraída e rindo. Daí sabem qual era a porra do final feliz? A mocinha ficava grávida. Fechei a cara na hora. Acabou com todo o esforço que eu tinha feito pra ter um momento de leveza.

Parece que a única felicidade possível é o filho, é a barriga. E nem é que eu esteja negando, porque eu sinceramente faço parte dessa turma “filho é tudo de bom” sem nem mesmo ter tido o meu. Mas é foda seguir assim depois de um aborto, parece que a vida acabou, só que eu preciso me lembrar que existem outras coisas.

Aí fico imaginando o que seriam essas tais outras coisas, me forçando a pensar no que fazer com essa tal liberdade. Começo a visualizar noitadas tomando porres gigantes, comendo mal, dormindo sem ter hora pra acordar. Me animo. Fico feliz de ter a minha vida de volta, de poder voltar a viver sem aquela tensão toda das tentativas ou mesmo da gravidez. Me olho no espelho e me acho maaagra e isso me faz tão bem.

Mas… o corpo magro me faz lembrar da barriguinha pontundinha que eu tinha e da única época na vida que fiquei orgulhosa de ostentar um volume a mais naquela área. Me lembro da felicidade que eu sentia de poder estar realizando um sonho. Das conversas de grávida que não acabavam nunca. Dos mil planos. Dos mil sorrisos.

Aí minha vontade de engravidar vai lá no céu e eu fico até pensando se não posso estar ovulando naquele exato momento. Hein? Será? Tudo de novo? Ai ai ai, será que consigo?

E instantaneamente me dá um meeeeedo. E uma preguiiiiiiiiiça. Aí volto ao pensamento inicial e, bem, não decido nada.

Mas enfim, não me sinto pressionada a decidir nada não, só estou tentando responder (pra mim mesma, acima de tudo) a essa pergunta que tanto me fazem.

***

Tudo isso pra concluir exatamente a mesma coisa que já tinha dito no segundo parágrafo deste post: que eu realmente não sei o que fazer (oi? Proxila, eu? Magina).

ps.: Maridón leu o post e me perguntou se eu tô com raiva das grávidas e afins. Ô gente… claro que não. Estou feliz que algumas queridas conseguiram finalmente a gravidez e que outras estão curtindo tranquilas suas barrigas. E outras lambendo suas crias. Por favor, não me entendam mal. Estou triste por mim, pelo que aconteceu comigo. E morro de vergonha de sentir essa falta de paciência que citei acima. Mas enfim, espero que me compreendam e não fiquem brabas. Fica o adendo, acho importante.

32 respostas em “E agora?

  1. Ei, moça…
    Engraçado eu vir aqui comentar… porque você nem me conhece, mas prá mim, que já leio seus posts há algum tempo, você é como uma amiga…
    E é por isso que fiquei com vontade de passar por aqui e te oferecer (mais um) ombro (porque graças a Deus vi que vc já tem muuuuuitos!), e te dizer que estou pedindo para Papai do Céu ajudar vocês nessas decisões, viu?
    E dizer que, na minha humilde opinião, você deve se permitir sentir o que o seu coração mandar, sem cobranças.
    Respeite o seu tempo… Ele se encarrega do resto!
    Um beijo, com carinho…

  2. Oh Carolzita, você é HUMANA.
    Não é infalível.
    Não precisa ser POLITICAMENTE CORRETA, pois você teve um momento de muita dor.
    tem direito de sentir TUDO ISSO E MAIS UM POUCO…
    Gravidez não é só glamour, book de gestante e enfeite de porta de maternidade como muitas pensam…
    Você está vivendo um dilema porque REALMENTE SE DEU CONTA do QUANTO QUER SER MÃE.
    De como será difícil começar de novo, de esperar, tentar…viver tudo de novo.
    Mas VIVA isso…permita-se passar por todas essas emoções, pois faz parte.
    Nunca tive um aborto.
    Estou grávida, mas mesmo assim, penso em TUDO O QUE PODE ACONTECER.
    Pode dar tudo certo…pode não dar.
    Peço a Deus que tudo corra bem.

    beijos

    Ah, e nem esquenta com a possível interpretação dos seus sentimentos…
    E quem nunca sentiu raiva por não ter algo, ou não poder ter algo???

  3. Carol,
    Eu imaginava que vc poderia ficar com esse sentimento estranho com as gravidinhas.. e entendo. Juro! Quanto mim, não se preocupe.. estou aqui por vc.
    Não sei se vc chegou a ler um comment que escrevi em um dos últimos posts, falando de uma mocinha do youtube que passou pela mesma coisa que vc.. pois ela já conseguiu engravidar novamente!!
    Olha o link aqui:

    Novamente, não sei se ajuda ou atrapalha.. mas fica a experiência como exemplo e esperança de quem passou pela mesma coisa!
    Beijos pra vc minha amiga!

  4. Xará…
    momento confissão: quando eu estava tentando e me espetando toda com o tratamento caro, dolorido e demorado, ficava horas na sala de espera do consultório médico e isso incluia assistir as mãezocas vindo trazer seus lindos babies pro dr. conhecer.
    tinha uma raiva, uma frustração tão grande. ficava indignada com o fato delas levarem os bebes alí, com tanta mulher sofrendo pra conseguir o seu próprio.
    isso é normal. esse sentimento de revolta contar tudo o que é maternal e de rendinha ou malha macia.
    entendo vc. e muito.
    mas o importante é não ser só raiva.
    outra… a dúvida existe sim, essa sensação de estar ilhada entre tantas perguntas e decisões a serem tomadas.
    calma… vc não precisa decidir nada agora.
    se cuide, cuide do maridex aí.
    bjocas

  5. Oi Carol!

    Isso e completamente normal! Passar pelo que vc passou nao e facil, mas tenho certeza que vc vai se recuparar e voltar a sonhar sem dor… VC e uma guerreira menina, sua historia de vida nao e facil e vc chegou onde chegou, e vai mto alem!

    Se sinta abracada!

    Bjnhus

  6. Eu sei exatamente do que está falando Carol, senti o mesmo, não queria ver grávidas na rua, na televisão, não queria mais falar de crianças, não queria mais tocar nesse assunto. E quando a Debora postou o primeiro ultrasson do Vicente (nossos bebes era pra ter a mesma idade), chorei muito e meu marido chorou junto. Me sentia fracassada, um lixo de mulher. E quando as blogueiras anunciavam que estavam grávidas eu chorava mais e quando ia fazer seus ultrassons eu chorava mais porque sequer havia conseguido fazer o meu primeiro. Meu médico que fez meu tratamento passou para mim antidepressivo, bem leve. Me concentrei em emagrecer e preparar meu corpo para uma gravidez e dizer que foi passando, amenizou muito, mas no dia que era pra ser meu parto, chorei. Agora estou nas tentativas novamente, dez meses depois do ocorrido. É um filho que a gente perdeu e não um copo, acho que isso marcará nossas vidas pra sempre, estou escrendo isso e chorando. Não há receita para melhorar esses sentimentos, só o tempo, temos que continuar e no começo é muito dificil pensar em tentar de novo (pra mim que não sabia a causa do aborto), me acalmei mais quando fiz vários exames geneticos e não deram nada. Estou levando o tratamento, mas tenho muito medo, me recuso a pensar muito em estar gravida, é um processo de negação, por medo de me decepcionar. Mas o melhor remédio é o tempo.

  7. Acho que é natural essa "inveja". Todo mundo sente isso. Quando eu tava nas tentativas, ficava tentando adivinhar a idade das mulheres grávidas na rua, vendo quantas eram mais velhas que eu. Quem não consegue amamentar também acha horrível ver outras mulheres amamentando. E vai ser assim, até que seja a sua vez. E sempre vai ter alguém te olhando e querendo estar no seu lugar…

  8. Eu te entendo perfeitamente…
    Vc não tem raiva de ng e sim da situação…Ca, vc ñ precisa se justificar não!
    Só o tempo vai fazer as coisas amenizarem e só assim vc terá discernimento pra saber se volta ou não com as tentativas.
    E tenho a mais absoluta certeza de q, qdo vc voltar a tentar, será uma nova tentante, vai ver as coisas de uma forma completamente diferente, vc vai ver!
    E eu estarei sempre aqui, no camarote (sim bem, pq eu não estou somente na arquibancada não…rs) na torcida organizada por vcs!!!!

    Bjos

  9. Vc é fonte de inspiracao para muita gente.
    Admiro demais a forma como vc consegue expor seus sentimentos de maneiras tao honesta. Preto no Branco.
    Carol: vai passar. Eu sei que vc sabe, que todo mundo te diz isso but "it is what it is".
    Chore qdo tiver que chorar e viva esse luto, pois daqui a pouco vai passar. Nao é bom guardar nada. Poe pra fora mesmo.
    um bjo enorme no seu coracao

  10. Esse é o tipo de situação em que conselhos não ajudam nada, afinal só vc é capaz de saber se está preparada ou não pra começar tudo de novo. De o seu tempo e bola pra frente.
    E essa "invejinha" é tãoooooo normal! Vc não deve se envergonhar não!!
    beijo grande, Re

  11. Oi Carol,

    Todos esses sentimentos q vc esta passando no momento sao absolutamente normais. Eles sao necessario para a recuperacao depois de um trauma sofrido(no seu caso a perda do bebe).
    Todos em uma determinada parte da vida ira passa por sentimentos parecidos, no seu caso sao coisas relacionadas a gravidez. Ha casos relacionados a separacao (marido/mulher) q nao conseguem "aturar" casais/pombinhos apaixonados e assim se vai… diferentes exemplos para diferentes acontecimentos.
    O importante eh vc viver cada fase, cada momento e dar a si mesma tempo para curar o q no momento te machuca.
    bjs

  12. Oi Carol!! Sigo seu blog a um tempinho e adoro!! Sinto muito e tb passei por um aborto, de 8 semanas, e a verdade: tudo o que vc esta sentindo É ISSO MESMO!!! Eu tb não queria ver grávidas, coisas de bebes, sabe, a felicidade alheia. Mas meu conselho: se permita sofrer, se permita chorar, esse é o momento de vcs. Aquela frase de que tudo vai passar, vai mesmo, mas na hora que tiver que ser. Hoje depois de 7 meses apos meu aborto estamos ótimos, e começando a pensar de novo. Mas se permita um tempo sabe, para vc que não entre na próxima gestação uma pilha de medo a ansiedade. Enfim, se quiser conversar conte comigo.
    bjos

  13. Carol

    Entendo perfeitamente seus sentimentos. Antes de engravidar, ouvia durante todo o dia, minha amiga de trabalho e vizinha de mesa conversar com sua barriga.
    Confesso que aquela cena (que se repetia durante muitas vezes ao dia) me incomodava profundamente.

    Vc tem todo o direito do mundo de se sentir estranho com tudo isso.

    Estamos torcendo para que essa fase passe bem rápido.

    Fica bem.

    Bjs

  14. Carol, esse momento que vc está vivendo é de reflexão, de deixar a poeira baixar, deixar seu corpo e mente se recuperarem. Não precisa saber o que fazer nem se sentir envergonhada. Vc passa por uma frase braba e só vc saberá quando ela terá terminado. Enquanto isso, chore, tenha raiva, desabafe, reclame… pra colocar tudo pra fora. O que vier depois será mais colorido e leve, com certeza.

  15. Carol, é natural que tudo esteja confuso na sua cabeça. Não dá para ser racional e nem cobrar praticidade nesta situação. Afinal estamos falando de vidas.

    Acho que o tempo te mostrará respostas. Às vezes vc já as têm, mas os seus signos e significados ainda não estão bem decodificados. Tudo é um processo, que leva um tempo para ser findado ou compreendido.

    Não se cobre muito não.

    Chore sua dor, mas tb aproveite para sair, dormir, beber.

    Você saberá o que fazer. Pode ter certeza.

    Bjs

  16. Ola Carol…eu como mtas venho lendo seu blog todos os posts…as vezes comento, outros não, nem sei se vc ja leu algum comentario meu
    Mas nesse momento, sei exatamente oq esta passando com vc..qdo minha mãe perdeu nenem eu fiquei como vc..não é raiva de gravidas..mas vc reflete tudo oq te aconteceu em frações de segundos
    Não se cobre de decisões nesse momento, chore oq tiver q chorar, e não se cobre uma decisão tão breve…seu organismo precisa de um tempo e vc tb precisa desse tempo…
    Força, estamos com vc
    bjinhus

  17. carol xará, é a primeira vez que eu escrevo… começei a acompanhar seu blog um pouco antes de vc enravidar e, obviamente, tb fiquei mto triste com a sua perda…
    Passei pela mesma coisa que vc, com a diferença que já tinha um filho… mas depois de ter o Tom, meu mais velho, sofri dois abortos… um descoberto com quase 12s (mas que tb tinha acontecido na nona semana).. foi horrível, sofri muito… uns 6 meses depois eu engravidei de novo e perdí de novo, desta vez com 6 semanas… não acreditava que eu viveria tudo mais uma vez…
    Nos dois casos optei por não fazer a curetagem, por deixar o corpo agir naturalmente e apesar de dolorido, achei importante viver isso assim, de corpo e alma, conforme eu sangrava, minhas lágrimas rolavam junto e qdo parou de doer fisicamente, a dor da alma tb estava melhor.
    Fiquei muito puta, com raiva do mundo, de tudo e de todos… cheguei a pensar em não ter mais filhos, que esse mundo era um lugar muito complicado para botar mais uma criança nele, que eu já tinha um filho maravilhosos e deveria me contentar com isso…
    Demorou um ano e meio entre o primeiro aborto e a gravidez do meu segundo, pq sim, ele veio! Numa gravidez de risco, nasceu prematuro de 8 meses numa cesárea de emergência, guerreiro que só ele, me mostrou sua força e determinação… pq acredito que a missão dele deva ser bem importante, pq ele fez de tudo para estar aqui comigo hoje!
    Enfim, para vc ver que na vida as dificuldades são imensas, mas as compensações são proporcionais!
    No fundo do poço tem uma mola gigante, vc vai ver!
    Inspirada pelo seu relato de aborto, ou escrever o meu tb, acho importante as pessoas poderem falar sobre isso…
    Na blog da familinha tem um link pro relato de parto do Tom, o do Leon eu ainda não fiz completo, mas tem um post falando da chegada dele… vou fazer os relatos dos abortos e te aviso… só para compartilhar.
    Existe o Instituto Gerar que ajuda mulheres e familiares a lidar com a perda de seus filhos, pq para as pessoas é só um embrião, mas para a gente é um filho, um sonho, uma projeção para o resto da vida… e sem ele, tudo parece perder o sentido…
    fique bem e se precisar conversar é só entrar em contato!
    Com amor, da sua xará
    Carol

  18. Oi Carol

    Nossa, não podia te entender mais. E sério, eu acho que tudo isso é só parte do caminho pra te fazer ser a mãe mais FODA da galáxia. Seu futuro filho é muito, muito sortudo!

    Beijo linda, se cuida…

  19. Olá! Cheguei ao seu blog através do bloguinho da Mamãe Polvo. Olha, não poderia deixar de te dizer uma coisa que pode parecer repetitiva: isso tudo vai passar, pode ter certeza. Eu sou a prova viva disso. Em agosto de 2007 eu sofri um aborto, com 8 semanas de gravidez. Passei exatamente por tudo aquilo que vc descreveu, o mesmo sofrimento e as mesmas dores, tanto a dor física como psicológica. Fiquei arrasada! Só comecei a pensar em engravidar novamente em maio de 2008, pois eu tinha ficado traumatizada. Além disso, dar um tempinho faz bem prá cabeça da gente. Até que finalmente, em novembro de 2008 descobri uma nova gravidez, que foi tranquila embora eu tivesse sempre apreensiva, com medo de que tudo acontecesse novamente. Mas graças a Deus, não aconteceu nada de errado e hoje estou aqui, com meu filhote que acaba de completar 1 aninho.
    Como eu disse, por mais clichê que possa parecer esta frase, é verdade, TUDO PASSA e tenho certeza que vc conseguirá superar tudo isso, assim como eu.
    Grande beijo.

  20. Oi, Carol. Leio sempre seu blog, mas nunca comentei. Mas agora PRECISAVA contar o que aconteceu comigo. Sempre quis ser mãe e por mim seria logo depois do casamento. Mas marido quis esperar, curtir a vida a dois (certíssimo, né?) e só começamos as tentativas, dois anos após o casamento. Isso me deixava angustiada, mas sabia que tinha que respeitar o tempo do meu marido. Enfim, começamos as tentativas e levei 11 MESES pra engravidar e qdo consegui e passei por toda aquela felicidade, perdi o bebê um dia após meu niver e um mês após ter pego o positivo. Meu aborto tb foi espontâneo, no banheiro de casa onde fiquei por 1 hora e meia já que não conseguia levantar pq os pedaços de sangue não paravam de sair (tô falando essa parte nojenta e punk pq sei que vc sabe como é). Tomei remédio por 1 semana pra parar as dores, me recusei a fazer curetagem e minha médica tirou o que faltava no consultório mesmo. Uma dor que ninguém pode imaginar! E passei pelo período de luto, de revolta, mas depois me enchi de esperança e depois de exatos 2 ciclos, engravidei novamente e hj tenho uma linda menina de 2 anos e 4 meses, a Giovanna, meu presente de Deus. Logo vc estará com seu presente tb. Fique bem e pense positivo!
    Bjs.

  21. Carol,
    Eu até fiquei aqui pensando em algo util e legal para te falar, mais hoje não estou em um dia bom para dar conselhos rs Pensei tudo isso que vc pensou, e até fugi de umas gravidas no fds kkkk Cruel viu!!
    Mas olha, não tenha pressa de decidir nada, deixa o tempo se encarregar e fazer as coisas acontecerem …
    Se cuida
    Um BeijO

  22. Amiga, te entendo perfeitamente! Tenho sentido essa coisa irracional com grávidas e bbs também!

    Fico com inveja quando vejo uma grávida (e o mundo todo tá grávido ao meu redor!) e daí peço perdão à Deus por esse sentimento que eu não queria sentir, mas sinto.

    Mas relaxa e entrega, nessas horas que as coisas não estão ao nosso alcance decidir, é por que está nas mãos Dele…. BJS

  23. Carol, faz uma coisa: conta lá no blogui o causo do dia da noiva da Jú pra gente da risada! Eu já ri de mim mesma, mas quero colocar no papel e tô só esperando vc pq vai ficar mais engraçado com certeza!!! Bjs e faça o que te der vontade. Bjs no Pedro tb!

  24. Carol,
    Demorei 2 anos para engravidar do meu primeiro filho e ele só veio depois de uma doença muito complicada do meu marido, que quase morreu, antes de tudo isso, eu sentia a mesma coisa, ouvia as pessoas anunciando sua gravidez e ficava triste e indignada (talvez com Deus, por não me dar o direito de ser mãe).
    Ao fim de todo esse episódio da doença do meu marido eu decidi que não tinha como pedi-lo para reiniciar o tratamento para engravidar. Acabei relaxando e deixando a vida passar… e ai aconteceu.
    Bom, tudo isso pra te contar que não tem o quê fazer, na verdade as coisas acontecem por sí e o melhor é deixar a vida correr.
    Abraços,

  25. Carol, eu sou amiga da Ju e estou te acompanhando faz um tempinho.

    Olha, eu nem posso imaginar o que você está passando, mas acho que você não deve fazer nada que não esteja com vontade. Você não precisa engravidar agora e nem precisa esperar 35 anos para tentar de novo, quando chegar o momento certo, você vai saber. Enquanto isso "curte" a sua "liberdade" para aproveitar o marido HOJE e não pensar no dia de amanhã. Viva cada dia com prazer sem fazer planos para o futuro por enquanto e deixa a vida rolar. Pq não planejar uma viagem legal no Natal e ano novo por exemplo?

    Quanto aos filmes procure por filmes antigos, filmes históricos, filmes de terror ou ação, esse não vai ter nenhuma mocinha ficando grávida. Só não veja nada sobre Henrique VII! =)

    E pode ter certeza que tem muita gente torcendo por você, viu?

    Beijocas!

  26. Carol, nao se sinta mal… voce eh humana, tem direito a sentir tudo o que quiser nesse momento que sabemos eh muito dificil. Quanto antes colocares tudo pra fora, mais cedo vais te sentir melhor e pronta pra outra… Extravaza guria!!! Beijao!

  27. Seus sentimentos são genuínos.
    Eu demorei dois anos para engravidar, então eu tive muitas crises em ver todas engravidando em minha volta e eu, nada. chorei qdo minha cunhada engravidou após um mês de tentativas, e eu já fazia mais de um ano e nada. Tive raiva de Deus, e tudo o mais. Mas não estava com raiva dela, eu apenas não aceitava a minha situação.
    Tive de fazer tratamento, pois tinha mais de um problema de infertilidade. Enfim engravidei. Queria emendar outro em seguida, todos diziam que era tão fácil após um tratamento e uma gravidez, então pensei, nem vou voltar a tomar remédio, para não ter que passar por tudo de novo. Pois eis que vou completar dois anos de novo sem conseguir. Aff! E agora, todas em minha volta estão esperando o segundo e eu, que já queria desde antes, até agora nada. Pensa que eu não sofro? Sofro menos que antes de ter a minha pequena, claro, mas ainda sofro.
    Antes as pessoas achavam que eu não tinha motivo para sofrer, pq meu dia ia chegar, um dia, quem sabe. Hj é a mesma coisa, com o fato de que dizem que já tenho a minha.
    Entonces, digo que só a gente entende o que a gente sente, as pessoas em volta, não entendem, a menos que tenham passado pelo mesmo.
    Sei que não consola dizer que tudo tem o seu tempo, que sua hora vai chegar, etc. Mas tenho certeza que, qdo vc decidir, acontecerá, sim e não vai ser tão demorado qto é comigo, pq pelo visto vc não tem problemas de fertilidade. Então calma. Vai dar certo.
    Tenho uma amiga que passou pelo mesmo que vc e apenas três meses depois estava grávida e não teve nenhum problema na outra gestação. Hj o menino tem três anos, é lindo e saudável.

    Beijos pra vc!

  28. Oi Carol, sabe que acompanho o seu blog a um tempinho, sabia que vc tinha perdido o bebe, mas não como, porque e tals, mas hoje estou me sentindo muito pra baixo, querendo morrer de tanta dor em meu peito pois tbm passei por um aborto e sei como é sofrer a cada dia com isso, voltar ao zero e saber que vamos sofrer a cada mes que a dita cuja vem, muito me confortou ler que temos sentimentos parecidos em relação á grávidas e bebes…..mas tenho certeza que Deus vai nos dar a luz que precisamos.
    Um Beijo e que possamos ficar bem…

  29. Exatamente …ocorreu comigo tbm , eu não gostava nem de sair de casa para não ver uma gravida ou um recem nascido e olha que eu estava com varias amigas gravidas…que situação….e ai ligo a TV e vejo noticias de recem nascido abandonados na lata de lixo e tudo mais …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *