Hoje é o dia de botar isso tudo pra fora.
Mas antes, alguns avisos:
1. O post é longo, caso não tenham paciência, tudo bem, a gente se vê num próximo post.
2. Gravidinhas: CUIDADO. O texto é cheio de problemas de uma gravidez que não deu certo. Caso você seja muito sugestionada, duvido que te fará bem. Pensa bem antes de seguir.
3. Vou falar de coisas nojentinhas, você que não tá acostumado com a tosqueira do mundo materno, não se assuste.
4. Todo o relato é totalmente pessoal. Se está acontecendo com você, antes de qualquer coisa, pergunte ao seu médico. Não me use como base pra avaliar nada, ok?
Então tá.
Quem me acompanha há mais tempo sabe que, com 6 semanas de gestação, eu tive um corrimentinho estranho. Meu médico já tinha me avisado que, durante o primeiro trimestre, todos os fluxos do meu corpo iriam aumentar: corrimentos, suor, xixi, saliva. Até aí, ok. Mas, era um líquido diferente, amarelinho e com tons de rosinha. Alguns médicos ainda defendem que esse pequeno sangramento pode ser resultado da fixação do saco gestacional no útero. Ok. Além disso, eu tinha coliquinhas, que os médicos também dizem que é normal do primeiro trimestre, que é apenas o útero crescendo. Mas, fiquei com a pulga atrás da orelha. E aí vocês já sabem: corri pro hospital e foi diagnosticado um hematoma no saco gestacional.
Fiquei alguns dias em repouso, repeti o ultrassom e vi o baby, coração batendo, tudo certo. Porém, o hematoma continuava. Meu médico na época estava afastado, de licença por um problema de saúde. Fiquei preocupada de não estar acompanhada por ninguém e procurei outra médica. Gostei dela, da vibe que ela tinha. Mas, algo ainda não me convencia.
Meu médico número 1 voltou da licença e eu decidi ficar indo nos dois, até decidir o que fazer. Nas consultas depois desse ultrassom, nenhum dos dois pediu pra repetir o exame pra checar a evolução do problema. NENHUM. Mesmo com hematoma e corrimentos freqüentes (tive pelo menos mais 3 vezes), eu ligava pros dois e as opiniões eram as mesmas: fica em repouso relativo, segue tomando progesterona e Buscopan pra cólica. Mas, eu já tinha voltado pra vida, tava trabalhando, fazendo minhas coisas em casa (nada pesado, nada de faxina, nada de pegar peso).
Como as opiniões eram parecidas, comecei a achar que a neurótica era eu, que não tinha motivo pra tanta preocupação. Nisso já estávamos na décima semana, a barriga começava a aparecer e eu achei que era hora de começar a curtir. Fiz fotos da pança, brinquei de enxoval e tudo mais que eu achava que tinha direito (e tinha, não me arrependo de nada). Mas, algo me freava. Não sei o que era e não sei se posso chamar de intuição. Mas eu nunca comprei nada pro baby. Nem roupa de grávida pra mim. Nem mexi em nada na minha casa. Tinha medo da barriga e achava vergonhoso quando as pessoas passavam a mão nela. Sentia até medo de conversar com o Maridón sobre as mudanças que estavam por vir, sobre a licença maternidade, sobre guardar dinheiro. Não chegamos a fazer nada disso, pra vocês terem noção.
Nessa época (ainda por volta das dez semanas), os sintomas da gravidez começaram a sumir. Os enjôos cessaram, o mau humor parou, os seios pararam de inchar ou doer (e isso eu não me perdôo por não perceber, foi meu primeiro sintoma de gravidez, eu deveria ter reparado nessa mudança tão brusca). Mas bem, achei que era porque o primeiro trimestre tava acabando, todo mundo diz que os sintomas dão um tempo, achei normal.
Tive nova consulta com os dois médicos e nada de falar do hematoma. Só o que eu ouvia era “é normal, todo mundo tem, o organismo absorve sozinho”. Os dois me pediram pra fazer o ultrassom habitual do primeiro trimestre, esse que também tem a translucência nucal.
Aí, ao mesmo tempo que me enchi de esperança e amor e vontade de ver de novo aquele coraçãozinho mágico batendo, me bateu um PUTA medo. Que prontamente todo mundo mandou eu parar de ter. De forma nenhuma to culpando as pessoas que só queriam me ajudar a não ser neurótica, mas sinceramente acho que uma mãe precisa ouvir seus instintos.
Foram dias difíceis. Fiquei mega ansiosa e sem ter muito com quem desabafar. Na sala de espera pra fazer o ultra, eu me tremia inteira, não conseguia fixar um pensamento, me sacudia na cadeira. Fomos chamados e pronto, começou o exame. Gel gelado na barriga, Maridón com sorriso besta segurando a minha mão. Até que o médico fala “olha, não to conseguindo ver direito, vamos fazer um transvaginal”. Maridón pergunta pro médico se isso era normal e automaticamente eu penso “não, não é normal”. Mãe sabe, mãe sempre sabe.
No ultra transvaginal, recebemos a notícia que o feto não tinha batimentos cardíacos. O cordão umbilical tinha se ligado justamente onde o hematoma estava, daí o feto ficou sem alimentação e respiração. E morreu. Eu, deitada na maca da sala de exames, era a calma em pessoa. Perguntei várias coisas pro médico, porque aquilo tinha acontecido, se foi alguma coisa que eu fiz errado etc. Estava plácida.
Mas, quando levantei… meu mundo caiu. Olhei pra cara do Pedro e vi aquele olhar profundo de decepção e tristeza. Toda aquela animação que ele tava na sala de espera, todo aquele discurso de “tudo vai dar certo” que ele incorporou (e eu também, de certa forma) deram lugar a um vazio bem grande e escuro. Acho que minha cabeça voltou pro lugar e eu percebi finalmente o que tinha acontecido. Chorei tanto. Mas tanto. Que acho que só parei no dia seguinte.
Bem, aí vocês já sabem: eu tive um aborto retido, com morte fetal provável nas 9 semanas. Descobri isso com 12. Fiquei muito preocupada de ter estado todo esse tempo com a gravidez inviável, sem que meu corpo tivesse percebido. Mas, como estava tomando progesterona desde as seis semanas (por causa do hematoma), a explicação é que a suplementação do hormônio é que não deixou que o corpo entendesse sozinho o que tinha acontecido. Uma vez que eu suspendesse a medicação, tudo ia seguir naturalmente.
O médico número 1, quando questionado por mim se não deveríamos fazer a curetagem, ficou todo melindrado. Falou que se eu quisesse, podia procurar outra opinião, que ele não ia fazer, que de acordo com a longa experiência dele, em 80% dos casos, o corpo faria o aborto natural. Meio que brigou comigo pela minha insegurança e repetiu diversas vezes que eu era livre pra procurar outra opinião e pedir que outro médico fizesse o procedimento. Me tratou como uma boba idiota e disse que abortos são normais e que mal íamos nos lembrar disso quando eu ficar grávida numa próxima vez. Mas que, de qualquer forma, ia me mandar fazer risco cirúrgico (pra já me preparar pruma possível curetagem) e me mandou fazer um ultrassom pra acompanhar tudo e uns exames de sangue. E me mandou pra casa, pra ficar uma semana em repouso.
Já a médica número 2, ficou sentida com o ocorrido, me abraçou e também falou que o aborto ia acontecer naturalmente. Me mandou voltar a trabalhar (oi?), que encarar a vida normalmente era a melhor coisa a se fazer. Mas doutora, e a progesterona? E se não acontecer naturalmente? Como voltar a trabalhar depois desse baque? Ah, tudo bem, vai ser como uma menstruação mais forte, com cólicas e tal. Volta pra sua vida e vamos marcar uma consulta pra daqui a dez dias. DEZ. Ela mandou uma pessoa com aborto retido e visivelmente abalada de volta pra casa, com retorno ao consultório em dez dias. Foda-se o risco de infecção, foda-se o psicológico, foda-se tudo.
TUDO ISSO É NORMAL, os dois abestalhados me disseram.
Olha, me chamem de LOUCA, mas NORMAL não é igual a COMUM. Sei que hematomas, abortos e demais coisas erradas são comuns, freqüentes. Mas NORMAL é uma gravidez ir até o final dos 9 meses e NORMAL é que os médicos se preocupem com o TODO, que orientem tanto o físico como o psicológico de seus pacientes, principalmente num caso grave como esse. Aborto é GRAVE, tá?
Mas bem. Fui pra casa, peguei o que me interessou de cada médico e segui em frente. Fiz o repouso recomendado pelo médico 1, fiz os exames e esperei as dores da “menstruação forte” que a médica 2 tinha previsto. O aborto demorou 3 dias pra começar e veio acompanhando de dores freqüentes e suportáveis. Até que, na madrugada da segunda-feira passada, as dores ficaram incrivelmente bizarras. Eu tinha contrações bem doloridas, que vinham a cada 2 minutos e duravam uns 40 segundos cada uma. Eu sei que eram contrações e não cólicas porque era uma DOR, mas uma DOR que não tem explicação. Parecia que eu ia morrer. Eu entrava em transe a cada dois minutos. Urrava, revirava os olhos, dobrava o corpo. Depois passava e parecia que nada tinha acontecido, dava até pra cochilar. O médico 1 já tinha avisado que não poderia atender o celular, que nem era pra eu ligar. Então recorremos à medica 2, por várias vezes. Ela mandou tomar Buscopan (que não fazia nem cosquinha), depois mandou eu ir pro vaso sanitário fazer força, porque se tava doendo tanto era porque já estava no final. Eu fiquei mais de cinco horas nesse processo. CINCO horas com contração a cada dois minutos e ainda por cima tentando fazer força, pensem bem.
Comecei a ter hemorragia bem forte, ficar fraca e ter vontade de desmaiar. Tava cansada e com medo. Mesmo contra a orientação da médica 2, fomos pro hospital. Me preparei pra curetagem e desencanei, eu só queria que aquele sofrimento acabasse.
Cheguei lá já quase sem consciência, tava no mundo paralelo da dor sem fim. Mal tirei a calcinha pra médica do plantão examinar, senti um volume grande descendo, corri pra maca (sabe lá deus como eu consegui CORRER nesse momento) e pronto, expeli os restos. Não vou entrar em detalhes sobre esses “restos”, mas digamos que foi uma das cenas mais bizarras que eu já vi na vida.
Depois disso, fui internada e passei o dia na ocitocina, no antibiótico e no analgésico. Ainda sangrei muuuito, mas o ultrassom no final mostrou que meu corpo tinha expelido quase tudo, só tinha sobrado o endométrio, ainda bastante espesso. Mas que não ia precisar de curetagem ou mais tempo de internação. Ganhei mais dois dias de repouso e tinha que voltar pra revisão no hospital mesmo, no final desses dois dias. Que foi ontem.
Voltei e soubemos que o endométrio continua espesso, mas já afinando. O processo é relativamente lento, vai durar mais alguns dias, mas segundo a médica fofis do plantão, é normal. Ela me deu o celular dela, falou pra ligar e voltar lá caso tenha qualquer dúvida ou insegurança, me passou antibiótico pra evitar as tais infecções e um remedinho tipo ocitocina, pra ajudar meu útero a seguir eliminando o endométrio. De qualquer forma, tenho retorno lá em 10 dias (agora sim tem sentido esperar dez dias) e vamos ver como evoluiu tudo.
***
Bem, parabéns pra você que chegou até aqui. Se foi complicado ler, imagina viver isso tudo. Tenho ainda mil opiniões sobre o atendimento médico DEFICIENTE que recebi dos meus dois GOs, aos quais pretendo nunca mais voltar. Mas, fica pra um próximo post.
De lição disso tudo, por agora, acho que fica a que médico NÃO É DEUS. Eu acho que confiei demais neles e “de menos” em mim. A relação que temos com eles precisa ser de troca e não de mestre e aprendiz. É necessário perguntar SIM, encher o saco SIM, até que você fique totalmente segura de que tá tudo coberto, tanto o físico quanto o psicológico. Não acho que deve haver espaço pra dúvida. Não gostou do médico? Vai em outro.

Não acho que meus médicos tenham sido responsáveis pela morte do meu filho, de jeito nenhum. A gravidez não era viável e pronto. O que acho que é que o meu sofrimento poderia ter sido diminuído, caso tivéssemos diagnosticado a morte fetal antes.

***
Bom, considero encerrado esse papo chato de detalhes do aborto, ok? Se alguém tiver alguma dúvida, me manda e-mail que eu juro que respondo, terei o maior prazer em ajudar.
😉

56 respostas em “O relato do aborto

  1. Oi Carol!
    Gostei do início do post, e optei por não ler o relato (sofro junto…)
    Mas quero que saibas que por aqui tem uma pessoa que torce por ti e te envia energias positivas!
    beijos!

  2. Carol, fiquei muito tocada com a forma que o aborto ocorreu… Se para mim foi difícil ler, imagino para vc, que vivenciou e sentiu tudo, tudo, tudo, tudo!

    Me sensibilizei pelo fato do cordão umbilical ter se instalado justo no hematoma… Na verdade até quase chorei… só segurei porque estou no trabalho.

    Meu coloquei no seu lugar, no momento do aborto, em casa, passando uma dor que eu nem posso imaginar…

    Agora, tenho certeza que vc vai se reerguer e renascer. Você é FORTE!Disso, tudo vc tirou uma lição, que te ajudará muito na sua próxima gestação.

    Grande bj!

  3. Instinto é tudo, não é? As vezes a gente tenta ir contra, mas no final sempre mostra o quanto estava certo. Que puxa…

    Nossa, se pegar esses dois GOs, bater num liquidificar, mesmo assim não dá 1 que preste heim? Quanta insensibilidade e irresponsabilidade! Acabo de me livrar de uma GO que podia entrar pro time desses dois, relutei contra minha intuição nos últimos meses e qd me rendi, agradeci por não ter acontecido nada mais grave.. enfim!!

    Não foi complicado de ler esse post, foi triste de ver sua dor e nenhum texto poderia me dar uma vaga idéia do que foi viver esse momento que você passou.

    Espero que aos poucos vocês se recuperem, alguns dias melhores, outros nem tanto… mas assim como seu corpo precisa de tempo para se firmar, sua mente e seu coração também precisam! Tempo ao tempo…

    É muito bom te ver postando novamente!

    bjos

  4. Carol, eu passo aqui todo santo dia, não comentei nos últimos 2 posts porque não sabi o que dizer, achei melhor manter vc em oração e mandar bons pensamentos.

    Muito triste isso que você passou, a dor física (que pelo que eu entendi foi uma espécie de dor de parto), mas principalmente a dor emocional. Não consigo imaginar essa dor e espero de coração que você consiga processá-la e conviver com ela, porque acho que é algo que uma mulher nunca supera e esquece (como o Dr. Tosco 1 disse, escroto).

    Vou dizer um clichê mas que é verdade: agora é bola pra frente, preparar seu corpo e mente pro que vem no futuro, no seu ritmo, no seu tempo.

    Sobre médicos, concordo absolutamente, eu trocaria de médico até com 40 semanas. Eu troquei uma vez e não me arrependo. Tem que ter essa troca mesmo, uma relação de confiança total. E pra mim, o essencial pra um GO é a disponibilidade. Perdi as contas de quantas vezes liguei pro meu GO, e mesmo a noite ele nunca me destratou, respondeu tuuudo. Depois ainda descobri que ele tem um filho com esclerose múltipla, que dá super trabalho a noite e mesmo assim, ele sempre um solícito. Sem contar que a cada consulta ele discutia minha ansiedade e era 50% GO 50% psicolólogo no frigir dos ovos. Vou rezar pra vc encontrar um mediquito maravilhoso aí, que te bote no colo e cuide de vc como um todo.

    Mil beijos pra vc e pro Pedro

  5. Vc sabe como sou fraca, mas li tudo! Uma barra esses ultimos dias para vcs dois… Esses médicos não foram responsáveis, mas foram negligentes. Um absurdo… E a médica do plantão? ela tende em consultório? É GO?
    beijinhos, ju

  6. Querida, li atentamente cada linha, imaginar a dor e o sofrimento pelo passaste é também muito doloroso pra mim.
    Te acompanho a algum tempo e sei o quando o baby foi esperado, tamb sei o quando a dor de uma perda significa pra ti.
    O que fazer neste momento?Não sei.
    Aliás, acho que viver esse luto é o melhor a fazer.

    O tempo irá te trazer apenas a lembrança disso tudo e teus olhos logo voltarão a brilhar.

    Enquanto isso não acontece, se permita…

    Médicos despreparados existem aos montes.Quando digo despreparados quero falar de ver o paciente como um ser humano inteirinho e não só a doença física.

    Colo e colo, seja ele do marido ou virtual.
    Força e fé.

  7. Olá Carol…
    Eu li tudoo oq aconteceu com vc..
    Até estou me culpando nesse momento pois eu não entrei aqui antes pra saber oq estava acontecendo com vc…
    Foi só nesse post que entrei pra dar um oi e saber como vc esta q vejo tudo que lhe ocorreu e eu fui mto relapsa
    Que barraa tudo q vc passou..mas vejo q em todo momento foi uma mulher forte..meu deus 2 GO's com suas experiencias profissionais e nenhum dos dois teve uma atitude louvavel..
    Sinto mto de verdade..em minhas orações estará presente pra deus continuar te enchendo de força pra se recuperar o qto antes..
    Desculpe mais uma vez..
    bjinhus

  8. Nossa Carol q sofrimento, graças a Deus o pior passou!!!

    Vc realmente é muito forte,Parabéns querida!

    Sobre esses medicos DEFICIENTES, só resta agora esquecer o endereço e telefones dos 2 e procurar um outro BOM pra sua prox gestação!!!

    Mil beijos

    Adoro VC

  9. Gata! Vc sabe que eu sou neurótica. Mas como já conhecia os detalhes desse relato, o li. E fiz por vc. Pq me importo com vc. E estarei aqui na alegria e na tristeza, na saudade e na doença. Pq vc é especial pra mim!

    Um beijo!

  10. Claro que eu li tudo, e sofri junto, tudo de novo …
    Que FODA tudo isso!
    Que médicos filhos da puta, hein?! Também acho que eles não poderiam evitar o que aconteceu, mais poderiam ter detectado antes o ocorrido e o sofrimento seria menor! Poxa vida!
    Mas, enfim …
    Espero que vc se recupere de todo esse abalo, de corpo e alma e fico boazinha logo!!
    Força!
    Um abraço forteeee
    Se cuida

  11. Carol

    Realmente foi muito difícil para mim ler seu texto e vc sabe o motivo. Porém, sou solidária a vc e sua dor.

    Imagino a proporção que esses dias tiveram para vc, sinto muito por tudo.

    Desejo que vc consiga superar todo esse episódio, forte já sei que vc é, então fico na torcida que tudo vai dar certo.

    Obrigada por tudo, fique em paz.

    Sinta-se abraçada virtualmente.

  12. Carol, li seus relatos em tres dias, a vontade que tenho e de te colar no colo e acarinhar-te, sua vontade de superar é tão grande que só me resta te admirar e te mandar pensamentos bons…
    Que tudo isso passe o mais rápido possível, quero vê-la postando com seu bom humor e confiança de sempre.
    Bjs

  13. Você falou a coisa mais certa do mundo: médico não é Deus. Então, tem que pelo menos tentar algum que tente ser o mais próximo da perfeição possível. Tente achar alguém legal para te acompanhar daqui em diante. Nem que não seja do plano. Ainda que custe caro. Vai valer cada centavo.
    beijos e força aí!

  14. Carol,
    A lição que você tirou de tudo isso: "De lição disso tudo, por agora, acho que fica a que médico NÃO É DEUS…"
    Eu também aprendi numa outra situação chata que passei na minha vida, em que quase perdi o meu maridão.
    Nós somos mais nós e temos que ter mais confiança na gente mesmo!!!!

  15. Carol,
    Que bom que botou tudo isso pra fora, deve mesmo ter sido muito sofrido tudo isso. Sei que não sou ninguém para ficar te dando conselhos, mas acho que agora é bola pra frente! Olhe para frente e tudo oq vc tem no futuro e siga..
    Nem sei se te ajuda ou atrapalha, vc decide, mas acompanho algumas gravidinhas no youtube e outro dia vi um vídeo de uma mocinha que sofreu algo extremamente parecido com oq vc passou.. se quiser assistir, aqui vai o link da primeira parte (ela contou em 3 partes):

    E depois tem outros vídeos dela falando sobre ovulação após o aborto.. talvez te ajude!
    Amiga, torço para que tudo dê certo daqui para frente e continuo rezando por vcs!
    Beijos!

  16. Carol querida, fui até o final! Não apenas da leitura, mas de tudo o q vc viveu. A experiência em si não deve ser fácil e se sentir "mal assistida" pelos médicos só deve piorar ainda a situação… Mas, hora de virar a página e contar com a minha torcida e de muitas outras leitoras de que dias melhores virão e coisas lindas vão acontecer na sua vida, tenho certeza!!!
    Bjos,
    Camila
    http://www.mamaetaocupada.blogspot.com

  17. Pow Carol,

    quando comecei a ler, pensei em não ler pelo sofrimento sabe? Mulher sangra, normalmente desejar ter filhos e fica solidária a dor dar da outra… e eu, como sou sentimental igual a rata em TPM, fiquei achando que ia me sair mal do post.

    Mas, além de ser sentimental eu sou Maria Vai Com As Outras, entende? Dai eu fui na sua… e a medida que eu ia lendo eu ia sentindo, mas tb ia tendo mais força, igual quando vc teve para passar CINCO HORAS DENTRO DE UM BANHEIRO, igual como vc teve PRA PULAR NA MACA, enfim…

    Vc teve força pra C…!!!

    E eu sai com ela…
    E sai com a certeza que se um dia isso me acontecer eu vou sofrer, mas tb vou passar, como vc está passando… um dia depois do outro, mais dificil que outro e outros nem tanto.

    Nao sei se vou passar com tanta classe, mas passo 😉

    Mas enfim, ainda vou ver teu umbigo pulado, vc reclamando de dor nas costas e depois que o nenem ta chorando de colica. NOS VAMOS VER E VIVER ISSO! Disso eu tenho certeza.

    Eu queria te dizer tantoooo…
    Mas so saiu essa caquinha, ok. Vou melhorando o texto e venho mais vezes aqui, combinado?!

    Um beijo bem grande Recife/Argentina.
    Bí ;*

  18. Ei Carol, li tudinho e mais uma vez deu pra perceber o qto vc é forte!Deve ser muito duro passar por tudo isso mesmo…mas agora é bola pra frente, tenho certeza que coisas maravilhosas estão reservadas para vc!!
    Te admiro muito, apesar de nunca termos conversado!!
    Um abraço!

  19. Carol, não sou mãe, nem grávida, nem treinante nem nada, sou só uma curiosa que te acompanha por simpatizar com vc há bastante tempo, em silencio
    Pelos seus relatos sempre percebi que vc é uma pessoa forte, e esse me fez ter mais certeza disso.
    Espero que vc nao desanime!
    E espero poder te conhecer um dia! =)
    beijos

  20. É difícil tentar saber dimensão do que vc está sentindo.
    Eu me coloquei em seu lugar em todos os momentos, e tentei imaginar a dor que vc sentiu.
    E muito corpo, alma e coração sangrando ao mesmo tempo…
    Hoje eu tenho um Rafael, mas ele já era tão meu muito antes de eu saber que era ele.
    Deus tem mistérios inexplicáveis, e muitas vezes não vale a pena buscar a explicação.
    Se essa dor passa? Quem é que pode dizer?…

    Beijos

  21. Oi…
    Acompanho seu blog e me identifiquei com o que aconteceu com vc… Aconteceu o mesmo comigo, o unico detalhe é que eu nem cheguei a ouvir o coraçãozinho do meu bebe…

    Mas força, e muita fé!!!
    Q DEUS esteja contigo!!!

    bjo

  22. Nossa Carol, só agoro posse ter uma idéia do quanto vc sofreu e foi forte ao mesmo tempo, não sei se suportaria e se teria a força que vc teve e tem.
    Flor, acho ótimo vc querer encerrar esse assunto que tanto te fere, estou aqui para o que vc precisar viu.
    Bjs

  23. Poxa que barra…Sinto que você está se recuperando em todos os sentido né? Agora que bando de FDP, mandar de volta pro trabalho e ainda voltar depois de 10 dias…queria ver se fosse com um parente deles…E essa médica fofis do plantão não dá pra marcar uma consultinha com ela não? Vai caçando um GO bom. bjs

  24. Estive pensando sobre o assunto.. não que eu quisesse diminuir a sua preocupação, mas acho todos precisávamos acreditar que ficaria tudo bem, né? acho que é a primeira tendência é querer acreditar nisso… mesmo quando as evidências e as intuições (no seu caso) te mostravam que não. Eu tenho um lado polliana de querer acreditar sempre no melhor… e que o pensamento positivo pode mudar as coisas… Mas nem sempre isso é possível.

    Sei que dói, não consigo dimensionar quanto, mas estou aqui para o que vcs precisarem.

    beijos, ju

  25. Sabe Carol, mesmo estando grávida de 33 semanas, eu ainda me pego pensando no que pode acontecer com minha neném.
    Imagino que a intuição é sim importante, e você passou por essa experiência.
    Perder um filho, para um médico que acredita 'saber tudo', é só um (mais um) Aborto, algo normal, natural.
    PARA UMA MÃE, é sinônimo de DOR, SOFRIMENTO, DESOLAÇÃO.
    Me surpreendo a posição da médica, sendo mulher, de não se importar com o aspecto psicológico da PERDA.
    Pois o que para eles era UM EMBRIÃO, pra vc e seu marido, ERA UM FILHO, UM SONHO, UMA BENÇÃO…

    Obrigada por compartlhar esse momento conosco.Foi algo tão dolorido, mas mesmo assim, vc fez questão de relatar os detalhes, e achei muito válido.
    Força Carol!!

    beijos

  26. Carol, nossa, eu não sei como você encontrou forças para escrever isso tudo. Você é uma guerreira, e um dia, quando você estiver com seu filho, nascido, nos braços, vai perceber a importância dessa triste experiência na sua vida.
    Como boa "desconfiona" de todo médico (sou chata mesmo) aplaudo você demais.
    Mais uma vez, parabéns pela força e a coragem.
    Um abraço!

  27. Carol, eu tenho uma grande amiga que passou por tudo isso (a historia é igual a sua), e apesar de não ter sentido na pele eu posso dizer que entendo um pouco o tamanho da dor.Ela era super jovem tinha 16 anos, hoje com 24 ela ainda não esquece o que aconteceu, mas ela sempre me diz que o tempo foi o melhor amigo dela.
    Espero que como ela, o tempo seja seu amigo e te ajude.
    Fica com Deus
    Bjus

    Ps: Nem vou dizer nada sobre os GO para não ficar ainda mais irada.

  28. Oi Carol!
    Acho muito importante a descrição de tudo que te aconteceu, pois assim todas ficamas mais cuidadosas com os possiveis sintomas ou ate mesmo sentindo de mãe.
    Tu não teve culpa, acho que os medicos foram um tanto displicentes (poderia ser mais preocupados).
    Tenho certeza que tu tem mais um anjo cuidando de ti e seu marido.
    Como te disse, estarei aqui sempre, se precisar de algo é so gritar.
    Força amiga, nesse momento agora é se cuidar para que logo venha uma proxima gravidez.
    Beijinhos no coração.

  29. Carol,

    Parabens pela forma esclarecida que vc esta lidando com o ocorrido.
    Numa hora dessas faltam palavras de consolo, mas o tempo vai cuidar dessa dor para você.

    Segura firme, conte com o apoio dos seus amigos e olhe para sempre para frente.

    Um grande bjo e um abraço apertado amiga.

  30. Carol, te admiro muito. Fiquei muito comovida e triste com seu relato, com sua experiência. Mas vc é incrivelmente forte, por essas e outras que já passou. Concordo 100% com vc quando diz "Não gostou do médico? Vai em outro". Passei por isso uma vez, não concordei com o diagnóstico dele, não conseguia aceitar como "normal" e troquei de médico. Bom vc ter desabafado, dividido a experiência. Até para encerrar o assunto e tocar a vida.
    um beijo

  31. Pois olha… eu bem que senti sua insegurança nos posts passados quando você falava da ultra. Eu fui uma das pessoas que comentou que você tinha que relaxar, ter calma, que tudo estava certo e tal. Mas você é mãe. Você sabia que tinha algo errado e por isso estava com tanto medo. Você está sim preparada pra aventura da maternidade e esse anjinho veio pra te mostrar isso. Ele não ficou por aqui, mas deixou uma mãe mais forte e mais esperta pra receber seu filhinho quando for a hora certa.
    E esses médicos… sem muitos comentários, fiquei muito indignada com o tratamento que você recebeu. Todo mundo sabe que uma gravidez nunca é igual a outra, querem botar todas as grávidas no mesmo saco, encaixar todas num padrão estabelecido sabe-se la por quem!! Fico passada!

    Grande beijo, cuide-se! To gostando de ver que, dia após dia, você está voltando a sorrir, a caminhar nessa vida.

  32. Incrível pensar nisso…no fim das contas você foi melhor atendida no pronto-socorro do que pelos seus médicos. Como pode?
    Olha, eu acredito demais na intuição materna. Tenho duas amigas que passaram por isso e ambas sentiram desde o começo que tinha alguma coisa estranha. Eu também fui uma das que falei pra você ficar calma, já que tb tive sangramento no comecinho da primeira gestação. Só que apesar do sangramento, eu nunca tive medo e nem achei que era algo fora do comum. Tá dentro da gente, né? Acho que a gente sente mesmo quando tem alguma coisa errada.
    Lindo texto, espero que, além de ajudar quem tb está passando por isso, esse tecto tb tenha te ajudado a botar tudo pra fora mesmo.
    Um beijo enorme

  33. Amiga, eu tv mto curiosa pra saber o q tinha acontecido, aff! sempre ficava me perguntando, meu Deus, o q será q aconteceu?ñ tenho nenhum problema em ler nda, seja longo ou ñ, afinal, eu gosto mto de ler.
    Qnt ao médico, realmente eles ñ são Deus, temos q confiar primeiramente em Deus e depois nos homens, mas como vc bem disse, eles ñ são culpados pela morte do seu bb, mas poderiam ter evitado tanto sofrimento.
    Que Deus te abençoe e te cubra com tda sorte de benção e q vc supere td isso como tem superado toda a luta q até hj passaste.
    bjokas e bom FDS.
    Melhoras tá?
    xauuuuuuuuuuuuuuu!

  34. Ai Carol, que pena…eu passo aqui de vez em quando e já havia lido dos seus medos, e por isso e por muito eu estava torcendo tanto…mas…tudo tem um porque, tudo tem um motivo, uma hora seu filhote virá, acredite! fico aqui torcendo por vcs!
    Dani

  35. Ai ai ai, o que falar? depois de 44 comentários recebidos e depois de alguns dias passados a gente fica sem ação! Mas tá, sei que vc já ouviu e talvez nem queira mais saber, mais deixa tá?! risos pra quebrar o gelo!
    Então, normal não é? deixei vários recados aqui relatando que comigo aconteceu o mesmo problema, hematoma, repouso, mas no fim deu certo, mas a verdade é que a minha médica tmbém não deu muita bola na época, mas fui chata e persistente o que ajudou ela "cuidar" um pouco + de mim e o resultado o meu alemão que hj está com 01 ano e meio.
    Amiga, sei que já está melhor e ficarei torcendo para a sua recuperação total, a psicologica digo, sei que irá tirar de letra pq vc se demonstra "fantastica" em todos os assuntos aqui no Blog.

    SORTE e muita benção pra vc e seu esposo!
    (não estava + pq, não me pergunte pq!?, mas linkei novamente, aproveito para lhe convidar a passear no http://www.viajaretudibom.blogspot.com)

    Bjos
    Ana

  36. Como li em algum lugar aqui do seu blog, assim como você, quando entro num blog novo e gosto, preciso conhecer mais e vou lendo,lendo… até conhecer um pouquinho da sua história. E cheguei nesse post.
    Sua história foi bem parecida com a minha, embora o final tenha sido diferente. Também tive aborto retido e a médica disse que eu tinha que voltar a trabalhar (sem noção, né?) e esperar. Na hora acho que tive uma reação tão espantosa que ela resolveu me internar e fazer uma curetagem.
    Sobre os médicos… Médico não é mesmo Deus. Com a Duda, que teve a cardiopatia tive essa certeza. Ela começou o tratamento com a bambambam no assunto. E eu sempre saía de lá com a sensação de que ela não tinha atendido minha filha bem. Ela queria postergar em vários meses a cirurgia, pois dizia que a Duda estava bem. E mãe sempre sabe, né? Ela não tava bem. Mudei de médico e ela operou em um mês. Foi a melhor coisa que eu poderia fazer pela minha filha. Depois da cirurgia ela passou a rir, sorrir, brincar, coisa que antes ela não fazia.
    A gente tem que seguir o coração…
    Bjs.

  37. Acessei seu blog, pq tb tive brida em minha gestação, mas infelizmente não tive sucesso como vc, perdi minha bebê as 18 semanas, pois a brida estrangulou o cordão umbilical e daí tive que me submeter a um PN induzido seguido de curetagem. Então li seu post sobre o aborto, e sei exatamente oq vc passou, a dor q sentiu, desde a dor física até a dor psicológica, a qual não temos como medir e nem comparar. Hoje voltei aos treinos para a tentativa de um novo bebê, induzindo ovulação com Clomid.
    Abraços, adorei o blog

    Náira Caldas

  38. Vim até seu blog em busca de informações sobre aborto retido. Recebi esta notícia hj, e minha história é idêntica à tua, até nas semanas… Queria saber, quantos dias vc esperou para o organismo começar a expelir o feto. Esta está sendo minha maior angústia….

  39. Realmente é triste, Carol… ficamos ansiosas, desde o primeiro dia em que se descobre a gravidez, por passar as 40 semanas e ver o rostinho mais lindo…
    Minha gravidez foi rápida, durou 6 semanas (cronológicas), mas para meu conhecimento foram apenas uma semana… senti cólicas todo o período após o dia em que realmente era para minha menstruação, meu médico disse (também) que era normal e me deu um remédio interno para evitar o risco e pediu que não me esforçasse, me passou os exames – que não tive tempo de fazer! Em exata uma semana após saber que estava grávida senti uma cólica forte e fui ao PS, chorando, claro, acompanhada de meu marido, fiquei na cama no pré-parto, ao lado de uma outra moça que estava em trabalho de parto. Meu desespero era tão grande, que ao ouvir a batida do coraçãozinho do bebe dela me doia mais o coração, já imaginei que eu não ouviria o meu bebe.
    Enfim, foi feito o exame de toque, e aguardei o trans, e durante esse último exame o doutor já nos disse "Não sei como estava antes, mas não estou vendo nada de saco gestacional" – Meu marido olhava ansioso o monitor esperando ver algo, e quando tivemos a noticia, foi aquele banho gelado, um desanimo…
    Voltando para a sala do pré-parto para que o GO me desse a palavra final (confesso que esperava que ele me dissesse que o médico do ultrassom havia se enganado e que tudo estava bem), mas o que tive foi de uma frieza tão grande, ele jogou o exame na cama onde estava sentada esperando por ele, e me disse : "O que você me diz??", não conseguia falar nada, não conseguia olhar o papel, mas disse que não entendia nada no exame, e ele me retrucou "Não tem nada que não se entenda aí! Está claro!"
    Me irritei de um tal modo, que perguntei já estupida se tinha ou não algo dentro de mim, ele olhou, fez uma careta e balançou a cabeça em negação, e completou: "Agora, você perdeu o que?!?! Nada, você não perdeu nada!!!"
    Dá para imaginar minha indignação mediante aquilo, para mim, um dia de gestação, de esperança para quem planeja um bebe a um ano, é muita coisa… não queria prolongar aquilo, queria sair para os braços do meu marido… e ficar nele… que era o que me consolava naquele momento!
    Fui estupida com o GO, e creio que ele percebendo toda grosseria que me jogou, amansou a voz e disse mais amorosamente que se meu corpo expulsou o feto era porque algo já não estava bem na gestação, e que os três primeiros meses é um momento critico, e que é comum abortos nesse período.
    Não precisei de curetagem, o aborto foi completo, mas a dor da desesperança ainda me acompanha, ainda não suporto ver grávidas, bebes… passo longe de lojas de artigos para bebes…
    Assim como você não sentia muita confiança, não me atraia pelas roupinhas de bebes… comprei um conjuntinho que achei lindo, mas ainda assim relutante!
    Tive muito apoio e descobri muitas pessoas próximas que tiveram o mesmo problema e que logo tiveram uma nova gestação e um saudável e lindo bebe… meu médico pediu que esperasse quatro meses para tentar novamente uma gestação, mas não há sentimento mais horrível para uma mulher que esse de incapacidade de reter um serzinho tão indefeso dentro de você, como se não fosse apta para o trabalho mais simples e natural que seria seguir com uma gestação (a sua natureza!).
    Ainda estou me recuperando, e cada palavra sua, senti o sofrimento, o seu foi maior, porque ouviu o coraçãozinho do seu bebe… mas me agarro na esperança de que dias melhores virão e que terei novamente minha oportunidade e que esta será ainda mais abençoada!

  40. Estou na mesma situação. Ao ler seu post me deu um frio na barriga, fui ontem em uma urgência e a médica do plantão solicitou que eu voltasse em uma semana. Estou com bastante medo dessas dores. Estou sentindo pequenas cólicas, mas o pior está sendo a dor lombar e a sensação terrível ao acordar e saber que há um ser morto dentro de você. Tenho fé que não sentirei dores tão fortes. Ilusão ou não está mesma médica me informou que o organismo pode absorver o feto e se transformar em células, pois possuo 8 semanas. Não sei se devo confiar. 🙁

  41. BOM DIA! ADOREI O POST, ACONTECEU COMIGO EXATAMENTE, DESCOBRI COM 11 SEMANAS QUE MEU BEBE ESTAVA MORTO DESDE A 8 SEMANA, AS CÓLICAS O MEDICO DIZIA QUE ERA NORMAL, FUI A EMERGÊNCIA 2 VEZES NA SEMANA CONSULTEI COM MÉDICOS DIFERENTES QUE DISSERAM ESTAR TUDO NORMAL, MAS EU NÃO PODIA ACREDITAR QUE SENTIR AQUELAS DORES E TER SANGRAMENTOS ERA UMA GRAVIDEZ NORMAL, FOI ENTÃO QUE MARQUEI UM ULTRASSOM MAIS RÁPIDO QUE PUDE PARA VER O QUE ESTAVA ACONTECENDO, E ENTÃO A TRISTE NOTICIA: SEU BEBE NÃO DESENVOLVEU E NÃO TEM BATIMENTOS, NESSE MOMENTO MEU MARIDO ESTAVA COMIGO TODO FELIZ ESPERANDO OUVIR O CORAÇÃOZINHO DELE, MAS FOI UMA TRISTEZA SEM FIM, EU JÁ ESTAVA PREPARADA, PORQUE MEU INSTINTO NÃO FALHA E NÃO FALHOU QUE ALGUMA COISA ESTAVA ERRADA,SAI DALI DESOLADA MAS PROCURAVA CONSOLAR MEU MARIDO QUE PARECIA ESTAR PIOR DO QUE EU, CLARO ESTAVA SOFRENDO MUITO, MAS ESTAVA ME PREPARANDO POIS SENTIA QUE ALGO NÃO IA BEM,VOLTEI A EMERGÊNCIA NO SÁBADO DE MANHA, UM DIA APOS TER DESCOBERTO, FUI INTERNADA PARA FAZER A CURETAGEM, FOI INDUZIDO, UMA CÓLICA TERRÍVEL COM CONTRAÇÕES QUE NÃO DAVAM PRA SUPORTAR, EU ATE ESMURRAVA AS PAREDES DE TANTA DOR, SEM EXPLICAÇÃO. AGORA ESTOU ME SENTINDO MELHOR, SEM AQUELAS DORES, MAS JAMAIS VOU ESQUECER O QUE ACONTECEU…

  42. Obrigado para grande DR Sunny para resolver meus problemas sua EMAIL é (e drsunnydsolution1@gmail.com

    meu nome é Miss Fátima, fui casada com meu marido 5 anos vivíamos felizes juntos por isso anos e não até que ele viajou para a Austrália para uma viagem de negócios onde ele conheceu essa garota e desde então ele me odiar e as crianças e amá-la só. Então, quando meu marido voltou da viagem ele disse que não quer ver a mim e meus filhos novamente então ele dirigiu-nos fora de casa e ele agora estava indo para a Austrália para ver outra mulher. assim eu e meus filhos eram agora tão frustrado e só ficava com a minha mãe e eu não estava tratando bom porque minha mãe casou-se com outro homem, depois de minha morte de pai, para que ela se casou com o homem não era tratá-la bem, eu e meus filhos foram então confundir e estava procurando uma maneira de obter o meu marido voltar para casa, porque eu amo e acarinhá-lo tanto. , então um dia eu estava navegando no meu computador vi um testemunho sobre este caster ortográfica DR Sunny, testemunhos compartilhados na internet por uma senhora e impressionar-me assim muito também penso dar-lhe uma tentativa. No primeiro eu estava com medo, mas quando eu penso que eu e meus filhos estão passando por então entrei em contato com ele e ele me disse para ficar calmo por apenas 24 horas que meu marido deve voltar para mim e para minha melhor surpresa recebi um telefonema do meu marido no segundo dia após as crianças a pedir e liguei para DR Sunny e ele disse que seus problemas são resolveram de meu filho. Então isso foi como levanto minha família volta após uma longa tensão de freio por uma senhora mal assim com toda esta ajuda do DR Sunny, Quero tudo sobre este fórum para se juntar a mim para dizer um enorme graças a DR Sunny e vou também conselhos para qualquer um de tal ou problemas similares ou qualquer tipo de problemas deve também entrar em contato com o seu e-mail é) (as drsunnydsolution1@gmail.com) é a solução para todos os seus problemas e situações difíceis na vida. mais uma vez o seu endereço de e-mail é (que drsunnydsolution1@gmail.com)

    ELE É ESPECIALIZA-SE NA O SEGUINTE FEITIÇO.

    (1) se você quer seu ex voltar.

    (2) se você sempre tem sonhos ruins.

    (3) se você quer ser promovido em seu escritório.

    (4) se você quer as mulheres/homens para correr atrás de você.

    (5) se você quer uma criança.

    (6) se você quer ser rico.

    (7) se você quiser amarrar seu marido/esposa para ser sua para sempre.

    (8) se você precisar de ajuda financeira.

    (9) como você foi enganado e que deseja recuperar você perdeu dinheiro.

    (10) se você quer parar o seu divórcio.

    (11) se você quer se divorciar de seu marido.

    (12) se você quer que seus desejos se realizem.

    (13) feitiço de gravidez para conceber bebê

    (14) a garantia você ganha os processos judiciais preocupante & divórcio não importa como o estágio

    (15) pare o seu casamento ou relacionamento de desfazer-se.

    (16) se você tem qualquer doença como (H I V), (câncer) ou qualquer doença.

    (17) se você precisa de orações para libertação para seu filho ou a mesmo.

    mais uma vez, certifique-se de que você contatá-lo se você tiver algum problema ele vai te ajudar. seu endereço de e-mail é contato (que drsunnydsolution1@gmail.com) ele imediatamente… Ligue para meu número +2348077620669

  43. Pois é! Estou passando por isso. O embrião parou na 7 semana de desenvolver e por causa de um corrimento marrom descobri pelo ultrassom na 10 semana. Me mandaram pra casa. Faz 3 dias que contínuo com esse corrimento, mas nada de cólica! Olha, está tenso pq normal, realmente não é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *