Percebo que tem muita gente nova me lendo. E isso me faz muito feliz. Mas também por isso, acabo recebendo comentários de pessoas que não me acompanham desde o começo e não sabem muito da minha vida. Aí acabam me julgando. Eu acho que tudo bem que me julguem, se eu não quisesse ouvir o que vocês tem a dizer, não teria blog. Mas sinto que rola uma falta de contexto em alguns comentários, que acabam me ferindo um pouco.

Ok. Então leiam a próxima frase com calma: eu sou a pessoa mais feliz do mundo de estar grávida.

Viveria cada enjôo, cada medo, cada alteração brusca de humor, tudo de novo, só pra não ver mais a linha única negativa no teste de farmácia. Que eu vi algumas vezes e me fizeram sofrer demais. Tudo que eu passo agora tem um objetivo maior, tem um coração que bate, é a promessa de uma nova e arrebatadora vida. O grande amor da minha vida está por vir, cresce dentro de mim e toda e qualquer coisa negativa é mínima diante disso.

Tenho uma história de vida complexa. Embora ache que todo mundo tem, entendo o meu passado como base para a construção de quem eu sou, dos medos e sofrimentos que eu tenho.

Qualquer grávida tem suas neuras, não? Ok. Vamos partir desse pressuposto.

Mas…

… minha mãe teve meningite. Por isso, ficou surda, completamente surda. Eu convivi com uma deficiente a vida toda. NÃO É FÁCIL. Tenho medo da translucencia nucal dar merda? Tenho. Porque EU SEI o que é ver quem você ama com uma limitação. Amaria meu filho infinitamente (como amei a minha mãe), independente de qualquer coisa. Mas não quero isso pra ele.

… minha vó, um dia, teve uma dor de cabeça. Morreu uma semana depois, de aneurisma. Era uma vó jovem, de 64 anos. Eu tenho medo de coisas que parecem pequenas, como uma besta dor de cabeça. Desconfio de cada mínima coisinha errada (e além disso, com a ida dela, fiquei com apenas um avo, o paterno).

… minha mãe e minha irmã foram brutalmente atropeladas na rua da praia, em Saquarema. Morreram as duas, DO NADA. Eu amei muito essa minha irmã, eu tinha uma família, um lar. Que foi destruído. Sim, eu tenho medo que aconteça de novo. Quem tá vivo, pode morrer SIM, a qualquer momento.

… meu tio querido um dia saiu pra trabalhar. Antes do almoço, teve um infarto fulminante. Como trabalhava só com a minha tia, foi ela que teve a dor dilacerante de encontrá-lo sem vida, com a cara em cima do teclado do computador. Tia essa que dois anos antes tinha perdido a irmã e a sobrinha. E outros anos antes tinha perdido a mãe. Não venham me dizer que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar, porque ele cai sim.

… eu, por muitos motivos, moro fora do Brasil. Só eu e meu marido. A sortuda família que escapou das mortes e acidentes não está perto de mim. Meus amados amigos tampouco. Tenho um grupo de queridos por aqui, mas cada um está construindo sua vida, todo mundo trabalha. A internet nos aproxima a todos, mas quando eu estive em repouso, por exemplo, eu fiquei SOZINHA. Meu marido fez o que pode, mas não tinha ninguém pra me fazer um feijão, pra me fazer cia. um dia de tarde, pra cuidar um pouco do meu cachorro. Não é uma reclamação. Estar aqui é uma escolha minha, mas tem seu ônus.

***

Quando eu fiquei grávida, foi um bálsamo pra minha família. Todos choravam muito, felizes e realizados. Como eu. Porque a minha gravidez nos disse que a vida é possível. As mortes e as dificuldades nos ensinaram que o amor não tem fim, mas ver a vida dando uma volta e renascendo é simplesmente SENSACIONAL. Não tenho palavras pra descrever pra vocês e, mais ainda, pro meu filho, como ele é querido, amado e esperado. Sua vinda é um vento fresco de Deus que sacode os meus cabelos, me faz mais bonita, me arrebata.

Eu conto aqui as angústias que venho passando não pra me fazer de vítima ou pra chorar as pitangas de uma gravidez difícil. Nem acho que minha gravidez seja difícil. Mas é que tudo é muito novo, eu me sinto diferente e eu tenho medo. Do desconhecido, bom ou ruim.

Cada vez mais acho que cada mulher sente a gravidez de uma forma e eu, sinceramente, não me importo mais com as histórias alheias. Claro que gosto de saber da experiência das mocinhas, me divirto e me informo, mas já não me baseio por isso. Então, gatas, por favor, não me tomem como exemplo pra nada, tá? Tamos aqui pra trocar figurinhas, rir e chorar umas com as outras, mas cada uma segue sua vida, seu estilo, sua opinião. E fiquem tranquilas que, embora meio louca, eu sou acompanhada por psicólogo, há mais de um ano.

***

E olha que conexão: a , minha querida e amada amiga grávida gêmea, escreveu um texto super delicado e direto no ponto (que eu dei mil voltas pra falar aqui). Passem lá pra refletir também.

41 respostas em “Devaneios de uma (quase) barriga II – um adendo

  1. Carol,

    *promete que um dia me ensina a escrever?
    *eu quero ir pra Buenos Aires.
    *eu nem tenho medo de ti, tua loucura é bem saudável
    *beijo no meu sobrinho mais amado e desejado desse mundo!

  2. Ai Carol Carolina, vc foi la, me deixou um recado e eu vim ler o post q vc deixou o link, ai comecei a chorar, nao sei pq!
    Ai ia deixar um comentario e vi q era post novo e fui ler.. dale as lagrimas aqui de novo.
    Sim, pq perder a familia nao eh facil, doi, massacra a gente por dentro e pra quem esta longe deles, assim como eu e voce, sentimos mais, nos sentimos mais sozinhas sim.
    Minhas lagrimas escorrem
    Sim, queria eu estar gravida tbm, nao q ela nao mereca, mas eu sei q eu mereco tbm e esse caminho tao me cansando muito.
    O FIV esta de rosca, iremos contatar o hospital em dias, perguntando o pq ainda nao fomos chamados.
    Acho terrivel a gente ter q pedir desculpas pelos nossos posts pra uma gente q nao esta nem ai pra gente.
    Eu ja tinha lido o post da Jordana hj, so nao comentei pq nao estou no clima.
    aff, ja falei muito.
    fica bem.. bjkas

  3. Carol,

    você não é diferente de nenhuma grávida que eu conheço. A diferença é que você abre o seu coração aqui, enquanto muitas preferem botar purpurina na coisa toda. Claro que deve ter alguém que passou a gravidez pisando em nuvens,mas na média é assim mesmo, cheia de desconfortos e angústias.
    Quando eu estava com 13 semanas de gravidez nasceu minha sobrinha, que morreu 3 dias depois. Além da tragédia em si, passei as outras 28 semanas temendo que o mesmo acontecesse com Mariana. Normal ter medo, né? Mas tudo ficou bem e Mariana está aqui do meu lado, alegrando minha vida.
    E digo, repito e digo de novo: gravidez e parto para mim foram meios. Fim é ter o filho. Essas 40 semanas passam e o que fica é o filho.
    Força aí gata!

    beijos

  4. Carol,

    você não é diferente de nenhuma grávida que eu conheço. A diferença é que você abre o seu coração aqui, enquanto muitas preferem botar purpurina na coisa toda. Claro que deve ter alguém que passou a gravidez pisando em nuvens,mas na média é assim mesmo, cheia de desconfortos e angústias.
    Quando eu estava com 13 semanas de gravidez nasceu minha sobrinha, que morreu 3 dias depois. Além da tragédia em si, passei as outras 28 semanas temendo que o mesmo acontecesse com Mariana. Normal ter medo, né? Mas tudo ficou bem e Mariana está aqui do meu lado, alegrando minha vida.
    E digo, repito e digo de novo: gravidez e parto para mim foram meios. Fim é ter o filho. Essas 40 semanas passam e o que fica é o filho.
    Força aí gata!

    beijos

  5. Carol, voltei (eu não saio amis daqui, hehe)!
    Vc ´passa por tudo o que todas nós passamos (neuras, inseguranças etc.), mas vc tem a coragem de contar e isso te deixa mais exposta. Mas tente não sofrer com estes comentários.
    Como disse para a Jordana agoriha mesmo, passei por isso no meu blog e infelizmente sei até quem foi que escreveu palavras depreciativas (IP é tudo, né?) disfarçada com outro nome e ofendendo a mim e outras grávidas por puro recalque e muita crueldade.
    Beijos

  6. è amiga, os blogs são pra isso, para desabafos e para compartilharmso alegrias.
    Adoro suas loucuras, e acho super pra cima o q vc escreve, como diz o ditado, de louco, todo mundo tem um pouco..srsrsrrs
    Realmente perder a familia ñ é fácil, tb perdir minha maezinha atropelada, é horrivel, e eu só tinha apenas seis anosd e idade…
    Mas, olha qnt a teu bb…….vai dá td certo vc vai ver, em nome de jesus.
    bjokas e boa semana.passa lá no meu cantinho tá?

  7. Carol, super te entendo… muito, muito, muito. E acho que tem gente que chegou ate aqui e nao sabe da sua luta e vontade de engravidar. E nao sabe da sua maneira de expor tudo. Desde o muco no periodo fertil ao desespero e medo de ter uma gravidez interrompida. E essas pessoas precisam entender mesmo tudo isso e depois deixar um recado. Porque voce nao eh desesperada e nem esta passando nada pro baby. Vc esta vivendo esta gravidez intensamente, como faz com tudo em sua vida. E eh essa a nossa Carol. Eu penso mil vezes antes de te falar qualquer coisa no msn, e mesmo assim vc arremata dizendo que EU posso e eu me derreto de poder. Me sinto sua amiga e companheira. E de verdade somos, ne? Falo mais com vc do que com minha mae. Eh com vc que desabafo e eh vc quem busco quano quero colo. Incrivel assim. E acho que esse eh o proposito do blog. Amizades reais em redes virtuais. Amizades concretas que possam mesmo existir e dai entao a liberdade de comentar e aconselhar. Ao contrario de alguem que vem e simplesmente comenta pra dizer que passou por aqui e nao sabe nada sobre sua vida. Tenho uma mania e acho que as pessoas tb deveriam, todos os blogs que admiro procuro ler desde o inicio pra assim poder me enterar mais da vida da pessoa e a partir dai fazer parte dela.
    Tem gente que nunca comenta no meu blog e eu estou nos delas firme e forte, por admirar e me identificar… e com vc eh assim.
    Ja disse antes e repito, to com vc e nao abro mao.
    beijos solidarios e sem acentuacao, rs

    Se cuida, flor. Te adoro!

  8. Carol… vc é forte demais, mulher!!

    As pessoas deviam, antes de achar a ponto de deixar comentários que agridem, se dar ao trabalho de ler um pouquinho além dos últimos posts e assim conhecer um pouquinho da história de quem escreve.

    Essa vidinha que você espera foi muito planejada e desejada… esse amor já existia antes mesmo desse bebe chegar, porque para uma tentante, o amor pelo filho chega antes mesmo dele e você foi uma tentante por bastante tempo.

    O medo que vc sente é amor puro e de boa, por melhor e mais lindo e sonhado que seja o motivo, quem em sã consciencia vai ficar vibrando por ter váááááários enjôos, diversas alterações de humor e dias de repousos?? Se vc fosse diferente, ai sim seria loucura.. hahaha!!

    bjos!!

  9. Ih Carol, eu já cansei dessas lunáticas que vão no meu blog dizer que se eu reclamo de alguma coisa da gravidez é pq nao tenho a dimensão do milagre que estou gerando. Como se o fato de estar grávida devesse anular todas as coisas ruins da minha vida. Ou como se estar grávida te obrigasse imediatamente a não sentir nenhum desconforto e jamais reclamar!
    A gravidez é maravilhosa? É! Mas tem seu lado ruim, seus enjoos chatos, o inchaço imenso, as dores em lugares que vc nem sabe que existiam e por aí vai!
    Nao tenho vocaçao para mártir! E tbm nao sou nenhuma Poliana. MORRI de medo da TN e nao tive problema algum em admitir! Cansei de ouvir que deveria ficar feliz em estar gerando uma vida sem me preocupar se o bebe seria saudavel ou nao! CLARO que a gente se preocupa se o bebe será saudavel! Que mae quer que 1 filho venha com limitaçoes que o farão sofrer?
    Aff, agora que vc entrou no mundo das mamaes, vc vai ver como tem xiitas nesse mundinho!
    Relaxa e bola pra frente 🙂

  10. Esse recado não é pra ti Carol,
    deixei um igual lá no blog da Patrícia, mas vai que ela não lê lá, mas lê aqui.
    De todas as coisas do mundo, só tem uma que eu não entendo, porque a Patrícia ainda não está no meu msn??

    Pô Patrícia!!!!
    Beijo!

  11. Carol, você é mais forte do que pensa.
    Pensa nisso.
    Será que as pessoas que te criticam aguentaria passar por tudo que você já passou na vida?
    Também tenho histórias na família de muita tristeza e dor, e sei que isso nos fortalece.
    Que Deus nos dá mais garra para lutar por nossos sonhos.
    Minha mãe viu o próprio pai matar minha avó quando ela tinha 12 anos.
    E vem daí o meu maior exemplo de vida: minha mãe é a melhor pessoa que conheço.Ela dá e ajuda a todos sem querer nada em troca…e sempre sofre as consequências.

    Carol, continue sendo Você, e viva a sua gravidez da maneira que você acredita.
    Isso é o mais importante.
    beijos

  12. Carol, eu percebi a coisa toda que aconteceu e fiquei feliz por você levantar o rosto e falar!
    Já fui lá aplaudir o post da Jordana e agora estou aqui aplaudindo o seu!
    Te dou toda a força que precisar (se é que vc precisa de alguma força de fora, pq já é uma pessoa cheia de força)!
    Bjos

  13. Carol,
    tua história de vida, tua força e toda a perspectiva que esse bebê te traz são o que realmente importam. Liga não pra essa gente desocupada! Adoro teu blog, me divirto, me emociono e me identifico muito com o que tu escreves, temos histórias bem parecidas.
    Blog é da gente e serve pra gente escrever o que quiser né, quem quiser que leia, quem não quiser que vá procurar sua turma!
    E viva ao "vai passar, vai passar", porque graças a Deus passa mesmo, e olha, logo logo tudo passa e aparece uma criaturinha coisamaislindaemaravilhosadessemundo! Prepara teu coração amiga, que as maiores alegrias da vida estão por vir 🙂
    Mil beijos,
    Pati.

  14. Carol,
    Todos os seus medos são normalíssimos!!!
    Fique tranquila, vai dar tudo certo e estamos aqui para ouvi-la, ou melhor, lê-la.. e quem não quiser, que não acesse o site.. ora essa!!
    Eu adoro as suas colocações.. me identifico muito com suas doidices, ops, com suas idéias!! 🙂
    Bjinhos!

  15. Carol
    Eu acho que talvez esse post possa ter vindo por causa de um comentário meu no post anterior… Ou se nao foi, pode ter sido por vários comentários como o meu, eu não sei…
    Mas vou me explicar. Estou com 33 anos e naquela fase de decidir se quero ter filhos ou não. Sim, porque não posso esperar muito por causa da idade, mas se fosse depender de vontade mesmo eu esperaria fácil mais uns 5 anos. Mas eu também não quero correr o risco de esperar tudo isso e acabar não tendo filhos, pois eu e meu marido já decidimos que se não vier de forma natural, nós simplesmente não teremos. Se não é para ser, não é e pronto, sem neuras.
    Enfim, eu comecei de uns meses para cá a ler blogs de pessoas que tem filhos bebês, que estão grávidas ou que estão tentando engravidar justamente para entender melhor sobre esse momento, sobre o que se sente, sobre esse mundo que não tem nada a ver com o meu e, honestamente, para ver se eu me animo em engravidar logo. E aí acompanhei sim boa parte das suas histórias, torci junto porque vi que era algo que vc queria muito. Mas a verdade é que nunca entendi o motivo de tanta pressa, tanto stress e sofrimento, sendo que vc é tão jovem ainda. Mas ok, isso não é problema meu, só estou desabafando. Bem, quando vc engravidou fiquei bem feliz e aí comecei a acompanhar a sua gravidez e foi me dando um PÂNICO ainda maior!! Porque vc passou a falar de enjoo, mau humor, medo de perder, um monte de coisas que só quem está MUITO A FIM de ter um filho suportaria passar, na minha opinião. E me surpreende ver que vc ta sentindo tudo isso e está feliz e a única explicação é que deve ser mesmo mt mágico estar grávida…. E aí eu fico tentando me convencer que tem gravidez que é mais tranquila e acho que fui muito ríspida no meu comentário. Relendo agora, tenho CERTEZA que fui e peço desculpas, pois não era minha intenção.
    A verdade é que eu vou mesmo esperar, pois não é o momento p/ mim e eu nem sei se vai ter algum momento, afinal não acho que todo mundo precisa ter filhos, acho sim que é uma opção e que deve ser MUITO pensada, analisada, discutida entre o casal. Eu acho que tem muita gente que resolve ter filhos para tapar alguns buracos, mas isso é uma outra história que nem vou trazer aqui, pois não tem nada a ver.
    Mas peço desculpas se fui desagradável, realmente não era minha intenção. Desejo muitas felicidades pra vc e que seu baby venha lindão e bem forte!
    Van

  16. Carol
    Eu acho que talvez esse post possa ter vindo por causa de um comentário meu no post anterior… Ou se nao foi, pode ter sido por vários comentários como o meu, eu não sei…
    Mas vou me explicar. Estou com 33 anos e naquela fase de decidir se quero ter filhos ou não. Sim, porque não posso esperar muito por causa da idade, mas se fosse depender de vontade mesmo eu esperaria fácil mais uns 5 anos. Mas eu também não quero correr o risco de esperar tudo isso e acabar não tendo filhos, pois eu e meu marido já decidimos que se não vier de forma natural, nós simplesmente não teremos. Se não é para ser, não é e pronto, sem neuras.
    Enfim, eu comecei de uns meses para cá a ler blogs de pessoas que tem filhos bebês, que estão grávidas ou que estão tentando engravidar justamente para entender melhor sobre esse momento, sobre o que se sente, sobre esse mundo que não tem nada a ver com o meu e, honestamente, para ver se eu me animo em engravidar logo. E aí acompanhei sim boa parte das suas histórias, torci junto porque vi que era algo que vc queria muito. Mas a verdade é que nunca entendi o motivo de tanta pressa, tanto stress e sofrimento, sendo que vc é tão jovem ainda. Mas ok, isso não é problema meu, só estou desabafando. Bem, quando vc engravidou fiquei bem feliz e aí comecei a acompanhar a sua gravidez e foi me dando um PÂNICO ainda maior!! Porque vc passou a falar de enjoo, mau humor, medo de perder, um monte de coisas que só quem está MUITO A FIM de ter um filho suportaria passar, na minha opinião. E me surpreende ver que vc ta sentindo tudo isso e está feliz e a única explicação é que deve ser mesmo mt mágico estar grávida…. E aí eu fico tentando me convencer que tem gravidez que é mais tranquila e acho que fui muito ríspida no meu comentário. Relendo agora, tenho CERTEZA que fui e peço desculpas, pois não era minha intenção.
    A verdade é que eu vou mesmo esperar, pois não é o momento p/ mim e eu nem sei se vai ter algum momento, afinal não acho que todo mundo precisa ter filhos, acho sim que é uma opção e que deve ser MUITO pensada, analisada, discutida entre o casal. Eu acho que tem muita gente que resolve ter filhos para tapar alguns buracos, mas isso é uma outra história que nem vou trazer aqui, pois não tem nada a ver.
    Mas peço desculpas se fui desagradável, realmente não era minha intenção. Desejo muitas felicidades pra vc e que seu baby venha lindão e bem forte!
    Van

  17. Carol,eu nao leio seu blog a mto tempo assim…mas o suficiente para entender q vc escreve desses momentos com super humor e me faz rir mto ate das coisas mais brabas qq vc escreve com isso msm,com humor.
    adoro!
    besos.

  18. Eu sou uma das novas que leem o seu blog (li desde o começo! =D).
    Nunca fiquei grávida, mas já me informei bem a respeito e vi que realmente é normal essas mudanças de "humor", que fala que vc tá errada, não gosta de estar grávida e blá blá blá é quem não tem informação nenhuma pra falar sobre o assunto, ou seja, quem melhor do que uma pessoa grávida pra saber o que se passa com ela própria não é verdade?
    Enfim, o seu blog é tipo um "diário" e se vc não pode ser franca com o seu diário, não sei mais com quem poderia ser!
    continue sim, escrevendo o que sente, eu, pelo menos, leio e gosto muito! =D
    Bjo bjo

  19. Oi querida! Espero não ter feito nenhum comentário desagradável antes, que medo! Mas eu super me identifico com essa sua fase da gravidez. Eu fiquei ruim tb e ninguém me entendia…alguns chegaram a dizer que eu estava rejeitando a gravidez, pode???? Liga não, vai passar. E seja sempre sincera sim! Nada pior do que ouvir mentiras, viver num mundo de faz de conta, não é mesmo? A vida real é assim mesmo! Força aí! Beijos!

    Nine
    http://www.minhapequenaisis.blogspot.com

  20. Carol, não liga não. Eu tento abstrair, sabe. Somos seres únicos, cada um com sua vida, com suas fases e problemas. Já ouvi tanta coisa do povo, gente que tbm não me conhece e faz comentários cruéis. Não existe receita para a fase da gravidez, cada um sente de um jeito. Já tive vontade de mandar muita gente que enche o meu saco pra PQP, mas não vale a pena não. Querida, viva a sua gravidez do seu jeito e permita-se sentir todas as sensações que ela trás sem se preocupar com ninguém. O momento é seu!!!!!

    Bjão

  21. Oi! Sou relativamente nova por aqui, mas acompanhei os ultimos 2 meses das suas tentativas, adorei seu estilo de escrever e fui lendo um monte de posts passados. Eu ja estou na fase de tentativas ha 1 ano e meio e ja passou pela minha cabeça fazer um blog a respeito dessa fase complicada, mas a verdade é que nao tenho a coragem que você e outras futuras mamaes tem de falar com tanta sinceridade sobre temas tao delicados. Resultado: nao levo as pedradas e nem leio desaforos, mas também nao fiz sequer uma amizade com mulheres que me entenderiam como ninguem. Nao tem jeito, amizade é troca, fico sem blog e também sem as amizades (nesse meio). Parabéns pela sua coragem e aproveita muito as amizades deliciosas que aposto que fez 🙂

  22. Oi carol, eu não sou nova, pois te acompannho a um tempinho, mas sempre tive vergonha de comentar!!

    Eu acho que as pessoas tem que entender que um blog é para relatar nossos acontecimentos, dar nossas opiniões, expor ideias, não relatar o que agente queria que fosse! Ou seja, cada gravidez é diferente, eu não tive enjoos, mas não é por causa disso que vou ficar falando mal de quem tem ou coisa do tipo. Cada um sente de uma forma e pensa de uma forma, se todo mundo sentisse as mesmas coisas o mundo seria uma chatisse!!!!!!

    Lembrei quando falei pro meu sogro que ia procurar um cardiologista pro meu filho! e ele falou que eu estava procurando doença!!! Mas meu esposo perdeu uma irmã de 16 anos de infarto, o pai dele teve infarto, dois tios dele morreram de infarto…não é que esteja "procurando doença" ou pensando no pior! só que existem coisas que podemos prevenir e descobrir o qaunto antes é melhor!!! Mas tem pessoas que não entende e nos julgam!

    e se prepara porque quando agente fala que não dormimos depois que o baby nasce já pensam que estamos reclamando da vida, rejeitando nosso filho e por ai vai…
    aff…o jeito é abstrair esses tipos de comentários…
    vou lá que ja falei demais
    bjos
    Jack e Bryan

  23. Carol,
    Eu ainda não estou grávida (infelizmente), mas já acompanhei a gravidez da minha irmã e sei como, às vezes, é difícil agüentar.
    Nesse mundo internético as pessoas revelam seus verdadeiros “eu”, para o bem ou para o mal. Pelo que tenho acompanhado, quando o assunto é maternidade, a quantidade de gente xiita, bitolada, cresce exponencialmente… Por isso tente relevar qualquer comentário pouco abonador que tenha recebido.
    As angústias nessa fase são muito normais e, pela sua história, é mais que compreensível a presença de tantos medos. O importante mesmo é manter uma postura positiva, tentando afastar as paranóias quando elas surgirem.
    Se precisar desabafar, faça!!!! Você é o centro do mundo agora, e o que for dito ou feito, será perdoado por aqueles que te amam. Simples assim.
    Em breve tudo isso será apenas uma vaga lembrança desagradável.
    beijos
    Maria Fernanda

  24. Carol, você tá super certa. Todo mundo julga demais aqui na net. Por mais que digam que cada um tem o parto que quer, amamenta se quiser, acha ruim estar grávida se quiser, sempre tem um ar de crítica e sempre se acha dona da razão. Abandonei a leitura de vários blogs por causa disso. Cada um com seu cada um. Viva sua gravidez como bem entender, ninguém tem nada com isso. Cada um sabe onde o calo aperta e agora vou parando porque já falei chavão demais…! Bjos

  25. Meninas!
    Muito obrigada pelo apoio, é por essas e outras que eu não tenho dúvidas de que isso aqui me faz muito bem e que vou continuar!

    Van,
    não se preocupe. Realmente tinha achado seu comentário meio ríspido, mas fiquei tão feliz que você voltou pra gente conversar! Acho que assim podemos construir uma relação legal por aqui. Meu post não foi direcionado pra você, foram várias outras coisinhas que foram se juntando ao longo do tempo e eu precisei parar pra esclarecer algumas coisas. Sobre o seu caso: concordo que a decisão por uma gravidez precisa ser pensada e planejada, acho você tá certíssima. Cada uma sabe do seu próprio tempo. E acho que, quando o seu tempo chegar (e acho que será em breve pq vc já tá toda antenada no mundão materno), nenhuma dessas possíveis dificuldades te impedirá. Você será tomada por um sentimento polianístico sem tamanho! As coisas que tenho passado são chatinhas mesmo, mas é o que eu comentei: pra mim, valem a pena! Tenho certeza que valerão pra você também, quando chegar a tua hora. Estou aqui pra gente bater papo, sempre, viu?

    Beijão pra todas!

  26. Oi Carol,
    Faz tempo que venho aqui, mas nunca tinha comentado por vergonha…
    Desde que vc engravidou leio todos os seus posts (aliás, morri de rir com os comentários sobre a Copa!). Acompanhei quando vc contou do muco e que precisava ficar de repouso, e fiquei aqui quietinha torcendo por vc. E foi pensando em vc sozinha, passando por todas essas novidades nessa fase tão linda que me identifiquei.
    Explico: quando engravidei, eu e marido morávamos no interior de SP. Quando eu estava com mais ou menos 5 meses, o marido recebeu uma proposta boa de trabalho na capital. Passamos os meses restantes da gravidez a 600 km de distância um do outro, nos vendo a cada 15, 20 dias. Quando minha bolsa estourou, eu estava de 8 meses e o marido em SP. Fui pro hospital apenas com minha mãe, e tive meu filho sozinha.
    Além disso, como vc bem escreveu aqui, a história familiar que cada um carrega influencia sim em nossos medos, ainda mais durante a gravidez. Quando um de meus sobrinhos nasceu, houve uma complicação séria no parto e ele ficou com sequelas neurológicas. Aos 4 anos, ele faleceu. Então, quando meu filho deu sinais de nascer – aos 8 meses, ou seja, prematuro – e eu ainda por cima estava sozinha, todo esse medo me sondou. Mas graças a Deus o filme não se repetiu, e deu tudo certo com a gente.
    Desculpe todo o desabafo (acho que foi para compensar ter vindo tanto aqui sem comentar antes!), mas escrevi tudo isso para dizer que vc não está sozinha. Ao menos virtualmente há muitas pessoas te ouvindo, te acompanhando e desejando coisas boas.
    Vou continuar por aqui, mas agora prometo aparecer mais, ok?
    beijo grande!
    Sarah
    Ah, se tiver um tempinho, passa lá no meu blog pra conhecer meu pequeno: http://maedobento.blogspot.com/

  27. Carol, existe um preconceito em relação aos sentimentos da gravidez: muita gente não consegue entender o misto de sentimentos. E sei que é complicado porque eu já senti isso e é quase impossível de explicar de forma coerente, imagina entender!
    Tem gente que não consegue compreender que dá para estar feliz e frustrada, alegre e chateada, a-man-do e cansada.
    Esse misto de sentimentos é normal, quem nunca aguentou um tio chato na infância porque ele dava um presente legal? Igualzinho!

    Beijos para você e para a barriga.
    (E os nomes, já pensou nos nomes? *curiosa)

  28. O pior de ter gente lendo e criticanso é pensar que a pessoa só lê por que quer, ninguém a faz vir até o blog, ler e comentar…
    Tive uma gravidez, no sentido médico, tranquila. MAs até os cinco meses só eu e o marido sabíamos, e no sentido psicológico foi péssimo o começo. tinha muita vontade de fazer um blog mas não o fiz exatamente por causa das críticas. Simplesmente não aguentaria naquele momento. Aí lia vários, mas nunca comentava. Agora, com a Gabi com um ano e meio, leio, comento e comecei um blog pra mim.
    Pra mim é perfeitamente normal tudo o que você está sentindo, eu tinha mega medos, tanto que não fiz a transvaginal nem a translucência nucal, tudo por medo… E sobre a família e amigos, minha mãe é viva mas só fiou sabendo da gravidez com cinco meses, e foi só para dar briga. Amigas? Sobrou uma que não me julgou(fui mãe na metade da faculdade e com 20 anos)e que não me deixou de lado. Me apoiei no maridon e nos sogros(os únicos a comemorar a notícia, além de nós dois).
    Então, força na peruca amiga, bola pra frente e xô daqui pessoas invejosas e sem coração!
    Beijos

  29. Carol

    De uma coisa você pode ter certeza esse baby já é muito amado por todas nós e o mais esprado também!!! Será lndo e rico de muita saúde e logo vai ter um amiguinho aliás a titia aqui tá se esforçando bastante para que isso aconteça kkk…

    Beijos minha linda.

  30. Carol

    De uma coisa você pode ter certeza esse baby já é muito amado por todas nós e o mais esprado também!!! Será lndo e rico de muita saúde e logo vai ter um amiguinho aliás a titia aqui tá se esforçando bastante para que isso aconteça kkk…

    Bjos minha linda.

    Acima saiu como anônimo!!!

  31. Queria dizer umas coisas:

    1) Mesmo sem te conhecer pessoalmente ou melhor, te admiro pra caramba.

    2) Você escreve foda bagarai (desculpa o palavreado, mas é que o nível de mandar-bem da sua escrita requer!)

    3) Mesmo acompanhando sua vida apenas pelo blog, que reflete apenas um pouco do que nós somos, sei como vc quis e quer esse baby e como vc estea feliz.

    4) Seu filho vai ter muito orgulho de ti e vc será uma mãe maravilhosa.

    Bjos

  32. Oi Carol! Parabéns por sua coragem, e determinação em esclarecer as coisas! Me identifico com vc nesse ponto! Não gosto de deixar nada no ar!
    Esse BB é abençoado por ter uma mãe forte como vc!
    E o maridão? Ainda ta sofrendo?? rsrs… A Taiz agora deu pra brigar comigo, por causa do erro de um amigo nosso (que traiu a mulher dele), ela disse que é pra eu nunca pensar em fazer o mesmo! Pode? rsrs…

  33. o carol, nao coloca coisinhas assim no blog, poxa amiga eu to grávida, dengosa e chorro pq meu cachorro tem caimbras e não consegue levantar… ahauahuahua …. sobre os comentarios anônimos eu não daria bola, agradeço a Deus todos os dias por ter uma gestação realmente maravilhosa, vc me aconpanha e sabe disso, a única coisa são as mudanças de humor e o sono que acabam comigo….. fora isso nenhum susto nadinha, sofri qdo vc sofreu, a jordana,a than, a rebeca, todas que engravidaram pra ticamente junto de mim e não tiveram a mesma graça que eu tive, nunca vomitei, assim agora me encomodo com a falta de fome, mas empurrando a cmida desce…. bom carol adoro demais teu blog, espero que nao desista dele por stress com comentários….
    bjusss

  34. Carol, adorei seu texto e o achei bastante delicado. Eu, Fabiana, já teria mandado 1/2 duzia plantar bananeira na descida! Sério!

    As vezes, é difícil para os outros entenderem que cada um sente/pensa/vive de forma diferente. Acham que todo mundo deve viver dentro de um padrão. Tipo: engravidou porque queria, agora não reclama! Nem dos enjoos, das noites insones, nem de porr* nenhuma. Ou seja, vc fica terminantemente proibida de falar e sentir as coisas que te incomodam. E isso é um saco! E tb é cruel! Eca!

    Seja muito feliz! Reclame quando der vontade, chore, grite e mande os incomodados procurarem a turma deles! Vc tem o direito! Sempre!

    Um beijo carinhoso!

  35. Ai, Carol… não tive nem de perto nenhuma das perdas que você teve. Mesmo assim, fiquei duas noites sem dormir antes da morfológica do primeiro trimestre, a cada meia hora surto preocupada que algo possa ter acontecido e dou um cutucão na Helena para ela se mexer (just checking), dentre outras loucuras / medos / angústias variados.
    Gravidez não é mar de rosas. Tem vários desconfortos e tem horas que – OUCH – a única coisa que você quer é que ela acabe rápido (especialmente nessa fase que você está, dos enjoos). E que você se arrepende de ter entrado nessa (eu me arrependi várias vezes ao longo de todo o processo, tipo "caraca, minha vida é tão boa e tranquila, porque fui me meter nessa???"). Só que nada disso significa que você está rejeitando ou efetivamente se arrependeu por ter o seu baby.
    E, poxa! Acho que tudo isso é ABSOLUTAMENTE normal. Porque é certamente a maior mudança que você vai ter na sua vida. Quando a gente muda de casa, de emprego, de namorado (de marido não pretendo mudar, hehe) não dá uma dúvida, um medo, uma insegurança? E todas essas mudanças são reversíveis. Um filho não, é irreversível. É uma PUTA responsabilidade. Então, a gente tem TODO o direito de ficar insegura, reclamona, ansiosa, tudo.
    Em resumo, ficou meio (muito) desconexo esse mega-comentário. Mas o que eu queria te dizer é que TE APÓIO. Porque fácil não é mesmo.
    Beijo bem grande.

  36. Carol,
    Bom, vou dizer o que todo mundo aí em cima já disse… mas acho que vale o registro porque é pra você registrar bem mesmo. Desde que comecei a ler blogs, descobri a maravilhosa possibilidade de fazer amigas, conhecer pessoas e trocar experiências através de posts. Os seus são particularmente especiais porque você escreve tão bem e tão divertido que tenho a impressão de estar conversando face-a-face contigo. O que quer dizer que como boa amiga, às vezes dou risada junto, às vezes choro, às vezes me preocupo, tantas outras apenas dou um sorriso sincero pro meu computador, como se ele pudesse levar meu sorriso de cumplicidade até você. E assim como eu, estou certa de que quase todas as suas "seguidoras" fazem o mesmo. Portanto, querida, escreva o que você quiser escrever aqui, porque o blog é seu e porque só assim podemos conhecê-la por inteiro. E você é uma pessoa maravilhosa para se conhecer, assim, com toda a sua intensidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *