Olha, to começando a achar que, com a quantidade e frequência de gente que vem nos visitar aqui em Buenos + minha casa e meu computador cheios de referencia de maternas, meu lar vai se tornar em breve o Centro de Estudos Antropológicos e Pesquisas Práticas sobre a Maternidade.

Porque Cunhadín voltou pro Brasil, mas não tivemos muito tempo pra reclamar da casa vazia. No dia seguinte, chegou a minha sogra e duas sobrinhas, de 11 e 12 anos. Carolininha aqui começa a testar o módulo “Aturando Adolescentes” de seu curso preparatório prático.

Não sei se tem alguma mommy de adolescente por aqui, mas eumesma já posso dar uma breve opinião: é duro hein gente. Claro que ter um ser completamente dependente 24 horas por dia também é. Mas tipo. Adolescente é mau humorado, depressivo, cheio de manias. Não que a experiência esteja sendo ruim, nada disso. É apenas muito diferente.

Primeiro, eu demorei um pouquinho pra pegar o tom da coisa. Ou eu fazia “a adulta” e elas não entendiam bem ou eu infantilizava demais o meu papo. Me concentrei e acertei. Falamos da escola delas, de internet, um pouco de fotografia (aí elas acharam o tema meio chato), de compras em Buenos Aires, de curiosidades. Mas não escapei de cenas de mau humor. Estávamos num restaurante, comendo uma pizza. Aí uma delas não gostava de massa fina. E não avisou nada. E quando chegou a pizza, ela destroçou a comida, comeu só o queijo, fez birra, cara feia e deitou a cabeça na mesa. Quando perguntei o que houve, ela simplesmente não respondeu. Assim, ligando o foda-se na minha cara, como se a culpa da pizza não estar do agrado dela fosse minha. Com calma, descobri o que tinha acontecido, mas não consegui que ela comesse mais nada. Ok. Pra uma pessoa de 12 anos, dá pra falar “coma então quando tiver fome, tá?”. Pra de 2, fica mais complicado.

Depois fiquei pensando em programações pra elas. Perguntei o que elas gostavam de fazer e a resposta foi: internet e televisão. Ai meus sais. Tudo bem, eu também amo essas coisas, mas sei lá, né. Estamos em outro país, vambora fazer outra coisa! Daí chegamos a conclusão que: vamos fazer compras, vamos no Parque Aquático que tem numa cidade aqui pertinho e vamos no show da Beyoncé. No dia do show, vamos só nós 3 e eu vou ganhar o prêmio da tia mais legal do mundo, certeza. Porque eu que tive a idéia, porque vamos sozinhas, porque vamos nos maquiar e brincar de divas Dreamgirls. Eu fiquei lembrando que queria eu aos 12 anos ter uma tia que me levasse num show baphonico assim.

E não deu outra, elas estão empolgadíssimas, não falam de outra coisa e ficam tentando me ensinar as músicas (ah é, tem esse detalhe, eu não sei cantar nenhuma música inteira da Beyoncé, hehehe).

Enfim, vamos vendo como rola a semana. Certeza que eu volto pra contar mais causos em breve!

9 respostas em “Dos 2 aos 12

  1. É Carol, acho que uma criança de 2 anos é mais facil de lidar do que com adolescentes!
    Meu irmão tem 16 e Jesus, tem dias que vc vai falar Oi e é um mau humor que sai debaixo!
    Mais, eu tmb era assim, insuportavel rs
    Um Bjo e boa sorte!

  2. Nossa Carol, intensivão mesmo, hein! rsrs

    Não lembro onde, mas li que Criança é igual video game: a próxima fase é sempre mais complicada e difícil!

    Tentei ir ao show aqui em SP, mas quem disse que consegui comprar as entradas??????

    bjão e boa sorte!!

    Ps, tô aguardando o comentário que prometeu…rsrs

  3. hahahahaah vc será a tia mais legal do universo com certeza!

    Eu convivo com três aborrescentes: meus irmãos… e vou dizer que é dificil, hein! Até hoje só aprendi a decifrar a gisela, que mora comigo… o vinicius é menino, mais complicado, e a paulinha não mora… então é a questao da distancia complica mesmo…

    bjuu

  4. Pois eh, adolescente eh complicado! Minha irma tem 14 anos, e nem mora comigo, jah eh dificil d aturar! kkk
    Quanto a Beyonce, eu aaamo, mas nao consegui ingressos pro show aqui no Brasil… acabou rapidinho!
    Bjksssss

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *