Minha irmã acreditou em Papai Noel por muito tempo, mais do que as outras crianças, eu acho. Deve ter ficado até uns oito anos com a certeza de que o tal velhinho simpático existia. Ela esperava ansiosa pelo Natal e não tinha força na Terra que a impedisse de acreditar naquilo tudo.

Tinha todo um ritual: ela escrevia uma carta no meio de novembro e deixava na árvore de Natal. Um dia, a cartinha sumia (diretamente pra bolsa da minha mãe, claro) e a emoção começava. Ela ficava toda boba achando que o velhinho tinha passado lá pra buscar a cartinha dela. Na noite do dia 24 de dezembro, ela botava uma meia na janela, esperava dar 0h e voltava correndo ver se estava lá o presente tão sonhado.

Me lembro como se fosse ontem de um dos últimos Natais que ela ainda acreditava em Papai Noel. Estávamos numa casa grande, de dois andares (de uma tia). Fizemos toda uma encenação pra convencê-la de que a meia deveria ficar num quarto no segundo andar (pra dar tempo de alguém ir lá deixar a tão desejada Barbie e ela não perceber).

Ela tava ansiosa, se tremia toda e ficava olhando pro relógio constantemente. Um pouco antes da meia-noite, coube a mim a tarefa de sorrateiramente botar a caixa da boneca na janela. Me senti parte de algo importante e especial. Não sei se ela se deu conta do tanto de amor que cabia naquela Barbie boboca.

Enfim, chegou a hora e a ansiedade dela já tinha contagiado a família toda. Fomos todos correndo pro tal quarto do segundo andar, rindo, gritando, ela na frente, guiando todo mundo. Quando ela viu a caixa na janela… nossa! Foi um desses pequenos momentos que se tornam enormes. Acho que um dos mais especiais da minha vida. Ela gritou de emoção, ria muito, não sabia pra onde olhava, o que fazia. Até que começou a chorar de emoção. Uma menina de 6 ou 7 anos chorando de emoção. Eu, no alto dos meus 13, nunca tinha visto nada parecido. Acho que ninguém da minha família tinha. Tanto que todos começamos a chorar com ela. E nos abraçamos. E não faltava mais nada.

Pra mim, esse momento ficou marcado. É como todo Natal deveria ser. E é como eu desejo que o de vocês seja.

Cheio de magia, emoção e muito, mas muuuito amor.

Um beijão,
Carol

6 respostas em “O melhor Natal

  1. Um dos momentos que ficaram marcados na minha mente foram os natais na casa da minha avó paterna. Ela tinha uma árvore que para mim era gigantesca cheia de enfeites natalinos. Além disso ela pediu para cada neto fazer um desenho para colocar na árvore… pra mim isso é natal, é a atmosfera que ela criava para reunir a família. E agora espero ansiosamente pela minha família para tentar criar algo parecido.

    Desejo um 2010 de muitas felicidades e conquista!! Muita saúde!

    um grande beijo e um abraço apertado

  2. Estou atrasada, o Natal já passou, mas ainda assim você me deixou com os olhos cheios de lágrimas. É exatamente nisso que acredito nessa época do ano, nessa magia, nesse carinho, neses sorrisos e nessa emoção que extravasa por todos os poros. Um ótimo final de ano para vc e toda sua família.

    bjo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *