Olá gatinhas e gatinhos!

Tenho ido no blog de vocês religiosamente e tenho visto que estamos na Semana da Leitura. Muito legal! To lendo tudo e achando ótima a iniciativa e os depoimentos, mas infelizmente não tenho muito a acrescentar não, a minha semana tá mais pra Semana do Cansaço Brabo do que qualquer outra coisa…

Queria dizer que a ida ao Brasil foi ÓTEMA, mas, na verdade, foi pressão total. Não parei um minuto, não fui à praia, não fiquei de papo pro ar e, pior, não vi nem a metade das pessoas que eu gostaria. A metade menor do povo que eu vi de fato fez a viagem valer a pena. Mas, na volta pra cá, ainda no aeroporto do Rio, não sei o que houve. Senti uma culpa enorme, uma saudade, uma falta de tudo e ao mesmo tempo um excesso, um cansaço… não sei explicar. Sei que chorei, chorei, chorei. Soluçava que nem criança e só fui me acalmar quando fui vencida pela exaustão, já depois do avião decolado e das pessoas em volta ficarem olhado achando que alguém tinha morrido.

De qualquer forma, o choro todo foi bom, lavei a alma, descarreguei ali todos os medos e neuras. A única questão é que isso tudo é muito desgastante emocionalmente pra mim, então estou parecendo um zumbi desde que cheguei. Lenta. Leeerda. Nem tenho comentado muito nos blogs, de tao mongol que estou.

Mas vamos ao papo-baby, né, afinal esse blog é pra isso. Estive muito em contato com os babys queridos da minha família nesse feriado, foi uma delícia!

São eles:

Letícia

Essa é a minha afilhadinha, que vai fazer 5 anos essa semana. É minha primeira e única afilhada. Na verdade, ela era afilhada da minha mãe, mas infelizmente ela não esteve entre nós a tempo de batizar, então ganhei de herança. Me sinto honrada de representar a minha mommy nesse “cargo”, só é uma pena morarmos tão longe, eu não consigo participar da vida dela tanto quanto gostaria. Mas, agora no Brasil, logo que Letícia me viu, se agarrou nas minhas pernas e não me largou mais o tempo todo que estive com ela, fiquei tão feliz! Como pode uma criança pequena se lembrar com tanto amor de alguém? Sem falsa modéstia, ela me adora. E eu adoro ela. Ai, ai. Ah, o presente! Eu tava sofrendo com isso, mas aproveitei as dicas de vocês e adaptei um pouco ao que me falaram que ela gostaria de ganhar. Dei um kit da Barbie de pintura, corte e colagem, que vinha dentro de uma maletinha e um kit de maquiagem pra criança (aqui em Buenos tem uma Barbie Store, que é muito legal). Gente, os olhinhos dela brilharam e ela passou o tempo todo agarrada com os kits.


Sofia
Também já falei dela aqui. É um baby fofo de apenas um mês, filha de uma prima de Maridón. Eu senti uma emoção tão enorme de estar com ela no colo. Nem sabia explicar. Olhei os dedinhos, as feições, o cabelinho… os babys são MILAGRES, gente. Fiquei um tempão com ela, só olhando e curtindo.

Bárbara
Essa é minha cunhada! Irmã de Maridón, mais uma criança que gostaríamos de ter um contato mais próximo. Ela é meio desconfiada no começo, mas foi conquistada pelo charme de Maridón. Ohmm! Grudou nele e não largou mais. A família toda ficou falando do lado paterno dele, perguntando quando o nosso virá… eu desconversei. Não fico afim de abrir a minha vida pras mais variadas opiniões (oi? Pq então eu escrevo um blog sobre isso?).

Falar sobre meus planos aqui no blog é uma coisa, é o meu espaço, mas falar pro tio, pro avo, pra prima… sei lá, todo mundo fica (na boa intenção) dizendo o que devo ou não fazer da minha vida, não tenho muita paciência. Vocês tem?

6 respostas em “De volta

  1. Oi Carol…adorei as fotos…lindos baby's. Quanto a não comentar sua vida com a galera, acho que está certíssima. Mesmo sem maldade as pessoas acabam dando a sua opinião quase que como certa e isso é um tanto irritante. Eu não comentei com ninguém quando decidi engravidar, tanto que para todos foi uma surpresa. Ué, quem tem que saber qual o melhor momento sou eu e meu marido, certo? kakakakak

  2. Que babies mais lindos! Este abraço dos irmãos na última foto está demais.
    E eu também não tenho paciência para quem quer opinar sobre minha vida, a não ser que eu peça (e, no blog, a gente acaba pedindo, né?).
    Bjs

  3. Oiii!!

    Que mocinhas mais lindaaaaaasss!!! Babei aqui! Aiii, lindas mesmo!

    Carol, acho que tu está certa em não contar sabe, senão começa uma pressão. "E aí, não veio ainda o baby?", "Será que vocês não tem algum problema?"… Aqueles comentários que as vezes nem são por maldade mas por ansiedade do pessoal.

    Eu não consigo imaginar a saudade que você sente. Nunca fiquei muito tempo longe da minha família, não consigo conceber isso. Sei, que se fosse preciso, teria que ficar, mas eu ia chorar assim todos os dias.Ia entrar em depressão, eu acho.

    Você é muito forte,eu admiro isso!

    Beijos!

  4. Que fofuras!!
    Quanto a comentar seus planos com família, deixa queito, é super normal todo mundo querer dar palpite… minha mãe entrou numas de querer escolher onde posso e não posso levar o MEU filho, é mole? O que eu faço? Cara de paisagem, deixo falar, falar, falar…eheheheh
    Quanto ao choro, tenho um conselho: chore sempre que precisar, isso é lavar a alma, como você mesma disse.
    Beijo grande!

  5. Nossa Carol.
    é que poder ir pro Brasil passar um feriado é de luxo, né? Mas entendo o cansaço, a "culpa", e o choro.
    é normal, é a acumulação de emoções e sentimentos.
    Sobre os palpites, gata! Prepare-se porque uma vez mãe a tua vida já não te pertence, e o melhor a fazer, é escutar, escutar e escutar, mas fazer o que o teu coração pede.

    bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *